Navigation – Plan du site
Débats | 2007
Migrações, migraciones. Dossiê coordenado por Mônica Raisa Schpun
Igor José de Renó Machado

Reflexões sobre a imigração brasileira em Portugal

[07/06/2007]

Résumés

Neste artigo apresento um conjunto de reflexões sobre a imigração brasileira em Portugal, discutindo a diversidade e a complexidade do fenômeno que se intensificou a partir da década de 90 do século passado. A intenção principal é demonstrar a diversidade interna à população brasileira imigrante em Portugal e a consequência desse diversidade na contrução de processos identitários.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

1O que há de novo e o que há de conhecido no que se refere às imigrações brasileiras para Portugal ? Esta é a questão que permeia a reflexão deste texto. Atualmente, o desenvolvimento de várias pesquisas oferecem um panorama bastante eficiente da experiência dos imigrantes brasileiros em Portugal.

2Para o público português é evidente que a migração brasileira representa tanto uma continuidade com padrões mais antigos como uma novidade. A imigração brasileira pode ser vista como « lusófona » (com todos os reparos que se pode e deve fazer a essa nomenclatura) : ou seja, guarda relações com as migrações de outros ex-sujeitos coloniais. Assim poderíamos colocar lado a lado a migração brasileira e a cabo-verdeana, embora esta última preceda a primeira em mais de uma dezena de anos. A migração brasileira, dentro de uma perspectiva portuguesa, é compreensível à luz da experiência colonial. Ou seja, faz parte de um quadro cognitivo que explica e dá sentido à movimentação de pessoas entre Brasil e Portugal. Temos assim, uma « velha » imigração.

3A imigração brasileira pode ser também colocada ao lado das novas migrações para Portugal, juntamente com os imigrantes de leste. Este nome encobre, em Portugal, uma diversidade de populações que provêm do antigo mundo socialista europeu : ucranianos, russos, moldavos, etc. Como este novo fluxo, a movimentação de brasileiros revela uma intensidade e vitalidade que fazem dela algo em constante expansão, face aos números menos significativos da « velha imigração ». Assim, seja a partir da normalidade classificatória que assimila dentro de um contexto lógico a presença de brasileiros, seja a partir de um olhar admirado com a extensão e vitalidade do movimento, a imigração brasileira pode ser vista como nova e velha ao mesmo tempo. Isto de um ponto de vista português.

4Por outro lado, a imigração brasileira tem características muito distintas tanto das outras migrações « lusófonas » como das novas migrações de países do leste europeu como Ucrânia, Moldávia, Rússia, Romênia. Num primeiro momento, a imigração brasileira assemelhava-se mais à imigração de europeus « do norte » (o que sempre significa « mais ricos ») : ou seja, mais qualificada e posicionada em lugares mais altos nas hierarquias do mercado de trabalho (Peixoto 1999 e 2002, Baganha, Ferrão e Malheiros 1999) ou, ao menos, era vista como estando entre a imigração rica européia e a imigração pobre africana (F. Machado 1997). Num segundo momento, estas características mudaram e a imigração brasileira caminhou cada vez mais a um assemelhamento às imigrações da África. As qualificações são menores, os cargos ocupados no mercado de trabalho são os do « setor primário » (Peixoto e Figueiredo, 2006), as expectativas são menos promissoras e a integração é mais difícil (Padilla, 2006).

5Não é por menos que as análises sobre essa população brasileira em Portugal têm tendido a dividi-la em duas fases, ou duas vagas : uma primeira mais rica e uma segunda mais pobre (CBL 2004). Esta situação impõe outras novidades frente ao fenômeno da migração brasileira : a mudança gradual no perfil do imigrante ao mesmo tempo em que aumenta substancialmente o total da população brasileira em Portugal. Desde que surgiu e foi percebida nos anos 80, a população brasileira em Portugal esteve entre as mais significativas e importantes. Atualmente é o maior grupo de imigrantes mas, ao contrário da imigração do leste europeu, que parece arrefecer, a imigração brasileira não dá sinais de enfraquecimento de seus fluxos1.

6De um ponto de vista brasileiro esse fenômeno é ambivalente. País acostumado a se definir como país de imigrantes, passa a confrontar-se com o novo fato da emigração internacional. Esta emigração é desafiadora à construção da nacionalidade em vários sentidos : ela, por exemplo, impõe uma nova dinâmica populacional, uma vez que cerca de 1,5% da população brasileira vive hoje no exterior (Oliveira 2001). Ou seja, o próprio crescimento populacional brasileiro foi atingido pela saída massiva de seus nacionais. Esse processo atinge o centro das ideologias nacionalistas (Fox 1990), pois resulta numa contradição aos velhos princípios da democracia racial. Fora do país, seguindo esta lógica, o brasileiro deveria deixar cada vez mais de sê-lo e integrar-se às comunidades de recepção. Ou seja, a emigração coloca o discurso da democracia racial no foco de novas dúvidas.

7No que toca especificamente à imigração brasileira em Portugal, temos uma certa invisibilidade sistemática2. O volume da migração para os EUA e Japão, principalmente, parece centralizar a atenção tanto dos pesquisadores como da mídia em geral. Dentro do quadro geral da migração internacional, os brasileiros em Portugal representam, segundo dados do Ministério das Relações Exteriores3, a quarta população em termos de volume, com cerca de 100.000 migrantes. Os dados oficiais portugueses, apresentados pelo SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras), indicam cerca de 66.000 brasileiros em situação legal em 20044. Esse movimento populacional é bem menos conhecido que os direcionados aos EUA (Martes 1999, Sales 1999, Reis e Sales 1999, Martes e Fleischer 2004, Margolis 1994, Ribeiro 1999, Assis 1999, entre outros) ; para o Japão (Kawamura 1999, Sasaki 1998, Rossini 200, Roth 2002, Tsuda 2003, Yamanaka 1996, Linger 2001, entre outros) e Paraguai (Sprandel 1992, Palau 2001, entre outros)5.

8Obviamente, os processos que resultam da presença de brasileiros em vários e diferentes contextos nacionais são eles mesmos variados e flexíveis. Os diferentes contextos de construção de identidades resultam, portanto, em distintos posicionamentos (Hall 1996) em relação ao discurso nacional brasileiro. Ao mesmo tempo, a emigração internacional brasileira vai ganhando uma densidade simbólica que passa a fazer parte da forma como o Brasil se vê. Ou seja, a emigração passa a ser também tratada como algo dado, « velho », realizado e realidade incontornável. Se antes as visões sobre a emigração internacional brasileira eram catastróficas, exotizadas, desfocadas, agora o fenômeno passa a ser tratado com mais cuidado e com alguma pretensão já historiográfica.

9O exemplo dessa normalidade, que a torna « velha », é nada mais nada menos que a telenovela da rede Globo de televisão6, « América », na qual a emigração para os EUA era parte natural do cenário onde se desenvolvia a trama dos personagens principais. O fenômeno da emigração é assumido como um fato irreversível e como parte de um Brasil diferente.

10Por outro lado, o Brasil descobriu também o imigrante como uma fonte de divisas e não se preocupa em reificá-lo como um produtor de equilíbrios fiscais no orçamento da nação. De um ponto de vista do Estado brasileiro, o emigrante passa a ser considerado como um fator de ajuste da balança de pagamentos : a questão da remessa é fundamental para esse entendimento. Podemos ver este processo como um sintoma do « envelhecimento » do fenômeno, a partir de uma ótica brasileira. O Valor Econômico, jornal brasileiro especializado em economia, por exemplo, indica o valor monetário do emigrante. A reportagem « Remessas de brasileiros atraem bancos locais », de 06/05/2004, informa como os bancos brasileiros estão entrando na disputa pelas remessas de brasileiros. Isto demonstra que as remessas são um fenômeno monetário significativo. Segundo o BID, o total das remessas chegou a US$ 5,2 bilhões em 20037, em 2006, esse valor passou a US$ 7 bilhões8.

11Em outra reportagem, esta da Gazeta Mercantil, do dia 22/04/2004, Rodrigo Mesquita expõe a soma total de remessas enviadas por emigrantes brasileiros em Portugal. Em 2003, as remessas por meio do Banco do Brasil chegaram a 100 milhões de euros, segundo o administrador do banco em Portugal, Gladstone Siqueira. O volume real de transferências, entretanto, deve ter-se situado em torno de 350 a 400 milhões de euros, mas este « (é) um número difícil de ser mensurado porque boa parte dessas remessas passa por canais que não são controlados pelo Banco Central brasileiro », diz o administrador para a reportagem. O crescimento das remessas em todos os contextos da migração internacional brasileira é fruto de uma estratégia especializada do banco, implementada anteriormente entre emigrantes brasileiros no Japão. Esta « pedagogia da emigração » significou a busca de novos clientes através da abertura de contas e inclui a abertura de cinco novas agências do Banco do Brasil em Portugal, que já possui 30.000 clientes, cobrindo uma boa parte da emigração brasileira neste país (Machado 2004).

12Voltando à especificidade da emigração brasileira para Portugal, vemos que mais elementos complicam a percepção deste processo. Esses elementos referem-se à complexa relação entre os países e a ainda mais complexa relação entre seus cidadãos. Emigrar para Portugal pode ser visto como uma espécie de « volta a casa » e, portanto, algo rotineiro. A extensa relação entre famílias divididas pelo Atlântico resultou em movimentações constantes de pessoas entre os dois lados do oceano ao longo do século passado. Mesmo que não se possa comparar esse movimento com os grandes fluxos de pessoas do fim do século XIX e começo do XX no Brasil, ou com o fluxo do final do século XX e começo do XXI em Portugal, é certo que sempre pessoas migraram entre Brasil e Portugal.

13Portugueses regressavam à terra natal e traziam seus filhos brasileiros, muitos regressavam novamente ao Brasil. Situações políticas distintas acentuavam a movimentação em sentidos contrários : anti-salazaristas exilados no Brasil, anti-comunistas também, militantes de esquerda brasileira emigrando para um Portugal comunista, etc. (Feldman-Bianco 2001, Mansur da Silva 2002, Caetano da Silva 2004). De um ponto de vista português, os brasileiros sempre vieram a Portugal : antes eram estes brasileiros os « torna-viagens », os portugueses emigrados no Brasil que voltaram para Portugal para lá serem reconhecidos como brasileiros (Machado 2003).

Dois exemplos

14Dito isto, passemos a refletir sobre a construção da identidade brasileira no contexto imigratório português. Tantas variáveis apontam para um fato do qual não podemos escapar ao tratar desse fenômeno : lidamos não com uma, mas com várias identidades. As identidades brasileiras construídas a partir da experiência da imigração são distintas entre si, cortadas complexamente por : 1) questões de classe entre a população imigrante ; 2) questões de temporalidade da imigração ; 3) questões de gênero ; 4) de ascendência portuguesa (por sua vez diferenciada por graus diferentes de ascendência) ; 5) questões de cor/raça ; 6) questões de ocupação no mercado de trabalho ; 7) questões de origem regional e, finalmente, 8) questões de religião, entre outras possíveis.

15Citei ao menos 8 diferentes eixos de clivagem nos processos de construção de identidades brasileiras em Portugal. Levando em consideração que eles se combinam semi-aleatoriamente, formando configurações diferenciadas e posicionamentos diferentes e que outros eixos podem ser tão relevantes como estes, somos capazes de ter uma dimensão apropriada de como a idéia de uma identidade brasileira esconde uma diversidade significativa de identidades que se constroem lentamente neste contexto migratório.

16Passemos a analisar, rapidamente, alguns exemplos distintos para exemplificar esta complexidade : Primeiramente, vejamos as etnografias de Sérgio Oliveira (2004) e Igor Machado (2003).

17No meu trabalho de doutorado (Machado 2003) trabalhei com algumas dimensões desses processos identitários. Falemos aqui daqueles que se referem aos processos de relações raciais entre os brasileiros imigrantes pobres no Porto, objeto de meu estudo. O brasileiro têm um lugar específico no sistema classificatório português, algo que podemos chamar de hierarquia das alteridades (Grassfoguel e Georas 2000). Este lugar específico tem relações sistemáticas com a experiência do terceiro império português. Como demonstram alguns estudos (Castelo 1988), a ideologia Freyriana da democracia racial serviu de modelo para a justificativa ideológica do império, a partir da segunda metade do século XX.

18O mito da democracia racial, fruto da obra de Gilberto Freyre (1933), é ainda hoje o centro do discurso nacionalista brasileiro. Segundo a teoria da Democracia Racial Brasileira, o Brasil seria um país onde a convivência entre as « raças » seria mais fraterna, onde não haveria discriminação e racismo (DaMatta 1987). Segundo autores como Bender (1980), Castelo (1998), Moutinho (2000), Boxer (1967) e Alexandre (2000), as teses do lusotropicalismo (a capacidade especial dos portugueses em formar novas sociedades tropicais racialmente justas e fraternas) seriam uma adaptação das ideías freyrianas ao contexto colonial português como mera ideologia de Estado para legitimar um colonialismo que não mais se sustentava internacionalmente. Não havia « união » dos povos na África, como supunha a teoria, não emanava da nação portuguesa uma vontade de miscigenação que, pelo contrário, era imensamente repudiada. A relação com as populações nativas era exatamente o avesso da ditada pela ideologia.

19Esse processo ideológico colocou o Brasil como uma espécie de modelo para os países colonizados em África e, ao mesmo tempo, reformulou uma hierarquia de alteridades, na qual o Brasil aparece como intermediário, uma espécie de irmão mais velho dos países africanos sob dominação portuguesa. A este discurso hierarquizador foram alocadas características raciais, associadas às populações desses países. Assim, o Brasil, onde a democracia racial opera, supostamente, há mais tempo, seria um país mestiço, mulato. Os países africanos, ainda novos na experiência da mestiçagem (sempre segundo o discurso ideológico) seriam, portanto, mais pretos.

20O império se foi, mas ficaram os quadros classificatórios que o regularam. Assim a « velha » imigração lusófona foi incorporada nesta lógica, e aos imigrantes foram alocadas as classificações coloniais. O brasileiro aparece, portanto, à lógica da classificação portuguesa, como mulato. Na prática dos imigrantes, essas classificações portuguesas produzem, em relação às relações raciais, realidades distintas daquelas que se construíam no Brasil. Muito sucintamente, o que acontecia entre os brasileiros no Porto era uma preferência, por parte dos empregadores portugueses, por brasileiros mulatos para determinados tipos de trabalho.

21Assim, os brasileiros mulatos, que viveram uma experiência de « opressão racial » no Brasil experimentaram uma situação inusitada : no Porto, eles tinham mais facilidade de encontrar empregos que imigrantes brasileiros brancos. Mesmo brasileiros negros tinham mais facilidade de conseguir vagas no mercado de trabalho que os brancos. Chamei esse processo de « inversão racial », propiciada pelas hierarquia das diferenças portuguesa. Essa inversão racial foi a linha mestra das construções de identidade brasileira entre estes imigrantes, resultando em toda uma organização da vida cotidiana e dos circuitos de reciprocidade marcada pela importância que, de repente, foi concedida aos brasileiros mulatos e negros.

22O resultado desse processo foi uma radicalização do discurso ideológico brasileiro da mestiçagem. É como se apenas em Portugal o sonho de uma sociedade mais justa racialmente fosse possível. É como se o Brasil pudesse ser um Brasil « de verdade » em Portugal. Ao redor deste processo, emerge uma identidade ultra-essencializada9, preocupada em enfatizar todos os estereótipos sobre o que é o Brasil, como que numa forma de reafirmar constantemente aos portugueses que o Brasil é mesmo o lugar que eles imagimam.

23O que os portugueses, na média, não sabem, é que o Brasil não é o que se pensa e que a democracia racial e a mestiçagem são discursos que, se tem uma validade como produtoras de uma imaginação nacional, encobrem também uma realidade de intensa discriminação racial. Assim, o processo identitário que resulta dessa conjuntura é a invenção de uma brasilidade radicalmente estereotipada, mas que tem existência real como motor de auto-identificação dos sujeitos imigrantes. Vemos que as questões de raça produzem conformações específicas nas construções identitárias dos brasileiros em Portugal. A esse processo, estava ligada uma determinada posição no mercado de trabalho : afinal, o brasileiro deveria ocupar o lugar de feliz animador de uma eterna platéia portuguesa : músicos, dançarinos, atendentes ao público em geral.

24Mas o que acontece quando o lugar no mercado de trabalho não se relaciona de forma alguma com os estereótipos de brasilidade ? Passemos a examinar o caso dos brasileiros na Costa da Caparica, seguindo o trabalho de Oliveira (2004). O fato é que estes brasileiros trabalham predominantemente na construção civil. E a construção não tem nada de abrasileirável em si. Os processos de construção identitária passam então por outras determinantes.

25Mas deixemos claro que estes brasileiros são tão brasileiros como aqueles outros no Porto em 2000, apenas o são à sua maneira, o que ilustra, mais uma vez a diversidade de identidades brasileiras em Portugal. O trabalho de Oliveira indica que há uma evidência muito forte de que um número significativo destes brasileiros na Caparica são oriundos de uma mesma região no Brasil : a região de Governador Valadares, Minas Gerais. Ora, essa região é sabidamente o maior centro brasileiro de emigração internacional, focada até pouco tempo atrás exclusivamente na emigração para os EUA. Como um centro de emigração, já de longa data, o fenômeno da migração em si produz uma disposição a encarar a movimentação como parte natural da vida de uma pessoa.

26Diversos trabalhos sobre a emigração valadarense indicam como este fenômeno é parte constituinte das produções identitárias locais : ou seja, emigrar é algo que ajuda a definir um valadarense. Um dos resultados dessa « cultura local » de emigração foi a constituição de redes muito sólidas e organizadas de tráfico de pessoas, especializadas em colocar imigrantes nos EUA. Processo esse que, todos sabemos, é extremamente lucrativo.

27Em outro texto (Machado 2004) procurei demonstrar como é esta indústria que produz em grande parte o fenômeno da Caparica : Portugal passou a ser uma opção viável para a emigração diante a dificuldade e os riscos de uma entrada clandestina nos EUA. Como passagem para os EUA com o auxílio de documentos portugueses falsificados, como opção mais barata de imigração, como ponte para outros lugares na Europa, Portugal foi um destino eleito como preferencial. Isso significa, na prática, que os brasileiros na Caparica têm um vetor muito importante para elaborar suas identidades : o vetor da regionalidade, da experiência cotidiana da emigração.

28Como provenientes de uma região como a de Valadares, com a idéia da movimentação como parte da identidade, esses brasileiros seguem caminhos diferentes nesta experiência portuguesa : Sérgio Oliveira demonstra como é a experiência da ilegalidade o nexo mais relevante para a construção de identidades (que, lembremos, é um processo constante de re-construções). A vivência da ilegalidade é o nexo central na produção de discursos sobre a realidade, na obtenção de empregos na construção civil, na dificuldade em ir para os EUA.

29Ao mesmo tempo, a ilegalidade é vivida como algo normal, ou seja, como natural. Esse processo da ilegalidade como quase um fato do destino tem relações profundas com a « cultura da emigração » valadarense. Ou seja, temos aqui claramente uma situação onde a regionalidade opera como o nexo central na construção de uma identidade brasileira entre estes imigrantes, fato muito diferente do que acontecia no Porto, no exemplo anterior.

Considerações Finais

30Outros autores apontam para outras direções nesse processo de construção de identidades : Káchia Techio (2006), por exemplo, apresenta uma etnografia cuidadosa do trabalho de imigrantes nos bares e restaurantes, também na mesma Costa da Caparica, oferecendo um contraste significativo com as experiências relatadas por Oliveira. Além de refletir sobre as condições de trabalho, o trabalho de Techio trata também de relações marcadas pela construção de práticas corporais ligadas ao atendimento a um público português que têm concepções pré-estabelecidas sobre os brasileiros. Essas técnicas corporais de evitamento e proteção estão também ligadas às convicções religiosas deste grupo de trabalhadores, todos evangélicos.

31Numa outra perspectiva, Ângela Torresan (2004) analisa a diferença marcante na produção social da pessoa entre portugueses e brasileiros imigrantes de classe média em Lisboa. Essa diferença é explicitada através das concepções de amizade entre as duas populações. Torresan encontra a reprodução de um antagonismo entre espontaneidade e melancolia nessas representações cruzadas. Luciana Pontes (2006), por sua vez, apresenta-nos uma reflexão sobre as relações afetivas e sexuais entre brasileiras e portugueses, tomando como ponto de partida um enfoque de cruzamento entre sexo, raça e gênero. A sexualização da mulher brasileira aparece como o eixo para as configurações das relações afetivas entre brasileiras e portugueses. A relação entre sexualização e mulheres brasileiras é o tema de Pontes, e a narrativa de suas entrevistadas corrobora o que Padilla (2006) também indica : tanto a existência dos estereótipos entre os brasileiros – ou seja, estes acreditam que a mulher brasileira é mesmo mais « quente » –, como o processo de vitimização, quando se culpam alguns indivíduos pela discriminação como um todo.

32Sobre os estereótipos, basta ver a relevância do caso das « mães de Bragança »10, analisados por Padilla (2006) e Pontes (2006), que indicam como a repercussão desse episódio marcou a experiência de diversas imigrantes, como um exemplo típico da generalização do estereótipo de prostituta para todas as brasileiras. A questão da raça está inextricavelmente relacionada à da sexualização da mulher brasileira : a imagem englobante, por assim dizer, da mulher brasileira é a imagem de uma mulata, indicando as fortes conexões entre as hierarquias raciais, os estereótipos de sexualidade alterada e o passado colonial. O Brasil, sempre no lugar do mestiço, acaba sendo ele todo transformado no corpo feminino da mulata : como tal é sexualizado. Tanto Padilla como Pontes chamam a atenção para essas conexões entre raça, sexo e representações.

33O que a diversidade de pesquisas sobre a migração brasileira em Portugal apresenta é que são muitas as possibilidades e complexidades dos processos identitários desses migrantes. A presença dos brasileiros em Portugal já atinge tamanha densidade e enraizamento que não é mais possível falar de uma Identidade Brasileira, ou de qualquer perspectiva que reifique a intensa diversidade dessa população. A presença em setores distintos do mercado de trabalho, de estratos sociais diferenciados de migrantes, de agrupamentos de brasileiros seguindo critérios variados (uma identidade ultra-essencializada no Porto, uma comunidade evangélica na Caparica, trabalhadores da construção civil em Lisboa, etc.) indicam a importância, profundidade e complexidade desse fluxo populacional. As questões que agora se colocam giram em torno de como e em que condições essa população passará a integrar a sociedade portuguesa.

Haut de page

Bibliographie

Des DOI (Digital Object Identifier) sont automatiquement ajoutés aux références par Bilbo, l'outil d'annotation bibliographique d'OpenEdition.
Les utilisateurs des institutions abonnées à l'un des programmes freemium d'OpenEdition peuvent télécharger les références bibliographiques pour lesquelles Bilbo a trouvé un DOI.
Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible pour les institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : access@openedition.org.

Alexandre, V. (2000) Velho Brasil, novas Áfricas. Portugal e o Império (1808-1975), Porto, Afrontamento.

Assis, Gláucia de Oliveira & Sasaki, Elisa Massae. (2001) « Novos migrantes do e para o Brasil : um balanço da produção bibliográfica ». In Migrações internacionais : contribuições para políticas. Brasília : Comissão Nacional de População e Desenvolvimento : 615-639.

Assis, Glaucia de Oliveira.(1999) « Estar Aqui..., Estar Lá... : Uma Cartografia da Emigração Valadarense para os EUA ». In Reis, Rossana Rocha e Sales, Teresa (orgs.) Cenas do Brasil Migrante. São Paulo, Ed. Boitempo :17-44.

Baganha, Maria Ioannis, Ferrão, João e Malheiros, Jorge Macaísta. (1999) « Os imigrantes e o mercado de trabalho : o caso português », Análise Social, Vol. 34, nº 150.

Bender, G.J. (1980) Angola sob domínio português, mito e realidade. Lisboa : Livraria Sá da Costa Editora.

Bógus, Lúcia.(2005) « Esperança Além-Mar : Portugal no ‘arquipélago imigratório’ brasileiro ». In Malheiros, Jorge. Imigração Brasileira em Portugal. Lisboa.

Boxer, C.R. (1967) Relações raciais no império colonial português 1415-1825, Rio de Janeiro : Tempo Brasileiro.

Caetano da Silva, Eduardo. (2003) Visões Da Diáspora Portuguesa : Dinâmicas identitárias e dilemas políticos entre os portugueses e luso-descendentes de São Paulo. Dissertação de mestrado, Campinas, Unicamp.

Castelo, Cláudia. (1998) O modo português de estar no mundo. Oluso-tropicalismo e a ideologia colonial portuguesa (1933-1961). Porto : Edições Afrontamento. 166 pp.

CBL (Casa do Brasil de Lisboa). (2004) A « 2ª vaga » de imigração brasileira para Portugal (1998-2003), Estudo de opinião a imigrantes residentes nos distritos de Lisboa e Setúbal (retirado do site casadobrasil.pt em 3 de maio de 2004).

DaMatta, R. (1987) « Digressão : a fábula das três raças », in Relativizando : Uma introdução à antropologia social, Rio de Janeiro, Zahar.

Feldman-Bianco, Bela. (2001) « Brazilians in Portugal, Portuguese in Brazil : constructions of sameness and difference ». In Identities Global Studies in Culture and Power Vol 8 (4), pp. 607-650.

Fox, R. (1990)« Introduction », In Richard Fox (ed.). Nationalist Ideologies and the Production of National Cultures, American Ethnological Society Monograph Series, 2.

Freyre, G. (1990) Casa grande e senzala : formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal, Rio de Janeiro : Record.

Freyre, G. (1961) O luso e o trópico : sugestões em torno dos métodos portugueses de integração de povos autócnes e de culturas diferentes da européia num complexo novo de civilização : o luso-tropical, Lisboa : Neogranera.

Grasfogel, Ramon & Chloe, Georas. (2000) « Coloniality of power and racial dynamics : notes towards a reinterpretation of latino caribbeans in New York city », Identities, vol. 7, nº 1 : 85-125.

Hall, Stuart. (1996) « Identidade cultural na diáspora ». In Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, nº 24.

Kawamura, Lili Katsuco. (1999) Para onde vão os brasileiros no Japão : estratégias de formação cultural. Campinas, tese de livre docência, Faculdade de Educação, Unicamp.

Linger, Daniel Touro. (2001) No one home : Brazilians selves remade in Japan. Stanford : Stanford University Press.

Machado, Fernando Luís. (1997) « Contornos e especificidades da imigração em Portugal ». In Sociologia – Problemas e Práticas, n° 24.

Machado, I. J. R. (2003) Cárcere Público : processos de exotização entre imigrantes brasileiros no Porto, Portugal. Tese de Doutorado, Campinas, Unicamp.

Machado, I. J. R. (2004) « Implicações da imigração estimulada por redes ilegais de aliciamento - o caso dos brasileiros em Portugal ». Trabalho apresentado no VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais, set., Coimbra.

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible pour les institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : access@openedition.org.

Machado, I. J. R. (2004b) « Estado-nação, identidade-para-o-mercado e representações de nação ». In Revista de Antropologia, São Paulo, vol. 47, nº 1, pp. 207-234.
DOI : 10.1590/S0034-77012004000100006

Mansur da Silva. (2002) A Ética Da Resistência : O « Portugal Democrático » e o Exílio Anti-salazarista (1956-1975). Dissertação de mestrado, Campinas, Unicamp.

Margolis, Maxine. (1994) Little Brazil - imigrantes brasileiros em Nova York. Campinas : Ed. Papirus.

Martes, A. C. B. e Fleischer, S. (2003) Fronteiras cruzadas : etnicidade, gênero e redes sociais. São Paulo : Paz e Terra.

Martes, Ana Cristina Braga. (1999) Brasileiros nos Estados Unidos : um estudo sobre imigrantes em Massachusetts. São Paulo : Ed. Paz e Terra.

Moutinho, M. (2000) O indígena no pensamento colonial português, Lisboa : Edições Universitárias Lusófonas.

Oliveira, J. C. (2001) « O retorno da migração internacional como componente da dinâmica demográfica brasileira – até quando ? » In Migrações internacionais : contribuições para políticas. Brasília : Comissão Nacional de População e Desenvolvimento.

Oliveira, Sérgio. (2004) « Espaços e tempo de ilegalidade : a construção quotidiana do imigrante ilegal ». Trabalho apresentado no VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais, set., Coimbra.

Padilla, B. (2006) « Integração dos ‘imigrantes brasileiros recém chegados’ na Sociedade Portuguesa : Problemas e Possibilidades ». In Machado, I. J. De R. (org.) Um Mar de Identidades : Imigração brasileira em Portugal. São Carlos : Edufscar.

Padilla, Beatriz. (2004) « Redes sociales de los brasileros recién llegados a Portugal : ¿solidariedad étnica o empatía étnica ? ». Trabalho apresentado na Conferência Los Latinos al descubrimiento de Europa. Nuevas emigraciones y espacios para la ciudadanía. Génova, 17-18 de junho de 2004.

Palau, Tomás. (2001) « Brasiguaios ». In Migrações internacionais : contribuições para políticas. Brasília : Comissão Nacional de População e Desenvolvimento, pp. 345-360.

Patarra, Neide Lopes. (1996b) « Migrações internacionais : uma nova questão demográfica (ponto de vista) ». In Revista Brasileira de Estudos de População, vol. 13, no. 1, jan-jun.

Peixoto, João. (1999) A Mobilidade Internacional dos Quadros – Migrações Internacionais, Quadros e Empresas Transnacionais em Portugal, Oeiras : Celta Editora.

Peixoto, João. (2002) « Os mercados da imigração : modos de incorporação laboral e problemas de regulação dos imigrantes estrangeiros em Portugal », Cadernos Sociedade e Trabalho, nº 11.

Pontes, L. (2006) « Mulheres Imigrantes Brasileiras em Lisboa, Portugal ». In Machado, I. J. De R. (org.) Um Mar de Identidades : Imigração brasileira em Portugal. São Carlos : Edufscar.

Pontes, Luciana. (2004) Mulheres Imigrantes Brasileiras em Lisboa, Portugal. Mimeo.

Reis, Rossana Rocha e . Sales, Teresa (orgs.) (1999) Cenas do Brasil Migrante. São Paulo, Ed. Boitempo.

Ribeiro, Gustavo Lins. (1999) « O que faz o Brasil, Brazil : jogos identitários em São Francisco » In Rossana Rocha & Teresa (orgs.). Cenas do Brasil Migrante. São Paulo : Ed. Boitempo.

Rossini, Rosa Éster. (2000) « Lugar para viver e aqui, lugar para sobreviver e a migração internacional do Brasil para o Japão ». In XII Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Belo Horizonte, Abep.

Roth, Joshua Hotaka. (2002) Brokered Homeland : Japanese Brazilian migrants in Japan. Ithaca and London : Cornell University Press.

Sales, Teresa. (1999) Brasileiros longe de casa. São Paulo, Ed. Cortez.

Santos, G. (1996) Sabiá em Portugal : a imaginação da nação na diáspora, Monografia de fim de curso, Campinas, Unicamp.

Sasaki, Elisa Massae. (1998) O jogo da diferença : a experiência identitária no movimento Dekassegui. Campinas, dissertação de mestrado em sociologia, IFCH, Unicamp.

Sprandel, Marcia Anita. (1992) Brasiguainos : conflito e identidade em fronteiras internacionais. Rio de Janeiro, dissertação de mestrado em antropologia, Museu Nacional, UFRJ.

Techio, K. (2006) « Pizza sabor identidade : Brasileiros evangélicos num restaurante na Costa da Caparica ». In Machado, I. J. De R. (org.) Um Mar de Identidades : Imigração brasileira em Portugal. São Carlos : Edufscar.

Torresan, Ângela. (2004) Loud and Proud : immigration and Identity in a Brazilian/Portuguese Postcolonial Encounter in Lisbon, Portugal. A thesis submitted to the University of Manchester for the degree of Doctor of Philosophy in the Faculty of Social Sciences and Law.

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible pour les institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : access@openedition.org.

Yamanaka, K. (1996) « Return Migration of Japanese-Brazilians to Japan : The Nikkeijin as Ethnic Minority and Political Construct ». Diaspora 5 (1), pp. 65-97.
DOI : 10.1353/dsp.1996.0002

Haut de page

Notes

1 Rui Pena Pires, comunicação pessoal.
2 Com algumas exceções, como as notáveis considerações mais abrangentes sobre a imigração brasileira em Portugal apresentadas por Feldman-Bianco (2001) e os trabalhos de alguns de seus ex-orientandos, como Gustavo Santos (1996) e eu mesmo (Machado 2003). Ver também o trabalho de Bógus 2005.
3 Retirado do site http://www.mre.gov.br/portugues/questoes/download/rcn2002.xls em 04/05/2005. Os dados referem-se ao ano de 2002, estando desatualizados.
4 Informações retiradas do site www.sef.pt em 04/05/2005. A estimativa foi feita através da soma do total de residentes em 2004 mais o total de Autorizações de Permanência entre 2001 e 2003. Há vários problemas com os dados sobre imigrantes em Portugal, segundo Peixoto e Fiqueiredo (2006).
5 Reflexões mais gerais sobre a imigração brasileira são oferecidas por Patarra (1996a e b) e uma resenha sobre a questão foi realizada por Assis e Sasaki (2001).
6 A rede Globo é a principal rede de televisão brasileira e as telenovelas são o produto de maior consumo popular. Entre as telenovelas que fazem parte da grade da emissora, a telenovela « das 8 » (que é apresentada às 20:30 horas) é a mais nobre e importante.
7 Dados expostos no jornal Gazeta Mercantil de 12/04/2004, em reportagem de Alex Ribeiro.
8 Folhanews (12/04/2007), em http://noticias.correioweb.com.br/materias.php?id=2701867. Os dados são de estudo produzido pelo BID.
9 Uma discussão sobre essa identidade como « identidade-para-o-mercado » é apresentada em Machado (2004b).
10 O caso das mães de Bragança foi um protesto público de mulheres de Bragança (cidade portuguesa) contra a presença de brasileiras nas casas de prostituição dessa cidade.
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Igor José de Renó Machado, « Reflexões sobre a imigração brasileira em Portugal », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Débats, mis en ligne le 07 juin 2007, consulté le 25 octobre 2014. URL : http://nuevomundo.revues.org/5889 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.5889

Haut de page

Auteur

Igor José de Renó Machado

Professor da Universidade Federal de São Carlos (São Paulo, Brasil) e pesquisador do CEMI (Centro de Estudos de Migrações Internacionais).

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page