Navigation – Plan du site
Débats | 2007
Migrações, migraciones. Dossiê coordenado por Mônica Raisa Schpun
Sueli Siqueira

O sonho frustrado e o sonho realizado : as duas faces da migração para os EUA1

[07/06/2007]

Résumés

O retorno é constitutivo do projeto de emigrar, contudo alguns conseguem retornar para o ponto de partida e outros não. Este artigo busca compreender as razões que definem o sucesso e o insucesso da concretização do projeto de retorno dos emigrantes da microrregião de Governador Valadares nos EUA. Os dados foram coletados, através de entrevistas formais e informais, no período de 2004 a 2006 na microrregião de Governador Valadares e nos EUA. Quanto mais tempo permanecem no exterior, maior a dificuldade de readaptação e consequentemente de obter sucesso no retorno. Investimentos realizados sem observar as demandas do mercado e a falta de conhecimento para gerenciar o empreendimento são as principais razões do insucesso.

Haut de page

Entrées d’index

Mots clés :

emigração, frustração

Palabras claves :

retorno, sucesso

Parole chiave :

investimento
Haut de page

Texte intégral

1. Introdução

1O fluxo migratório da microrregião de Governador Valadares (estado de Minas Gerais)2 para os Estados Unidos teve início nos anos de 1960. A partir dos anos de 1980 se configurou como um movimento migratório significativo, pois deu novos contornos, tanto para o local de origem quanto para o local de destino dos migrantes.

2O projeto de emigrar é sempre marcado pela idéia de retornar para o ponto de partida, adquirir bens e montar um negócio que permita auferir renda para manter a família ou melhorar o status social. Migrar, ganhar dinheiro no país de destino, retornar e investir para melhorar sua condição social ou até mesmo manter uma posição socioeconômica que estava perdendo, é a trajetória inicial da grande maioria dos emigrantes. Contudo, o projeto inicial é quase sempre reelaborado. Essas mudanças ocorrem em função das diferentes trajetórias dos sujeitos (Siqueira, 2006). Dependendo do contexto e da interação do sujeito com as várias possibilidades que se lhes apresentam durante o período de emigração e o capital social de cada emigrante, podemos considerar que o sucesso e o insucesso do projeto migratório são relativos, pois o retorno se dá de modo diferenciado para cada um. Outro aspecto importante desse fenômeno migratório são as remessas de moeda estrangeira enviada pelos emigrantes. O Brasil é o segundo maior receptor de remessas da América Latina. Grande parte dessa remessa é destinada à Microrregião de Governador Valadares (IADB, 2006). Inicialmente eram enviadas através de agencias de turismo, em 2000, dado o seu volume, o sistema bancário nacional criou, através de associações com bancos americanos, forma de envio legal. Essas remessas são importantes componentes da economia da região. O principal objetivo deste artigo é compreender esse fenômeno destacando como se dá o processo do retorno e porque alguns emigrantes da microrregião de Governador Valadares conseguem fazer o caminho de volta e outros não.

3Os dados que subsidiam as argumentações são resultados da pesquisa realizada no período de 2004 a 2006. A pesquisa foi desenvolvida em dois lugares. Nos EUA, na região da Nova Inglaterra3 foram realizadas 35 entrevista formais e 08 entrevistas em profundidade com emigrantes cujo retorno não foi bem sucedido, ou seja, retornaram à Microrregião de Governador Valadares no período de 1970 a 2003 e tornaram-se empreendedores de micro, pequenas e médias empresas, fecharam suas portas, retornando à condição de imigrante nos EUA. Na Microrregião de Governador Valadares foram realizadas 173 entrevistas formais e 21 entrevistas em profundidade com emigrantes que retornaram e tornaram-se proprietários de micro, pequenas e médias empresas em suas cidades de origem.

2. O Retorno : um sonho frustrado e a volta à condição de imigrante

4Vários estudos4 realizados sobre a emigração brasileira para os EUA e de grupos de migrantes de outras nacionalidades, ressaltam que a idéia do retorno está implícita no projeto de migrar. DeBiaggi (2004) destaca que o retorno à terra natal além dos determinantes econômicos tem também um outro componente, a necessidade de voltar às raízes para reencontrar com sua identidade, sua família e seus amigos. Sayad (1998) também compartilha a idéia de que na emigração sempre perpassa a idéia de transitoriedade e, consequentemente, do retorno ao país de origem. Da mesma forma, os que ficaram na terra natal pensam na ausência como temporária.

5Na pesquisa realizada nos EUA com os emigrantes que voltaram para a microrregião de Governador Valadares, investiram e retornaram à condição de imigrantes nos EUA, 51,4% era do sexo feminino e 48,6% masculino. Em relação à escolaridade, 31,4% tinham o segundo grau completo e 25,7% o terceiro grau completo ou incompleto. A maioria (37,1%) estava na faixa etária de 41 a 50 anos e acima de 50 anos.

6Quando retornaram ao Brasil, 34% eram documentados, tinham Green Card ou eram cidadãos americanos. A maioria destes estava nos EUA num período 18 a 24 anos. Os indocumentados eram 60%. Destes, 40% estavam nos EUA num período de 5 a 10 anos. Independentemente do tempo de permanência e da situação de documentação podemos perceber que o desejo de retorno à terra natal é mantido. Contudo, destacamos que o percentual em relação à documentação, deste grupo, aumentou depois que retornaram à condição de imigrantes nos EUA. Atualmente, 60% são documentados e 40% permanecem sem documentação. Isso indica que depois de ter o sonho de retorno frustrado, a idéia de permanecer nos EUA fica mais forte, mesmo que o sonho de retorno ainda seja acalentado.

« [...] depois de 4 anos não agüentei mais, juntei o que tinha e fui [Brasil], disse – aqui não volto mais [...] depois de quatro meses já comecei a pensar em voltar [...] não teve jeito, voltei pelo México novamente[...]. » (Eliseu, 52 anos)

7Fica evidenciado nos relatos desse grupo que não foi bem sucedido no retorno, que mesmo depois de uma experiência frustrada, o desejo de retornar ainda está presente.

« [...] Já tentei voltar duas vezes [...]. Agora mandei meus filhos para lá, quero que eles façam faculdade [...] estão com minha sogra, vamos voltar em 2006, aí já vou estar recebendo minha aposentadoria e poderei ficar mais tranqüilo. » (Jaílson, 62 anos)

8Jailson tem o Green Card, pagou no Brasil o INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) por 25 anos e agora está aposentando-se por invalidez. Trabalha na construção civil nos EUA há 16 anos. Tem sérios problemas de coluna.

2.1. O Investimento realizado no Brasil

9A principal razão da não concretização de seus planos de permanência no Brasil é o fato de ter investido em algum tipo de empreendimento que não foi bem sucedido (48,6%) ; outros (31,4%), porque não se readaptaram à vida em suas cidades de origem ; e 17,1%, porque consideravam que seu empreendimento tinha um baixo retorno, insuficiente para a manutenção de um bom padrão de vida no Brasil.

10É importante destacar que 31,4% fizeram seus investimentos e consideravam que obtinham um bom retorno, contudo não se readaptaram à vida na sua cidade de origem.

« Minha fazenda até que ia bem, mais os aluguéis, dava para manter a família legal [...] o pior era a paradeira, eu não me acostumava. A cidade não tinha nada. Depois de viver no corre-corre de Nova York, era difícil dar conta da vidinha na cidade, era uma paradeira só. Meus filhos não estavam gostando, queriam voltar, minha mulher também, então resolvemos deixar tudo com meu irmão tomando conta e voltar. Eu não tinha vendido nada aqui [EUA], minha casa tava alugada, minha mulher tinha vendido o schedule5 dela, mas ela fácil, fácil conseguiu outro. [...] hoje fazemos assim, no final do ano eu vou, pro meu trabalho é melhor, e a Rita vai em julho, nas férias das crianças e pro trabalho dela também é melhor. [...] então duas vezes por ano damos uma olhada na fazenda [...], mas tá tudo correndo bem, meu irmão é de confiança. » (Dirceu, 41 anos, 24 nos EUA)

11Como relata Hall (2003), Dirceu, ao retornar sente-se como estranho em seu próprio país de origem. Não se sente mais em casa, sente falta do ritmo de vida que tinha nos EUA. Os elos vistos como naturais e espontâneos com o país de origem são irremediavelmente alterados pela sua trajetória de migrante. Dirceu e sua família vivem entre os dois lugares. Possui casa, trabalho e investimentos no Brasil e vive nos EUA onde também possui casa e trabalho. Este relato é um indicativo de que está se configurando na migração da microrregião de Governador Valadares a formação de um grupo de transmigrantes.

12Dirceu tem três filhos, uma de 10, outra de 15 e outro de 18. Nasceram nos EUA, foram alfabetizados em português e inglês, já passaram temporadas de até 3 anos no Brasil. Ele e a esposa têm fluência no inglês e possuem a cidadania americana. Ele possui uma empresa de pintura e a esposa, um schedule de 30 casas, trabalhando com 3 ajudantes. Os dois trabalham, em média, 12 horas por dia e tiram um dia de folga por semana. Continuam fazendo poupança como nos primeiros anos, mas hoje têm hábitos de consumo que não podiam ter antes. Contudo, a lógica calvinista do trabalho perdura. O lazer consiste nas viagens para o Brasil. Aqui, vão para a  praia, fazem excursões. Não conhecem a Disney, mas conhecem o parque do « Beto Carreiro ». Possuem investimentos no Brasil que possibilitam sua permanência, mas não conseguem mais se adaptar à rotina, e também não se integram à sociedade americana, não participam da vida da comunidade americana. Possuem vários parentes (irmãos, tios, primos) nos EUA, mas comemoraram o aniversário de 15 anos da filha na sua cidade de origem, e já programam a festa da próxima. Vivem hoje nos dois lugares.

13Margolis (1994) afirma que são mais viajantes do que emigrantes. Eu considero que são mais do que viajantes, são moradores dos dois lugares. Dividem suas vidas, trabalho e investimentos nestes dois lugares. Quando perguntei a Dirceu e a Rita até quanto tempo planejavam viver assim, eles responderam « até quando eu agüentar trabalhar [...], talvez a vida toda, porque quando não agüentar mais trabalhar virei para ver meus filhos e netos. »

14Diferente de Dirceu, que voltou para os EUA porque não se readaptou no Brasil, outros 48,6% dos entrevistados deste grupo retornou aos EUA porque seus investimentos não obtiveram bons resultados. É o caso de Carlos (62 anos).

« Fui um dos primeiros valadarenses a vir pra cá [EUA]. Quando cheguei aqui, não tinha brasileiro nenhum. Depois de 11 anos de trabalho resolvi voltar [1979], investi todo meu dinheiro na lavanderia [...], levei as máquinas daqui, gastei uns setenta e cinco mil dólares [...]. Foi um fracasso total, depois de 10 meses no Brasil fiquei zerado, tive que arranjar dinheiro emprestado pra voltar [...]. »

15Carlos fez uma grande lavanderia nos moldes das lavanderias americanas. Era um auto-serviço, com as máquinas de lavar e secar. Governador Valadares tem um clima quente com sol o ano inteiro, dificilmente alguém pagaria para secar sua roupa. Além disso, a população tem facilidade de acessar lavadeiras por um preço bem menor do que na lavanderia. Carlos fez todo seu investimento sem fazer uma avaliação das potencialidades do mercado. « [...] lá não tinha uma lavanderia como as americanas, então conversei com uns amigos que acharam que era um bom negócio. » Além disso, Carlos não tinha experiência como empresário.

16Atualmente, Carlos se aposentou nos EUA e trabalha 20 horas por semana como garçom. Parte de seus irmãos e filhos reside no Brasil, parte nos EUA. Vem com freqüência ao Brasil visitar os parentes e mantém uma casa na sua cidade de origem.

17Os imigrantes que retornaram com a intenção de ficar, investiram em negócios na área do comércio (40%), propriedade rural (23%), indústria (17%), serviços (17%) e imóveis (3%).  Não fizeram nenhuma pesquisa de mercado ou recorreram a órgãos públicos ou privados6 que fornecem informações sobre a demanda do mercado para conhecer as possibilidades de seu empreendimento ser bem sucedido. Grande parte dos entrevistados (51,4%) informam que decidiram no que investir baseando-se em conselhos e informações de amigos e parentes ; outros 31,4% aproveitaram a oportunidade que apareceu. Apenas 17,1% escolheu o negócio pela experiência que tinham anteriormente no ramo.

« Comprei a mercearia porque achei que era um bom negócio [...] não, nunca tinha mexido com comércio [...]. Agora sei que nunca daria certo ; tinha um supermercado grande no bairro e não tinha como concorrer com eles [...]. » (Mateus, 38 anos, 9 anos nos EUA)

18Além da falta de conhecimento das potencialidades do mercado, outros fatores que propiciaram o insucesso desses imigrantes foram a falta de conhecimento de como administrar um empreendimento e o desconhecimento de como funciona o mercado. Nas entrevistas em profundidade com este grupo, ficou evidente o amadorismo com que administravam seus empreendimentos. Geralmente, investiam todo o capital no negócio e já no primeiro mês de funcionamento faziam retiradas para suas despesas. Não se preocupavam com a manutenção do capital de giro.

« [...] eu tirava as minhas despesas e quando fui ver, eu estava era perdendo dinheiro. [...] o contador falou que durante um tempo eu não podia tirar nada, até começar a dar lucro [...] como eu ia sustentar minha família ? » (Eliseu, 52 anos)

19Segundo Portes (1995, p. 12) « Capital social se refere à capacidade dos indivíduos em mobilizar recursos escassos por pertencerem a redes ou estruturas sociais mais amplas. Tais recursos podem incluir bens econômicos tangíveis como empréstimos sem juros, ou intangíveis como informações sobre negócios, emprego, boa vontade generalizada nas transações de mercado. » Neste sentido, faltou a esse grupo de emigrante exatamente este capital social para acessar informações e compreender a lógica dos investimentos no Brasil. O resultado foi o fechamento ou baixo retorno dos empreendimentos.

2.2. Um sonho frustrado e o retorno à condição de imigrante

20A constatação de que o sonho acalentado durante 4 ou 5 anos, a poupança feita com muito trabalho e privações não deu certo é um momento angustiante para o migrante. A primeira idéia é retornar aos EUA.

« O dia que fechei a fábrica foi o pior dia da minha vida, eu queria morrer. Trabalhei feito louca, morava mal, comia mal, só usava coisas que ganhava, tudo para juntar meu dinheiro, e em menos de um ano perdi tudo. Fiquei com ódio do Brasil, queria voltar, sair de lá o mais rápido [...] eu não sabia como ia voltar, tinha perdido tudo que tinha levado e não sabia o que fazer, e ainda por cima tinha uma dívida [...] uma costureira me levou na junta [...]. Hoje eu sei que não dá para voltar e ganhar a vida lá. [...] comprei uma chácara e duas casas em Valadares, quando não der pra trabalhar mais ou se for deportada [...] tenho pelo menos minha casa para morar e os aluguéis. [...] isso eu não faço mais, nunca mais invisto em negócios, no Brasil não dá para ganhar dinheiro assim. » (Vanda, 59 anos, 18 anos nos EUA)

21São críticos na avaliação que fazem da experiência frustrada, percebem sua pouca experiência, mas creditam o insucesso à economia nacional.

« Os impostos são muitos [...] não dá pra ganhar dinheiro no Brasil não. Hoje eu vejo que cometi muitos erros [...] não sabia nada de costura, de como lidar com empregados, das leis e até mesmo de como comprar o material que precisava e de como vender o que fazia. [...] acredita que colocava tudo [confecção de jeans] no carro e saia oferecendo nas lojas da região, [...] até que consegui vender, mas recebi muito cheque sem fundo [...] não sabia como lidar com isso. » (Vanda, 59 anos, 18 anos nos EUA)

22Depois que decidem reemigrar, os que não têm o Green Card e não são cidadãos americanos, que representam 66% desse grupo, retornam pela fronteira do México. Fazem empréstimos com parentes e amigos ou utilizam o que sobrou de seu investimento para custear a reemigração. Destaco que 22% entraram a primeira vez nos EUA pela fronteira do México ou com passaporte montado. Quando perguntei se não tinham receio de enfrentar novamente todos os riscos que eles já conheciam, diziam « não é tão perigoso assim ». Para Simmel (1998), a aventura é exatamente o momento de cruzamento entre o estado de segurança e insegurança da vida.

23O aventureiro trata o que é incalculável como calculável aposta tudo no destino impreciso e pondera que contará com a sorte. É neste estágio que se encontra o migrante que pretende passar pela fronteira. Andréia (38 anos) me relatou momentos terríveis de sua travessia na primeira vez que emigrou pela fronteira do México, em 1987. Ficou oito dias a mercê dos coiotes. Ela e mais duas mulheres que estavam no grupo foram violentadas. Foram abandonadas no deserto e presas pela polícia americana. Depois de dois dias foram libertadas e deveriam comparecer à corte numa data determinada. Não compareceram. Andréia ficou nos EUA por quatro anos e retornou ao Brasil. Investiu em uma loja de presentes. Dois anos depois fechou por total falência. Reemigrou pela fronteira novamente. « (...) eu sabia que dessa vez ia dar tudo certo, tive medo, mas já estava mais esperta, conhecia as manhas. » Não quer voltar a viver no Brasil. Mesmo sendo indocumentada e estando sempre com medo da deportação, afirma que a experiência de retorno foi muito frustrante e não pretende passar por ela novamente7.

24É interessante observar que mesmo depois de uma, e às vezes até mais de uma experiência frustrada, 60% dos que reemigraram pretendem voltar a investir no Brasil. Apenas 28,6% não pretendem retornar e investir em suas cidades de origem, outros 11,4% afirmam que ainda não se decidiram quanto a esta questão.

25Sayad (1998) considera que o emigrante vive em uma dupla contradição, o estado provisório da migração e o prolongamento desse estado por tempo indeterminado. Velho (1999) descreve a trajetória migratória de uma família açoriana que emigra para os EUA. Analisa a construção familiar do projeto de ida e retorno e as mudanças de perspectiva nessa trajetória. Enquanto os pais pouco assimilaram a cultura da nova sociedade, os filhos freqüentaram a escola e participaram mais efetivamente do estilo de vida americano. A idéia de fazer a América era compartilhada por todos, contudo, os pais preocupavam-se com os aspectos materiais e os filhos queriam usufruir a sociedade e os valores americanos.

26Essa análise é propícia para compreender que o projeto de migrar é social, familiar e coletivo e nele está incluído o retorno.Contudo, a partir das diferentes trajetórias dos migrantes, ele vai sendo reelaborado segundo as peculiaridades de status, capital social, gênero e geração, além das condições de inserção no mercado de trabalho americano e a situação em relação à documentação.

27Neste sentido, Velho (1999, p. 47) considera que : « As trajetórias dos indivíduos ganham consistência a partir de delineamentos mais ou menos elaborados de projetos com objetivos específicos. A viabilidade de suas realizações vai depender do jogo e da interação com outros grupos individuais ou coletivos, da natureza e da dinâmica do campo de possibilidades. » Os dados da pesquisa de campo confirmam esta perspectiva apresentada por Velho. Quando ouvimos nos relatos que a intenção era de retornar num período de dois ou três anos, mas já se passaram cinco, ou ainda quando afirmam que vão retornar quando os filhos forem independentes ou quando não puderem mais trabalhar, fica evidenciado que o projeto foi reelaborado, dadas as interações e a dinâmica do campo de possibilidades consideradas por Velho (1999).

28Para este grupo o retorno foi mais difícil do que a decisão de emigrar, pois quando emigraram estavam cheios de esperança e quando retornaram foram acometidos pelo estranhamento de seus lugares de origem e das pessoas que habitavam seu universo social. Isto ocorre porque durante o tempo de afastamento, idealizaram as relações sociais e o espaço onde viviam e quando retornam não o reconheceram. Numa perspectiva simmiliana, é um tempo fora do curso natural da vida.  Além disso, são assombrados com a incerteza quanto ao sucesso do investimento e o medo de perder tudo os deixa apreensivos.

3. O retorno bem sucedido

29Uma outra face desse fenômeno é o migrante que retornou e tornou-se empresário bem sucedido na sua cidade de origem. Os dados da pesquisa demonstram que são predominantemente do sexo masculino (87,3%), antes de emigrar a maioria não era casada, mesmo se, atualmente, 65,9% são casados. Estão na faixa etária de 31 a 40 anos. Migraram muito jovens : 76,9% estavam na faixa de 15 a 31 anos. A escolaridade da maioria não se alterou ao retornar ao Brasil : possuem o segundo grau completo. Apenas 3,5% deles estavam desempregados quando emigraram. Grande parte (49,9%) trabalhava por conta própria antes de emigrar e 52% investiram em negócios com os quais já tinham experiência anteriormente, fato que indica um espírito empreendedor.

30A emigração possibilitou um aumento da renda mensal, posto que antes de emigrar a maioria (69,4%) tinha uma renda mensal de até três salários mínimos e atualmente 38,2% têm uma renda de 4 a 6 salários mínimos e outros 20,8% de mais de 10 salários mínimos. Estes dados demonstram que tais emigrantes não pertenciam a uma categoria que estava fora do mercado de trabalho e possuíam características includentes e não excludentes para o mercado de trabalho no Brasil. Contudo, optaram pela alternativa da emigração para melhorar o padrão de vida.

« Se não tivesse ido, até hoje ia ser empregado, agora dou emprego para 15 trabalhadores [...] nunca ia conseguir aqui juntar o dinheiro que juntei para começar isso aqui [...] ». (Augusto, 31 anos)

31Este é um dos aspectos em que a migração do início do século XX e a atual diferem. Os migrantes contemporâneos emigram, não em busca de sobrevivência, como os migrantes do passado, pois não estavam desempregados ou em situação de penúria, mas em busca de manter ou melhorar sua posição social e econômica. Um conjunto de fatores que vão desde a existência de um mercado de trabalho secundário nos países de destino, a crise do emprego provocada pela reestruturação econômica nos países de origem, que achata as classes médias, as redes sociais que facilitam o processo de emigração e o próprio espírito de aventura do emigrante, o retorno e investimentos bem sucedidos nos locais de origem, definem os fluxos migratórios contemporâneos.

32Mais evidente fica esta constatação quando observamos que o principal motivo declarado pelos entrevistados para emigrar (53,7%) foi a possibilidade de ganhar dinheiro, retornar e investir no Brasil. É interessante ressaltar que 46,3% afirmaram que emigraram porque foi uma possibilidade que surgiu para conseguir atingir seus objetivos mais facilmente e em menor tempo.

33Através das redes sociais, a emigração para os EUA na microrregião de Governador Valadares tornou-se uma alternativa viável e de fácil acesso. Para os jovens, é uma opção apresentada numa fase da vida em que os projetos são construídos. Entre cursar uma faculdade e ir trabalhar nos EUA muitos optam pela segunda.

34A maioria dos entrevistados (82,7%) emigrou exatamente no período de aumento do fluxo, ou seja, na década de 1980. Permaneceram de 3 a 10 anos (75,7%). Trabalharam principalmente em restaurantes e lanchonetes, na construção civil e com faxina. Conseguiram o primeiro emprego por meio dos contatos com parentes e amigos, sendo que muitos (33,5%) já chegaram lá com o emprego arranjado. As condições de trabalho nos EUA são precárias ; por serem indocumentados, utilizam security falso, trabalham em mais de um emprego, com uma carga diária média de 9 a 12 horas, com apenas um dia de folga por semana.

35A renda semanal da maioria era de quatrocentos a seiscentos dólares, sendo que 50,9% poupavam entre mil a dois mil dólares mensais. Destacamos que 82,7% faziam remessas mensais para o Brasil ; a principal finalidade das remessas eram as despesas da família e investimentos. Desde a década de 1980, as remessas representam um importante componente da economia da microrregião. A construção civil e o comércio experimentaram uma revitalização graças a essas remessas, como foi demonstrado no estudo de Soares (1995).

36O principal objetivo do projeto de migrar, desses que retornaram ao Brasil, era tornar-se empreendedores nas suas cidades de origem. É interessante ressaltar que 41% deles tinham um projeto concreto de investimento, ou seja, já tinham definido em que investir quando retornaram. Outros (21,4%), já tinham realizado o investimento enquanto ainda estavam nos EUA8. Esses investimentos, geralmente, foram realizados por parentes próximos ou sócios.E,nfim, 25,4% tinham a intenção de montar um negócio, mas ainda não sabiam qual.

« Durante os últimos três anos em que estava na América mandava dinheiro para minha esposa e ela e meu filho reformaram a casa, fizeram a loja e montaram todo o estoque (loja de equipamentos para som de carro) [...] quando cheguei foi só pegar a manha e começar a trabalhar [...]. » (Cláudio, 50 anos)

37A maioria afirma que não teve grandes dificuldades ao retornar. Porém, 31,2% relatam que a grande dificuldade encontrada foi compreender novamente a economia do país : sentiam-se inseguros quanto aos investimentos realizados. Outros 27,7% apontaram a readaptação como a grande dificuldade do retorno. Estes condividem o sentimento dos 31,4%, já mencionados, que retornaram e, depois, reemigraram por não conseguirem se readaptar à vida no Brasil (sendo que uma parte deles tornou-se moradora dos dois países).

« [...] voltar é mais difícil do que ir. Quando a gente vai tá cheia de sonhos, acha que vai ser tudo fácil. [...] chega aqui tá tudo diferente, os filhos, os amigos, a cidade. [...] até acostumar de novo é muito sofrimento, dá vontade de voltar. » (Ana, 35 anos)

38Apesar de tudo, os anos de trabalho duro, solidão e de privações resultaram na possibilidade de investir e tornarem-se donos de seus próprios negócios no Brasil. Esta é a principal razão de 92,5% dos entrevistados afirmarem que a experiência de emigrar foi positiva, pois possibilitou melhorar sua situação econômica no Brasil.

« [...] claro que valeu a pena [...] antes eu ganhava um salário mínimo, agora eu pago um salário mínimo a oito pessoas. » (Ana, 35 anos)

39A maioria dos investimentos foram realizados na área do comércio, tanto em Governador Valadares, como nas outras cidades da microrregião. Porém, o investimento em agronegócio é maior nas outras cidades. Isto se deve ao fato de que Governador Valadares é uma cidade pólo da região e onde o comércio é mais dinâmico.

40O investimento inicial da maioria dos empreendimentos (46%) é da ordem de 20 mil dólares e 16% investiram mais de 100 mil dólares. Apenas 11,4% não contratam mão-de-obra. A maioria emprega entre quatro a cinco pessoas e pagam entre um a dois salários mínimos. São empreendimentos legalizados que pagam de 400 a 1.200 reais por mês9 de impostos no Brasil. Estes dados nos permitem concluir que a maior parte dos empreendimentos é de pequeno porte e oferece poucos postos de trabalho. Entretanto, se considerarmos que na microrregião, devido ao seu baixo dinamismo econômico, a oferta de empregos está abaixo da demanda da população economicamente ativa, pode-se afirmar que estes empreendimentos contribuem para o dinamismo da econômica da região.

Conclusão

41Por que alguns retornam, investem e não obtêm sucesso e outros fazem a mesma trajetória e tornam-se empreendedores bem sucedidos na microrregião de Governador Valadares ? Quando comparamos esses dois grupos percebemos que as variáveis sócio-demográficas são semelhantes, com exceção do gênero, pois a maioria do grupo bem sucedido é do sexo masculino. No grupo que não obteve sucesso no retorno, os percentuais de homens (51,4%) e mulheres (48,6%) se equivalem, enquanto que no grupo que obteve sucesso o percentual dos homens é muito mais elevado (87,3%). Para onde foram as mulheres ? Ao identificar o proprietário do empreendimento, mesmo que a emigração tivesse sido de ambos (marido e mulher) e, portanto a poupança para o investimento dos dois, sempre o homem se apresentava como proprietário. Em estudo sobre o retorno, abordando aspectos relativos ao gênero, DeBiaggi (2004, p. 15) relata que durante a estada nos EUA, os maridos dividiam as tarefas domésticas ; porém, ao retornar ao Brasil, ocorre uma mudança de comportamento. « [...] ao retornarem ao Brasil, ele pára de participar nos afazeres domésticos [...] ». Isto explica porque, no grupo dos empreendedores bem sucedidos, apenas 12,7% são do sexo feminino. Ao retornar as mulheres voltam para as tarefas domésticas e os homens vão administrar os investimentos.

42Comparando os dois grupos, percebemos que o tempo de emigração é maior entre os que retornaram aos EUA. A maioria (44,5%) dos empreendedores que obtiveram sucesso permaneceu em torno de dois a quatro anos, enquanto que os não obtiveram sucesso (62,9%) ficaram em torno de 5 a 10 anos nos EUA. Um tempo maior fora do local de origem distancia da realidade, tanto do ponto de vista econômico, como das relações sociais. Quanto mais tempo distante, maior é a idealização desse espaço geográfico e social - e a dificuldade de readaptação será bem maior. Além disso, durante os anos de trabalho nos EUA, atuavam como empregados no mercado de trabalho secundário, não tendo adquirido nenhuma experiência gerencial ou administrativa.

43Outro aspecto que difere nos dois grupos refere-se à forma como foi decidido em que investir. Entre os empreendedores bem sucedidos, a maioria (52,6%) investiu em atividades com as quais tinha experiência e outros 14,5% se associaram a pessoas com experiência no ramo. Diferentemente, 51,4% dos entrevistados que não foram bem sucedidos definiram seus investimentos a partir de informações de amigos e parentes e apenas 17,1% tinham experiência na área em que realizaram o investimento.

44Podemos concluir que o capital social do emigrante é um fator importante no sucesso do investimento, mas existem alguns fatores que contribuem para o sucesso ou insucesso do projeto de retornar e investir na cidade de origem. A emigração possibilita a poupança para iniciar seu empreendimento, mas não o habilita a tornar-se empresário. O mercado exige racionalidade e conhecimento para que o investimento seja bem sucedido. A experiência no ramo de negócio a ser iniciado e o conhecimento da economia, do funcionamento do mercado e de como administrar uma empresa não se adquire com anos de afastamento dos locais de origem. Ao contrário, este afastamento resulta em uma idealização desse espaço geográfico e das relações sociais nele desencadeadas. Sem referências econômicas reais, a falta de racionalidade e o amadorismo nos investimentos, o resultado é o insucesso.

45A remessa de dólares para o Brasil é de tal volume que chamou a atenção de instituições financeiras nacionais e internacionais como West Union, Banco do Brasil, Caixa, que abriram programas de remessas, antes operadas informalmente apenas pelas agências de turismo. As instituições da microrregião, como SICCOB e AC CREDI também percebendo a importância e o volume desses envios, abriram programas de remessas. É importante, para a região, que as remessas de dinheiro e os investimentos dos emigrantes sejam produtivos, rentáveis e orientados para as demandas e vocação da região, tendo assim possibilidades de tornarem-se bem sucedidos e contribuírem para o desenvolvimento econômico da mesma.

46A tendência é da redução do retorno dos emigrantes e do envio de dólar à medida que a comunidade brasileira vai se organizando nos EUA. Como os dados demonstraram, a partir dos anos de 1990, o principal motivo para emigrar apresentado por 28% dos brasileiros entrevistados nos EUA é o reencontro com a família que já residia lá. Esses emigrantes dificilmente retornarão ou farão investimentos produtivos nas localidades de origem. Além disso, a segunda geração e os que foram ainda crianças10, mesmo mantendo laços afetivos com os familiares no Brasil, também dificilmente farão investimentos produtivos nos locais de origem de seus pais.

47Destacamos que os dados demonstram que a maioria dos emigrantes entrevistados nos EUA afirmam que pretendem retornar a suas cidades de origem. É urgente que a sociedade civil, entidades de classe e o poder público elaborem programas que canalizem e orientem os investimentos desses que pretendem retornar para que não aconteça com eles o que aconteceu com os 48,6% dos entrevistados que emigraram para os EUA, retornaram, investiram na microrregião e foram mal sucedidos, tornando-se emigrantes novamente.

48Considerando que a emigração se assenta em quatro pontos : ir – ganhar dinheiro – retornar – investir, concluímos que durante o percurso, dadas as condições sociais, esse projeto migratório é reelaborado e o retorno, aspecto central deste estudo, apresenta diferentes nuances. Assim, podemos considerar que existem quatro tipos de retorno :

491 – Retorno temporário. O emigrante define os EUA como seu local de moradia. Lá tem sua família, seu trabalho, e seus investimentos. Vem ao Brasil de férias (mesmo o indocumentado, que volta para os EUA pela fronteira do México e, atualmente, pela Guatemala). Traz seus filhos, que geralmente são documentados, para passar férias, festejar o aniversário, assistir casamentos e outros festejos da família no Brasil. Recebe os jornais locais nos EUA ou acessa através da internet. Manda dinheiro para ajudar a família e ajuda entidades de caridade local. Nos EUA ,muda seu padrão de vida e consumo, pois já não têm a preocupação de fazer poupança para voltar e investir no Brasil.

502 – Retorno continuado. Os emigrantes que retornam à cidade de origem, investem e acabam perdendo tudo ; reemigram, mas continuam mantendo o projeto de voltar. Alguns fazem esse caminho várias vezes. Restringem seu padrão de vida e de consumo nos EUA objetivando fazer uma poupança para tornar a investir em suas cidades de origem11. Neste grupo, depois de algumas tentativas frustradas, alguns desistem e passam a pertencer ao primeiro grupo.

513 - Retorno do transmigrante. O emigrante que vive nos dois lugares, está sempre retornando ao país de origem e ao de destino. É documentado, tem vida estabilizada nos EUA. Possui casa, faz investimento e trabalha nos dois lugares. Passa parte do ano no Brasil, e parte nos EUA. Participa ativamente da vida social das duas sociedades. Alguns são membros de associações nos EUA (câmara de comércio, grupo de escoteiros, brigada de incêndio) e no Brasil (associações de classe, cargos representativos como de vereador ou prefeito). Hoje, já podemos dizer que são transmigrantes : transitam, têm visibilidade e são atores sociais nos dois lugares12.

524 – Retorno permanente. O emigrante que retornou, readaptou-se e estabeleceu-se na sua cidade ou país de origem, não pretende emigrar novamente. No caso deste estudo é o que se tornou empreendedor na microrregião de Governador Valadares. Credita sua condição de empreendedor bem sucedido ao seu projeto migratório.

53Estas diferentes formas de retorno denunciam a angústia de uma realidade vivida, a ausência e a presença em um determinado espaço social, um ponto de partida para o qual não se volta mais, mas também a engenhosidade desses aventureiros, desbravadores e ousados atores sociais que reescrevem suas trajetórias e, por que não dizer, reconquistam e redimensionam os espaços físicos e sociais que passam a ocupar.

Haut de page

Bibliographie

Assis, Gláucia de Oliveira 2004 De Criciúma para o mundo. Reajarranjos familiares de gênero nas vivências dos novos migrantes brasileiro. 325 pp. Doutorado em Ciências Sociais, Instituto de Filosofia Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

DeBiaggi, Sylvia Dantas 2004 « Homens e mulheres mudando em novos espaços : famílias brasileiras retornam dos EUA para o Brasil ». In : DeBiaggi, Sylvia Dantas ; Paiva, Geraldo José (org.). Psicologia, E/Imigração e cultura. São Paulo : Casa do Psicólogo, pp. 135-164.

Ferreira, Ricardo Hirata 2001 Confronto dos lugares no migrante dekassegui. 148 pp. Mestrado em Geografia, Programa de pós-graduação do Instituto de Geociência e Ciências Exatas, Universidade Estadual de São Paulo.

Hall, Stuart 2003 Da diáspora : Identidades e mediações culturais, Belo Horizonte : UFMG.

IADB – Inter American Development Bank. Mutilateral Investment Fund. Remittances 2005. Promoting Financial Democracy. Washinghton, DC. March, 2006. <www.MigrantRemittances.org.>

Margolis, Maxine L. 1994 Little Brazil. Imigrantes Brasileiros em Nova York. Campinas : Papirus.

Sales, Teresa 1999 Brasileiro longe de casa. São Paulo : Cortez.

Sayad, Abdelmalek 2000 « O retorno : elementos constitutivos da condição do imigrante », Travessia, número especial.

Sayad, Abdelmalek 1998 A imigração ou os paradoxos da alteridade, São Paulo : EDUSP.

Simmel, Georg 1998 « A aventura ». In : Souza, Jessé e Oëlze, Berthold. (orgs). Simmel e a Modernidade, Brasília : UnB.

Siqueira, Sueli 2006 Migrantes e empreendedorismo na microrregião de Governador Valadares : Sonhos e frustrações no retorno, 200 pp. Doutorado em Sociologia e Política, Universidade Federal de Minas Gerais.

Soares, Weber 1995 Emigrantes e investidores : Redefinindo a dinâmica imobiliária na economia valadarense, 174 pp. Mestrado em demografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Velho, Gilberto 1999 Projeto e metamorfose : antropologia das sociedades complexas, 2.ed. Rio de Janeiro : Zahar.

Haut de page

Notes

1 Este artigo é parte da tese de doutorado, da autora, defendida em 2006 na Universidade Federal de Minas Gerais. A pesquisa recebeu apoio da UNIVALE (universidade Vale do Rio Doce) e FAPEMIG (Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais).
2 A microrregião de Governador Valadares é composta pelos municípios de : Alpercata, Campanário, Capitão Andrade, Coroaci, Divino das Laranjeiras, Engenheiro Caldas, Fernandes Tourinho, Frei Inocêncio, Galiléia, Itambacuri, Itanhomi, Jampruca, Marilac, Matias Lobato, Nacip Haiddan, Nova Módica, Pescador, São Geraldo da Piedade, São Geraldo do Bachio, São José do Safira, São José do Divino, Sobrália, Tumiritinga, Virgolândia, Governador Valadares.
3 As entrevistas foram aplicadas nas cidades de Boston, Framingham, Somerville, Bridgeport, Newark, Danbury, Fairfield a emigrantes cuja cidade de origem no Brasil está situada na Microrregião de Governador Valadares.
4 Margolis, 1994 ; Sayad, 2000 ; Ferreira, 2001 ; DeBiaggi, 2004 ; Siqueira, 2006.
5 O schedule compreende as casas em que as brasileiras realizam faxina ; trata-se de algo que se vende ao deixar o país, e que se constrói ou compra ao chegar. Os valores variam de mil a três mil dólares, dependendo do número de casas e do valor unitário das faxinas.
6 SEBRAE, Associação Comercial, FIEMG são entidades que possuem informações sobre as demandas do mercado.

7 Momentos de violência e constrangimentos não acontecem apenas com mulheres. Em várias entrevistas, os homens também relataram situações de violência, constrangimentos e abandono no deserto pelos coiotes.
8 Enviavam dinheiro para os familiares que investiam nas cidades de origem, em algum negócio produtivo.
9 Entre 200 e 600 dólares atualmente.
10 Denominada na literatura de geração 1.5.
11 Margolis (1994) denomina de migração iô-iô.
12 Porte, Mansey e outros estudiosos os denominam de transmigrantes.
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Sueli Siqueira, « O sonho frustrado e o sonho realizado : as duas faces da migração para os EUA », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Débats, mis en ligne le 07 juin 2007, consulté le 25 juin 2017. URL : http://nuevomundo.revues.org/5973 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.5973

Haut de page

Auteur

Sueli Siqueira

Doutora em Sociologia pela UFMG e professora da Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE). Coordena o Núcleo de Estudo Sobre desenvolvimento Regional (NEDER).

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page