Navigation – Plan du site
Carlos Zeron

Revista de História da Universidade de São Paulo: política editorial, digitalização e políticas públicas de avaliação e classificação.

[20/05/2010]

Résumés

L’article analyse la ligne éditoriale de la Revista de História de l’Université de Sao Paulo, en relation au développement récent des supports numériques de communication au sein du contexte actuel des politiques publiques d’évaluation et de classement des revues scientifiques.

Haut de page

Texte intégral

Os meios eletrônicos e o arsenal conceitual dos leitores

1É interessante analisar a história contada recentemente por Steven Jobs, co-fundador da empresa de informática Apple, no lançamento do iPad: antes de lançar o produto, seus funcionários teriam proposto questionários a diversos diretores e editores de meios de comunicação, perguntando-lhes sobre as modificações de política editorial que planejavam em função do desenvolvimento das novas tecnologias. Nenhum deles tinha qualquer proposta (de fato, observamos que até hoje não se foi além de uma divisão entre notícia na web e análise no jornal impresso). Com essa história, Jobs pretendeu opor o conservadorismo destes diretores e editores à pretendida revolução que causaria o iPad. Mas este aparelho não trouxe qualquer novidade, pois seus usuários limitam-se a realizar as já conhecidas operações de leitura, digitação de textos, telefonia, captura e reprodução de imagens e sons. A possibilidade de realizar todas estas operações em um mesmo aparelho não criou nenhuma linguagem nova e tampouco revolucionou as linguagens já existentes (texto, som, imagem fixa, imagem cinética). O iPad não passa de um gadget, de uma espécie de canivete suíço.

2De fato, as novas tecnologias não modificaram a produção de conteúdos. Modificou-se apenas a relação do leitor a eles, particularmente por meio do hipertexto, que permite superar as limitações da linearidade do texto impresso. A grande mudança residiu, portanto, na facilidade dada ao leitor de associar textos entre si, bem como a imagens e sons, possibilitando uma maior intertextualidade. Pois o hipertexto tende a se aproximar da forma como age o nosso pensamento, permitindo associações a partir de estímulos pontuais, e em seguida o desenvolvimento destes estímulos a partir de desvios não lineares, por meio de analogias e outras formas de associação.

3O termo “hipertexto” foi cunhado por Theodor H. Nelson,

“que o propôs pela primeira vez em 1965, numa comunicação apresentada à Conferência Nacional da Association for Computing Machinery, nos Estados Unidos. O hipertexto é uma forma não linear de apresentar a informação textual, uma espécie de texto em paralelo, que se encontra dividido em unidades básicas, entre as quais se estabelecem elos conceituais. Este tipo de texto eletrônico, cuja existência física consiste num código digital armazenado no disco rígido do computador e na sua memória operativa, depende em exclusivo da ciência do leitor em manipular os elos conceituais que se estabelecem entre as unidades de informação ou grupos de unidades que podem distribuir-se e circular por todo o mundo.”1

4Esta observação de Carlos Ceia, autor do artigo que acabo de citar, confirma o que dissemos acima: a linguagem “html” (hypertext markup language) é apenas um instrumento, uma ferramenta que se torna útil em função do arsenal conceitual que o leitor é capaz de mobilizar para criar associações.

As revistas eletrônicas, as políticas públicas de avaliação e classificação, e a política editorial da Revista de História

5No que diz respeito especificamente às revistas eletrônicas, as inovações tecnológicas não foram acompanhadas por uma agenda de novas questões – à exceção daquelas mais técnicas, derivadas do próprio meio eletrônico de sua divulgação. Tampouco influenciaram as questões que já vinham sendo colocadas anteriormente. Com o recuo de alguns anos, hoje podemos avaliar que as possibilidades abertas às associações de idéias, a partir de conceitos e conteúdos, pela digitalização e pelo hipertexto vêm rendendo poucos frutos. Por quê? Porque tais frutos serão necessariamente o resultado de um quadro teórico que oriente a leitura e a interpretação de textos e imagens, ou de uma questão colocada pelo leitor, ou mesmo de um estranhamento, que o hipertexto e o texto digital obviamente não geram de maneira automática. O autor e o leitor ainda são os agentes dessa eventual associação.

6Apesar disso, a Revista de História da Universidade de São Paulo tem investido recursos públicos consideráveis para digitalizar seu acervo, criando instrumentos e possibilidades operacionais para tais associações, particularmente por meio da chamada “marcação” de palavras-chave2. Fundada em 1950, a Revista de História está publicando atualmente o seu volume número 162, e acumulou até aqui uma quantidade importante de textos de autores brasileiros e estrangeiros (artigos, resenhas, transcrições de documentos, notícias sobre acervos etc.), o que já permite, apenas no interior do seu acervo, um grande número de associações. Sua equipe editorial também tem investido, nos últimos anos, na indexação da revista às plataformas digitais de publicações científicas, tais como Scielo, Latindex, Clasis, Portal de periódicos da Universidade de São Paulo etc.

7Muitas revistas brasileiras fizeram investimentos similares. Inclusive sob a pressão das agências públicas de financiamento da pesquisa que, seguindo uma conduta mimetizada em todo o mundo, adotou a visibilidade (atingida por meio da digitalização e da indexação) como índice de “produtividade” e relevância, ou de “fator de impacto”.

8Ora, sabemos que por trás do fetichismo que envolve estes índices, esconde-se uma estratégia de seleção das publicações científicas e, extensivamente, do financiamento público da pesquisa. O que ocorre atualmente no Brasil não é absolutamente diferente do que ocorre na Europa ou nos Estados Unidos. Como analisa Olgária Matos,

  • 3  “Prazos e métodos – prossegue Olgária Matos –, por sua vez, migram das disciplinas científicas par (...)

“a universidade pós-moderna (...) converte pesquisa em produção, constrangendo-se à pressa e à produtividade quantificada do conhecimento, adaptando-se à obsolescência permanente das revoluções técnicas, promovidas pelas inovações industriais segundo a lógica do lucro. A temporalidade do mercado confisca o tempo da reflexão, selando o fim do papel filosófico e existencial da cultura”3.

9Nesse sentido a filósofa lembra, com Gunther Anders, que estamos colhendo os frutos “da conversão do intelectual em pesquisador, da razão crítica em desresponsablização ética e racionalidade técnica”, desde a opção de “Fermi na Itália e Oppenheimer nos EUA, cujas pesquisas sobre a bomba atômica foram tratadas por eles em termos estritamente técnicos”.

10Em resumo, e voltando especificamente ao nosso objeto:

    • 4  As manifestações contrárias a esta política pública de avaliação e classificação se multiplicaram (...)

    1) As referidas políticas de controle de produtividade das agências governamentais, por meio da hierarquização das revistas e dos cientistas estabelecida a partir de índices tais como os referidos “fator de impacto” e “produtividade”, têm obtido como resultado, sobretudo, a inibição da reflexão e da crítica4.

  • 2) Além disso, a constante mudança das plataformas informáticas e a obsolescência de linguagens e de suportes de armazenamento causam dificuldades operacionais, colocando também problemas éticos, relacionados aos investimentos públicos.

  • 3) Por outro lado, a digitalização de conteúdos ainda não forneceu alternativas para os atos corriqueiros do leitor tradicional, como anotar, sublinhar, riscar, enfim, rascunhar e explicitar as etapas intermediárias do pensamento associativo e multilinear. Tampouco ofereceu alternativas para o compartilhamento de anotações que permitam multiplicar coletivamente o esforço de associação conceitual e de crítica.

11Sobre esses três problemas, teceremos aqui alguns comentários que situam a política editorial da Revista de História.

12Enquanto a tecnologia digital não apresenta uma solução satisfatória para o terceiro problema, a Revista de História decidiu manter paralelamente a publicação do seu conteúdo em papel, imprimindo quinhentos exemplares de cada número.

13No que diz respeito à obsolescência das plataformas informáticas e dos suportes de armazenamento, resta-nos apenas adotar uma atitude responsável face aos investimentos públicos empregados na digitalização das revistas, criando mecanismos e salvaguardas suscetíveis de permitir o seu reaproveitamento.

14No que diz respeito às políticas públicas de avaliação das revistas acadêmicas – definidas, no Brasil, pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), órgão do Ministério da Educação -, podemos compartilhar algumas impressões. Os critérios utilizados para a classificação das revistas são os mesmos que tentam impor-se em diversos países do hemisfério norte, a despeito das fortes críticas que têm recebido em toda parte, vindas de diferentes áreas do conhecimento. De fato, tais critérios são pouco pertinentes aos temas e conteúdos veiculados pelas revistas de ciências humanas. Segundo a Capes, o que define um periódico de qualidade são porcentagens: por exemplo, uma revista de excelência deve publicar 75% de artigos de autores provenientes de cinco instituições diferentes da que publica o periódico e 15% de estrangeiros (os restantes 10% não são especificados). Ou seja, se esses parâmetros forem aplicados, conduzirão inevitavelmente a uma padronização das revistas a partir de critérios extrínsecos à competência dos autores e aos temas em debate. Enquanto editores, vemo-nos conduzidos à bizarra situação de ponderar se devemos recusar artigos relevantes porque extrapolam aquelas cotas.

  • 5  Os dois estratos superiores não podem ultrapassar 20% do total de revistas; os três estratos super (...)

15O sistema de avaliação da Capes trabalha, ademais, com as chamadas “travas estatísticas”, que estabelecem cotas para os estratos superiores da lista de avaliação, fazendo com que o gráfico resultante tenda a assumir a forma de “sino” da “curva de Gauss”, com um pico na nota média5. Esse tipo de avaliação, tipicamente empregada em empresas capitalistas, visa provocar a competitividade interna, em uma lógica avessa à que deveria caracterizar a produção acadêmica. Assim, os colegas de diferentes instituições e revistas que colaboram voluntariamente na avaliação dos artigos são empurrados para a posição de competidores. As “travas estatísticas” introduzem, ademais, uma deformação da realidade: como os estratos superiores só podem conter um determinado número de periódicos (no estrato superior, um máximo de cinco revistas nacionais, por exemplo), os demais, mesmo que sejam de igual qualidade, serão forçadamente classificados em estratos inferiores. Dito de outra maneira: se a lei e a realidade não coincidem, a realidade deve ser modificada para se acomodar à lei.

16Há que se considerar também o gigantismo da tarefa, que a torna inviável. Como fazer todas aquelas contas para os dois ou mais volumes anuais das 1199 revistas de história listadas pela última avaliação realizada pela Capes? O que dizer quanto a aferir a qualidade do conteúdo dos artigos? Com efeito, o critério “qualidade” só é definido para o estrato superior, porém, em termos extremamente vagos: “periódicos de destacada qualidade, devidamente demonstrada em relatórios pelos avaliadores”. Ora, a comissão de avaliadores da Capes não tem condições humanas de enfrentar sozinha essa tarefa; por isso insiste na necessidade de indexação, delegando às agências responsáveis a avaliação da qualidade das revistas. No entanto, se buscarmos onde reside de fato o controle de qualidade, observarmos que as agências de indexação, por sua vez, responsabilizam as próprias revistas, por meio da atividade do seu conselho editorial e da escolha criteriosa dos seus pareceristas.

17Parece-nos, além disso, que as revistas de História não podem ser avaliadas todas com os mesmos critérios, pois cumprem funções sociais diferentes, conforme tenham uma vocação generalista ou voltada para temáticas específicas, ou conforme se dediquem a problemas regionais ou tenham um escopo mais amplo etc.

18No Brasil, por exemplo, existem pouquíssimas revistas com uma vocação estritamente americanista – comparativamente às revistas temáticas, às generalistas ou às regionalistas. Podemos citar: Estudos Ibero-Americanos (da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul), Latinidade (Revista do Laboratório de Estudos Políticos das Américas daUniversidade Estadual do Rio de Janeiro), Revista de Integração Latino-Americana (revista eletrônica da Associação Nacional de Pesquisadores e Professores de História das Américas, que também publica um boletim eletrônico) e Vestígios. Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica (do Laboratório de Arqueologia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais).

19A Revista de História não é uma revista americanista, mas, além de ter acolhido regularmente inúmeros artigos relacionados a esta área geográfica, constituiu uma série de dossiês temáticos que enfocaram questões atinentes a processos relativos à história da América e à sua conexão com o resto do mundo. Alguns exemplos recentes: História atlântica (n.152), História das Américas (n.153), História dos índios (n.154), África e América (n.155), História e música (n.157), o ano de 1808 nas Américas (n.159). Em cada um desses dossiês, uma série de questões foram propostas à comunidade científica. Os artigos recebidos foram submetidos a modificações mais ou menos profundas em função de um diálogo estabelecido entre o autor, os pareceristas anônimos e o conselho editorial. Por fim, o editorial de cada um desses números propôs uma síntese visando construir ou atualizar os quadros teóricos da reflexão crítica sobre a América.

20Esta é a política editorial proposta atualmente pela Revista de História: na ausência de grandes quadros teóricos que aproximem os pesquisadores e a sociedade em torno de uma agenda política de questões, buscamos associar as potencialidades abertas pelo hipertexto à proposição de dossiês temáticos que, desde a chamada de artigos, levantam problemas relativos aos processos históricos da inserção da América na economia-mundo.

Haut de page

Notes

1 http://www2.fcsh.unl.pt/edtl/verbetes/H/hipertexto.htm; acesso em 7 de março de 2010 (grifo nosso).

2  http://revhistoria.usp.br/

3  “Prazos e métodos – prossegue Olgária Matos –, por sua vez, migram das disciplinas científicas para todos os campos do conhecimento, sob o impacto do prestígio da formalização do pensamento, como é possível reconhecer, em particular no estruturalismo e, mais recentemente, no linguistic turn, sua legitimidade garantida pelo rigor científico de suas formulações. Acrescente-se o abandono da ideia de rigor na escrita e o fim do estilo, com o advento do gênero paper e a multiplicação de congressos no mundo globalizado. “O crepúsculo dos sábios”. O Estado de São Paulo, 15 de novembro de 2009.

4  As manifestações contrárias a esta política pública de avaliação e classificação se multiplicaram no Brasil. Ver, por exemplo, os artigos de Eleonora Albano (“O cientificismo e seu avesso: riscos de um modelo único de avaliação de mérito acadêmico”), de Luis David Castiel e Javier Sanz-Valero (“Entre fetichismo e sobrevivência: o artigo científico é uma mercadoria acadêmica?”, nos Cadernos de Saúde Pública), e de Antonio Ozaí da Silva (“Produtivismo no campo acadêmico: o engodo dos números”, na Revista Espaço Acadêmico). No sítio eletrônico da Revista de História, além de um editorial em que tomamos posição com relação ao tema, inserimos também links para dois outros artigos, de Mauricio Rocha e Silva (“O novo Qualis, que não tem nada a ver com a ciência do Brasil. Carta aberta ao presidente da Capes”, publicado na Revista Clinics) e de Paulo Capel Narvai (“Pós-graduação, sistema Qualis e futebol”, publicado na Revista Adusp).

5  Os dois estratos superiores não podem ultrapassar 20% do total de revistas; os três estratos superiores não podem ultrapassar 50%, em uma classificação que compreende os seguintes valores: A1 = 7, A2 = 6, B1 = 5, B2 = 4, B3 = 3, B4 = 2, B5 = 1 e C = 0. Ver Jornal da Ciência. Publicação da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Rio de Janeiro, 646: 7.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Carlos Zeron, « Revista de História da Universidade de São Paulo: política editorial, digitalização e políticas públicas de avaliação e classificação. », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Nuevo Mundo Anniversaire 2010 - Une décennie américaniste en ligne, mis en ligne le 20 mai 2010, consulté le 25 juillet 2017. URL : http://nuevomundo.revues.org/59682 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.59682

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page