Navigation – Plan du site
Henrique S. Carneiro

História da Ciência, da Técnica e do Trabalho no Brasil

[09/02/2005]

Entrées d’index

Géographique :

Brasil
Haut de page

Texte intégral

1A história da Ciência e da Técnica no Brasil se insere no contexto do desenvolvimento da ciência nos países coloniais. A exploração colonial do Novo Mundo exigiu um esforço científico inicial dos navegadores europeus no sentido de obter informações geográficas e produzir uma cartografia e, em seguida, de comunicar-se com os nativos e obter informações botânicas, zoológicas e mineralógicas. Na fase posterior da colonização transplantaram-se e adaptaram-se uma série de técnicas européias destinadas a viabilizar empresas de exploração econômica. A técnica do plantio da cana-de-açúcar desenvolvida nas ilhas atlânticas iria se ampliar nos trópicos. Os engenhos logo tornaram-se empreendimentos pioneiros de um sistema protofabril, onde instalava-se a produção em série junto a aplicação de processos químicos. A mineração é a segunda grande área de atividade econômica que aplicará técnicas resultantes da ciência européia.

2Deve-se distinguir, no entanto, a produção de ciência da simples aplicação de uma técnica exógena, mesmo que esta realize um esforço criativo de adaptação e aproveitamento de recursos nativos. A ciência como geração de conhecimento só existirá no Novo Mundo a partir do século XIX.

3Para a formação da ciência européia, os países coloniais, especialmente as Américas, inicialmente foram a fonte de informações que permitiu o desenvolvimento da História Natural. Num segundo momento, começariam a se formar núcleos de investigação científica no próprio território colonial e, apenas num terceiro, se constituiria uma ciência nacional independente (cf. as 3 fases de George Basalla).

4Na primeira fase incorporaram-se elementos dos saberes indígenas à ciência ocidental. A “ciência do concreto” a que se refere Lévi-Strauss continha nas comunidades indígenas não só classificações exaustivas da flora e da fauna como correlações entre plantas e efeitos farmacológicos. Esta “etno-ciência”, fonte de grande parte dos fármacos de origem vegetal em uso na atualidade, permanece até hoje como um depósito de conhecimentos ainda não incorporados à ciência mundial1.

5As primeiras técnicas que existiram no Brasil foram os saberes indígenas. Particularmente no campo do conhecimento dos vegetais e de seus efeitos no homem e nos animais, onde se destaca a cultura da mandioca, do tabaco, o conhecimento do curare, do timbó, da ayahuasca, da quina, do guaraná, entre muitas outras plantas. No caso brasileiro muitos trabalhos já buscaram aquilatar o significado e a dimensão dos elementos do saber autóctone que foram absorvidos pela cultura brasileira. Sérgio Buarque chamou o saber etnobotânico ameríndio de “botica da natureza”.

6Os colonizadores trouxeram técnicas de construção e a indústria do açúcar. Entre as primeiras se destacam as construções militares (mais de 300 fortes) realizadas a partir das Aulas de Fortificações e Artilharia instituídas na Bahia em 1714 e em Pernambuco em 1788, e da Real Academia de Artilharia, Fortificações e Desenho, no Rio de Janeiro em 1792, conforme destaca o livro História da Técnica e da Tecnologia no Brasil, organizado por Milton Vargas e que constitui-se na melhor compilação sobre o tema. Sobre a indústria açucareira, há inúmeros trabalhos, a se destacar Engenho e tecnologia, de Ruy Gama.

7A metalurgia se desenvolverá com métodos europeus e com auxílio de técnicas africanas trazidas pelos escravos. O livro de Antonil, Riqueza e Opulência do Brasil por suas drogas e minas, publicado em Portugal, em 1711, e logo proibido e apreendido, resume o quadro dos recurso técnicos empregados no Brasil nesse período colonial.

8 A ausência de um desenvolvimento significativo nos países periféricos foi objeto de estudo de todos os que escreveram sobre as ciências na América Latina e no Brasil. Em 1976, Nancy Stepan publicou Gênese e Evolução da Ciência Brasileira, onde analisaria o papel pioneiro do Instituto Osvaldo Cruz e as razões da preponderância das ciências biomédicas no desenvolvimento científico brasileiro, que têm início de forma institucional moderna com as fazendas adaptadas de Manguinhos e do Butantã, dotadas de laboratórios capazes não só de produzir vacinas importadas como de praticar ciência experimental.

9A ciência no Brasil colonial se viu ainda mais atrasada em relação ao resto da América Latina devido à sobrevivência em Portugal do escolasticismo até as reformas pombalinas da segunda metade do XVIII. Diferentemente da Espanha, que criou universidades, promoveu oficialmente estudos sobre as grandes civilizações (astecas: Sahagun; maias: Diego de Lando; e incas: Bernabé Cobo), e sobre os recursos naturais (Relaciones Geográficas entre 1577 e 1586), além de permitir expedições como a de La Condamine, em 1736, a coroa portuguesa vetou a divulgação de informações e as viagens para a sua maior colônia, escondida do mundo até a vinda da família real em 1808, quando tornou-se o foco de interesse dos naturalistas do século XIX.

10As ciências naturais no Brasil começaram assim pelas mãos dos holandeses que, em 1637, trouxeram médicos e naturalistas como Guilherme Piso e Jorge Marcgrave, autores da primeira História Natural do Brasil Ilustrada, e construíram em Recife o primeiro observatório astronômico. A medicina, a botânica, a zoologia, especialmente a ictiologia, a ornitologia e a entomologia, além da cartografia e da descrição etnográfica enriqueceram-se com as informações colhidas no Brasil.

11A ascensão do marquês de Pombal, a partir de 1750, trouxe não só a expulsão dos jesuítas (1759), e a reforma educacional, com a reorganização da Universidade de Coimbra (1772), como a promoção das idéias científicas, que serviram não só para explicar o terremoto de Lisboa, em 1755, como para justificar o envio das primeiras expedições científicas portuguesas ao Brasil, como a de Alexandre Rodrigues, entre 1783-1791 (que, apesar de um trabalho riquíssimo de coleta de amostras na Amazônia, não teve suas obras publicadas, e suas coleções foram apropriadas por Saint-Hilaire).

12Como resultado das reformas pombalinas da Universidade de Coimbra, haverá uma inclusão de matérias científicas no currículo acadêmico e dois brasileiros se tornarão os principais cientistas em mineralogia e geologia, são eles José Bonifácio e Manuel F. da Câmara2. O primeiro dirigirá a cadeira de mineralogia, para ele criada, em Coimbra, e será o Intendente Geral das Minas e Metais do Reino. No total, cerca de 430 brasileiros se formaram em ciências em Coimbra desde as reformas de 1772 até o final do século XVIII.

13O governo do Brasil do conde de Linhares, D. Rodrigo de Sousa Coutinho (1796 a 1812) se caracterizará por tentativas de estímulo ao desenvolvimento da pesquisa de alternativas econômicas para a colônia diante da decadência da mineração tradicional de ouro. José Murilo de Carvalho, em sua história da Escola de Minas de Ouro Preto escreve que: “nos primeiros anos do século XIX, principalmente durante o governo de D. Rodrigo, prevaleceu entre a elite governante portuguesa, com a aberta colaboração de muitos cientistas brasileiros, um forte espírito iluminista, caracterizado pela fé no poder da ciência”3.

14A Sociedade Científica do Rio de Janeiro surge em 1772, reunindo médicos e farmacêuticos, mas fecha em 1794. Somente a transferência da corte, em 1808, trará o verdadeiro início não só de uma prática científica oficial, como de uma educação pública, com a criação em 1808 dos cursos médicos em Salvador.

15Apesar da queda de Pombal, em 1775, ter acarretado a “Viradeira”, um retrocesso científico e uma intensificação do controle colonial (com a proibição das manufaturas no Brasil em 1785), a busca das riquezas minerais e os esforços para o seu aproveitamento  levaram à liberação da produção de ferro em Minas Gerais através de um alvará de 1795. Em 1810 será criado o Real Gabinete de Mineralogia do Rio de Janeiro para administrar uma coleção de 3.500 amostras. O alemão Eschwege promove a primeira fabricação industrial de ferro em Congonhas em 1812.

16A transferência da corte para o Rio de Janeiro, em 1808, levou a constituição de instituições como: a Academia Naval do Rio de Janeiro e a Escola Cirúrgica de Salvador (1808), a Academia Militar do Rio de Janeiro (1810), a Academia Médico Cirúrgica do Rio de Janeiro (1813), o Jardim Botânico (1818), e o Museu Imperial (1818). Após a proclamação da independência criaram-se os cursos jurídicos (1827), o Observatório Astronômico (1827), e a Sociedade de Medicina (1829) que, junto com a transformação dos cursos médicos em faculdades (1832), o IHGB (1838), são alguns dos marcos das ciências no primeiro Império. Os naturalistas no Brasil produzem inúmeros relatos de viagem e Spix e Martius publicam, em 1829, o primeiro volume da Flora brasiliensis. O dinamarquês Peter W. Lund dedica-se à paleontologia e classifica dezenas de espécies animais extintas.

17No segundo Império, o grande naturalista norte-americano de origem suíça, Agassiz visita o Brasil entre 1865-66 e, em 1870, é publicado por um de seus alunos, o geólogo norte-americano Frederick Hartt, que chefiou a Comissão Geológica do Império do Brasil (e que morrerá no RJ de febre amarela, em 1878), o primeiro texto geral sobre a geologia brasileira. Alguns cientistas estrangeiros se instalam no país e o suíço Émile Goeldi, o alemão von Inhering e o francês Henri Gorceix, serão responsáveis por avanços na organização do Museu Imperial, depois Museu Nacional (que terá como diretor Ladislau Neto de 1874 a 1893); na zoologia e na engenharia de minas. Goeldi organiza em 1885 o Museu Paraense, que depois de 1900 passa a levar o seu nome e von Inhering torna-se o primeiro diretor do Museu Paulista em 1893. A separação da engenharia civil da militar ocorre com a fundação da Escola Politécnica, em 1874, no Rio de Janeiro e de uma Escola de Minas, dois anos depois, em Ouro Preto. Em São Paulo a Politécnica só surgirá em 1893, já na República.

18Médicos, advogados e engenheiros eram as únicas profissões universitárias no país e o baixo desenvolvimento de uma base industrial limitava a demanda das profissões técnicas. Alguns casos excepcionais de cientistas e inventores ocorreram isoladamente, entretanto, dos quais o maior exemplo é o de Santos Dumont e seu vôo pioneiro em 1906.

19A ocorrência de doenças tropicais endêmicas que irão caracterizar o Brasil na segunda metade do século XIX como o “lugar mais insalubre do mundo” e os avanços da microbiologia no final do século XIX, com a revolução pasteuriana na Europa, farão da medicina e da higiene e saúde públicas as áreas onde se darão os maiores desenvolvimentos. Nas escolas médicas do Rio e de Salvador, entretanto, a microbiologia só chegará com a lei de 1901 que cria a cadeira, mas ainda em 1904, os alunos no RJ tinham apenas um microscópico à sua disposição.

20A febre amarela era a pior das doenças para os estrangeiros. Com a chegada da peste bubônica, a “peste negra”, à Santos, o governo estadual e o federal tomaram providências para adaptar duas fazendas, o Butantã em São Paulo, e Manguinhos no Rio, para a produção local do soro e da vacina. O Instituto Bacteriológico de São Paulo, criado em 1892, e logo com a direção de Adolfo Lutz, organiza um Instituto de Vacinação, dirigido por Vicente de Carvalho, e um laboratório de análises clínicas, que o diretor dos serviços sanitários, Emílio Ribas, usará para construir o centro de pesquisas e produção de soros, que se fundará desde 1899 sob o nome de Instituto Soroterápico Butantã. O Instituto Soroterápico Federal de Manguinhos, inspirado no Instituto Pasteur, onde Osvaldo Cruz estudara se tornará a mais importante instituição científica brasileira. O médico positivista paulista e líder do movimento de saneamento Pereira Barreto foi um dos primeiros em afirmar que “o futuro do Brasil estava na ciência”.

21Vital Brasil no Butantã e Oswaldo Cruz em Manguinhos representam os primeiros esforços no sentido de se criarem instituições científicas produtoras de ciência aplicada e promotoras de pesquisas experimentais, que levarão, sobretudo o Instituto Oswaldo Cruz (recebe o nome do fundador a partir de 1907), a ser o mais importante centro científico brasileiro, com a primeira revista científica de reconhecimento internacional e com a maior biblioteca especializada da América do Sul. Em 1909, sua primeira grande descoberta, Carlos Chagas identifica o tripanosoma causador da doença Trypanosomiasis americana, chamada desde então “mal de chagas”. Durante o governo de Rodrigues Alves, eleito em 1902, Osvaldo Cruz ocupara o cargo de Diretor de Saúde Pública no Rio de Janeiro, promovendo intensa e controversa campanha de vacinação e erradicação de ratos e mosquitos, conseguindo aprovar as leis que unificavam os serviços de saúde e que estabeleciam um código sanitário nacional, além da obrigatoriedade da vacinação. O Instituto levará a todo o Brasil suas campanhas, tornando-se uma referência internacional em medicina tropical e desenvolvendo estudos em bacteriologia, protozoologia, parasitologia, micologia médica e entomologia médica.

22Para Nancy Stepan, o sucesso singular alcançado pelo Instituto Osvaldo Cruz deveu-se à sua capacidade de integrar três fatores chave: o recrutamento de pessoal, a relação de cliente com o Estado e a produção de ciência experimental. Desde o final do século XIX que a união entre a ciência e a indústria constituiu um sistema integrado de produção científica que abrange o sistema industrial empenhado na produção de inovações técnicas e as universidades e institutos de pesquisa tornando a ciência e a tecnologia indissociáveis e reciprocamente estimulantes de novos desenvolvimentos. Num país de base industrial atrasada e de sistema educacional precário apenas a aliança do Instituto de Manguinhos com o Estado pode permitir a integração de ciência pura e aplicada, produzindo resultados palpáveis e rápidos capazes de transformar condições de vida das populações e de produzir produtos úteis e rentáveis.

23Num país semi-colonial, não é de se surpreender que tenha sido na área biomédica que a ciência nacional começou a institucionalizar-se. “Como os médicos constituem o grosso dos cientistas treinados na maioria dos países em desenvolvimento, também não é de surpreender que os novos progressos científicos ocorram muitas vezes primeiro no campo da medicina”4.

24O advento da República trouxe não só uma nova política médica e sanitária, como esforços de expansão das conquistas da técnica e da ciência. Em 1907 o General Rondon comandará a “Comissão de Linhas Telegráficas e Estratégicas de Mato Grosso ao Amazonas”, que não só ajudou a ampliar as comunicações internas no país como iniciou um trabalho etnográfico. Edgard Roquette Pinto, voltado da expedição Rondon escreverá obras sobre as culturas indígenas. As faculdades de Medicina se expandem, São Paulo tem a sua fundada em 1912. A Universidade do Paraná é criada. Em 1920, no governo Epitácio Pessoa se forma a Universidade do Brasil, na capital federal. Em 1934, é fundada a Universidade de São Paulo, e no mesmo ano, o IBGE. Na chamada “República Velha”, o país modernizou-se na eletrificação (Ribeirão das Lajes, 1913), nos portos, no saneamento urbano, na construção de estradas (Washington Luís), na siderurgia (Belgo-Mineira), na indústria química (cimento com a Rodovalho, em 1897; alimentos, fármacos e produtos químicos com a Matarazzo) e na construção civil (uso de concreto armado, arranha-céus: Martinelli 1925/29) e nas comunicações (expansão telégrafos e telefones; rádio 1922). A modernização significa urbanização e industrialização, que são processos integrados e interdependentes do desenvolvimento científico e tecnológico. Mesmo sem grandes pólos de pesquisa científica, além dos já mencionados, sobretudo na área biomédica, houve importantes avanços na pesquisa tecnológica, onde se destacam, conforme a análise de Milton Vargas5, três instituições: o Instituto Agronômico de Campinas (fundado em 1887 como Instituto Agronômico Imperial), que desenvolveu estudos físicos e químicos de solos e pesquisas contra pragas agrícolas; o Gabinete de Resistência de Materiais da Politécnica de São Paulo, que se tornará, em 1926, Laboratório de Ensaio de Materiais e, em 1934, o IPT, Instituto de Pesquisa Tecnológica; e o Serviço Geológico e Mineralógico, que se destacará, a partir de 1920, nos estudos experimentais de combustíveis e minerais.

25No segundo pós-guerra, o Brasil conheceria uma ampliação de sua base industrial e o surgimento de um debate sobre a política científica. As questões candentes da realização da independência e do desenvolvimento econômico nacional exigiriam a autonomia tecnológica e a criação de pólos de ciência. Em 1947, inseriu-se na constituição estadual paulista o percentual de 0,5% da arrecadação para a pesquisa científica (aumentada para 1% na constituição estadual de 1989). A comunidade científica começa sua articulação representativa com a criação da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), em 1948 (entre outros, por José Reis e Maurício Rocha e Silva), a partir da decisão do governador de São Paulo Adhemar de Barros limitar a atividade do Instituto Butantã à produção de soros antiofídicos. A revista Ciência e Cultura, lançada em abril de 1949, será seguida, no mês de outubro, da primeira reunião, em Campinas com 104 participantes. Na década de 50, a SBPC terá importante papel na discussão da LDB Lei de Diretrizes e Bases da Educação, e numa polêmica com o governo federal acerca da necessidade de uma política científica que estimulasse a ciência básica, além da aplicada. Em 15/01/1951 é criado o Conselho Nacional de Pesquisas, e seu primeiro presidente foi o vice-almirante Álvaro Alberto da Motta e Silva Um marco para a física no Brasil é a constituição, em 1949, do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, dirigido por Cesar Lattes, que irá realizar pesquisas sobre raios cósmicos na Bolívia e estudos pioneiros sobre o méson pi artificial.

26Os debates políticos sobre o projeto nacional-desenvolvimentista dos anos 50 foram resultado de transformações objetivas que ocorriam na expansão da infra-estrutura produtiva brasileira. A expansão da eletrificação, com a construção das grandes barragens mineiras, paulistas e do São Francisco (Cemig, 1952; Uselpa, 1953; Cherp, 1955; Furnas, 1957; Eletrobrás, 1961), da siderurgia (CSN, 1942), do sistema de telecomunicações, da produção e refino de petróleo (Petrobrás, 1953; Refinaria Cubatão, 1955), incorreu na necessidade de desenvolvimento tecnológico e na ampliação do sistema educacional (ITA, 1950; CNPq, 1951), com a formação do sistema estatal de financiamento e organização da pesquisa científica com os órgãos federais e as fundações nos estados, das quais a mais importante tem sido a Fapesp, criada em 1962.

27Nos anos 50 também será publicado o primeiro trabalho amplo6 sobre história da ciência no Brasil, organizado por Fernando de Azevedo, fundador da Faculdade de Educacão em 1933 (se integrou à USP no ano seguinte), e que conterá estudos sobre a matemática, a astronomia, a física, a metereologia, a geologia e a paleontologia, a mineralogia e a petrografia, a geografia, a química, a zoologia, a botânica, a biologia, a psicologia, a economia política e a antropologia e sociologia, estes últimos escritos pelo próprio Azevedo. Das ciências de investigação, escreve ele, “a única de que se pode encontrar uma tradição brasileira que se alonga, embora em curvas ascendentes e descendentes, desde o crepúsculo do período colonial até nossos dias, passando pelo Império, é a botânica.”

28Nas últimas décadas, após os trabalhos pioneiros de Fernando de Azevedo nos anos 50, alguns núcleos acadêmicos vem trabalhando com a História da Ciência. Na USP, Maria Amélia Mascarenhas Dantas e Shozo Motoyama vem realizando importantes debates e publicações. No âmbito da História da Técnica, Milton Vargas, da Escola Politécnica e Ruy Gama, da faculdade de Arquitetura, publicaram alguns trabalhos importantes. Na PUC-SP, constituiu-se um programa de mestrado em História da Ciência e Ana Maria Goldfarb vem publicando importantes trabalhos. Da mesma forma, na Unicamp e no Instituto Oswaldo Cruz, surgiram núcleos que tem realizado cursos, debates e publicações. A SBHC (Sociedade Brasileira de História da Ciência), fundada em 1993, promoveu desde então cinco seminários nacionais. A SBPC, com seus congressos e publicações, tem sido a principal sociedade científica brasileira. Em 1982 nasceu a revista Ciência Hoje, e em 1985 era lançado o primeiro número do Informe da Ciência Hoje, que transformou-se em Jornal da Ciência Hoje em 1990, renomeado Jornal da Ciência em 97.

29Na atualidade, a pesquisa científica brasileira encontra-se, em muitas áreas, na condição de viabilizar-se como uma ciência nacional independente, das quais uma das mais marcantes é a da Genômica, com os projetos de mapeamento do genoma do amarelinho (Xilella fastidiosa), assim como o do câncer. A existência de uma importante base industrial e de núcleos avançados de pesquisa oferece condições de elaboração de um projeto de desenvolvimento planejado para o país para o qual a pesquisa científica deve ser um indispensável pilar.

Haut de page

Notes

1 Segundo Farnsworth (1993: 145-152), a informação etnobotânica permitiu a descoberta de cerca de ¾ dos fármacos de origem botânica atualmente usados na Medicina ocidental.
2 Vide sobre José Bonifácio os trabalhos de Carlos Alberto Filgueiras.
3 José Murilo de Carvalho, A Escola de Minas de Ouro Preto. O peso da glória, 1978, p.11.
4 N. Stepan, p.82.
5 M. Vargas, História da Técnica e da Tecnologia no Brasil (1994).
6 Conhece-se com anterioridade os artigos “O progresso das ciências no Brasil”, de Juliano Moreira (1916), e “A mentalidade científica no Brasil”, de Miguel Osório de Almeida (1920). O próprio Fernando de Azevedo já incluíra um capítulo sobre as ciências no seu “A cultura brasileira”, de 1943.
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Henrique S. Carneiro, « História da Ciência, da Técnica e do Trabalho no Brasil », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Bibliographies, mis en ligne le 09 février 2005, consulté le 29 avril 2017. URL : http://nuevomundo.revues.org/573 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.573

Haut de page

Auteur

Henrique S. Carneiro

Prof. Dr. Dept. História/UFOP

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page