Navigation – Plan du site
Débats | 2014
Latinoamerica y los enfoques globales – Coord. Sergio Serulnikov et Andrea Lluch
Alexandre Fortes

Os impactos da Segunda Guerra Mundial e a regulação das relações de trabalho no Brasil

World War II impacts and the regulation of labor relations in Brazil
[27/01/2014]

Résumés

Esse artigo parte do princípio de que a Segunda Guerra Mundial foi um processo global com impactos profundamente transformadores nas relações econômicas, sociais e políticas mesmo de áreas distantes das principais frentes de combate. Integrando elementos da história do trabalho e da história das relações internacionais, buscamos demonstrar como o exame do impacto da Guerra sobre o Brasil leva a novas interpretações sobre a consolidação da engenharia institucional de regulação estatal das relações de trabalho caraterístico da chamada “Era Vargas”. Essa abordagem permite compreender a reinvenção do Estado brasileiro naquela conjuntura crítica, sob a pressão de profundas e aceleradas transformações “por cima” e “por baixo”, resultando em inovações políticos-institucionais cujos legados se revelaram persistentes. No primeiro plano, destaca-se a emergência de nova ordem internacional na qual a industrialização estabelecia-se como condição sine qua non de soberania nacional. No segundo, o projeto de incorporação “controlada” das maiorias subalternas à cidadania e à participação política, num contexto de popularidade inédita do comunismo e no qual a derrota ideológica do “racismo científico” abalava os alicerces das hierarquias sociais pós-abolição.

Haut de page

Texte intégral

1A Segunda Guerra Mundial é um marco inconteste na historiografia internacional sobre as relações entre Estado e classe trabalhadora; políticas sociais e cidadania. A “guerra total” e a luta antifascista criaram as condições políticas e culturais para a generalização de um novo padrão de regulação no capitalismo, vinculando “desenvolvimento nacional”, “democracia” e “bem-estar social”.

2No Brasil, é crescente o destaque dado na bibliografia especializada às transformações ocorridas no período de envolvimento direto com a conflagração global (1941-1945). Entretanto, fatores “domésticos” continuam a preponderar nas explicações sobre os processos inovadores ocorridos naquela primeira metade dos anos 1940. Isso se explica, em grande medida, pelo fato de que a análise dos efeitos da Guerra sobre as relações de trabalho no país tende a ficar diluída num debate mais geral sobre o legado de Getúlio Vargas, que permaneceu no poder de 1930 a 1945 a títulos vários (chefe do Governo Provisório, presidente eleito pelo Congresso Constituinte e Ditador), retornando como presidente eleito por via direta entre 1950 e 1954 (além de ter seu principal herdeiro político como presidente da República em 1961-1964).

3O sistema corporativista de relações de trabalho estabelecido no Brasil após 1930, um dos principais e mais persistentes legados da “Era Vargas”, foi e continua a ser objeto de acalorados debates acadêmicos e políticos. Desde a sua criação, os defensores do sistema se vangloriam do fato do Brasil possuir “a legislação trabalhista mais avançada do mundo”, enquanto seus críticos apontam para o fato de que isso não impediu o país de se tornar campeão mundial de desigualdade social.

4Durante as greves dos metalúrgicos do ABC paulista no final da década de 1970, o então líder metalúrgico Luís Inácio Lula da Silva declarou que a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), promulgada por Getúlio Vargas em 1943, era o “AI-5 dos trabalhadores”, numa comparação entre os mecanismos de controle sobre as organizações sindicais previstos na primeira e o decreto que, em 1968, fechou o Congresso Nacional e suspendeu diversas garantias constitucionais, inaugurando o período mais repressivo da Ditadura Militar. Porém, na década de 1990, enquanto o presidente Fernando Henrique Cardoso definia como missão do seu governo por fim à “Era Vargas”, os remanescentes do novo sindicalismo, organizados na Central Única dos Trabalhadores, viriam a se tornar ardorosos defensores da CLT, já que esta, ao prever uma minuciosa e ambiciosa regulamentação das condições de trabalho no país, tornou-se um poderoso escudo na luta de resistência contra a “flexibilização” promovida pelo neoliberalismo. No momento em que escrevemos estas linhas, a passagem dos setenta anos de proclamação da CLT reacende estes debates.

  • 1 Simão, Azis. Sindicato e Estado, Suas relações na formação do proletariado de São Paulo, São Paulo, (...)

5Desde os primórdios dos estudos acadêmicos sobre o tema, os críticos do sistema denunciavam que ele teria promovido a heteronomia do movimento operário, cerceando a livre negociação. O atrelamento ao Estado foi apontado também como responsável pela multiplicação de sindicatos “cartoriais” (organizações criadas para exercer a suposta representação de determinadas categorias de trabalhadores que, de fato, não possuem nenhum grau de organização) e sustentar “pelegos” (sindicalistas burocráticos sem compromisso efetivo com a defesa dos interesses dos trabalhadores)1.

  • 2 Munakata, Kazumi, "O lugar do movimento operário”, Anais do IV Encontro Regional de História de São (...)
  • 3 Moraes Filho, Evaristo de, O problema do sindicato único no Brasil. Seus fundamentos sociológicos, (...)

6Enquanto vários autores apontam para indícios de influência fascista já nos primeiros decretos emitidos após a Revolução de 19302, um estudo pioneiro levado a cabo por um dos seus principais formuladores considera que esta influência autoritária se estabeleceu apenas após o golpe do Estado Novo, em 1937, que teria deturpado uma legislação até então pautada pela experiência de advogados vinculados à defesa dos direitos dos trabalhadores desde a Primeira República.3

  • 4 Mendonça, Joseli Maria Nunes, Evaristo de Moraes. Tribuno da República, Campinas, Editora Unicamp (...)
  • 5 Silva, Fernando Teixeira da, "The Brazilian and Italian Labor Courts: Comparative Notes," Internati (...)
  • 6 Hall, Michael, "Corporativismo e Fascismo," in Ângela Araújo (org.), Do corporativismo ao neolibera (...)
  • 7 Fortes, Alexandre, "Revendo a Legalização Dos Sindicatos: Metalúrgicos De Porto Alegre (1931-1945), (...)

7A linha predominante dos estudos atuais sobre o tema tenda a reforçar o caráter autóctone das fontes intelectuais da legislação, apontando para conexões no campo da prática jurídica que remontam à defesa dos direitos dos escravos durante a luta abolicionista4 e destacando a profunda diferença entre o sistema institucional do Brasil varguista em relação ao da Itália fascista5. Alguns autores, entretanto, apontam que, embora a CLT e a Carta del Lavoro sejam documentos de teor e caráter bastante distintos, não se deve esquecer que traduções de trechos da segunda foram integralmente inseridos na constituição outorgada pelo regime estado-novista em 19376. Outros destacam a imensa distância entre o “paraíso operário” prometido pela CLT e a realidade do mundo do trabalho no Brasil, considerando que, ao invés de expressar a defesa ativa dos direitos dos trabalhadores pelo Estado, a legislação varguista de fato se constitui num novo terreno de luta, à medida que a efetivação dos direitos nela vislumbrados dependeu sempre da capacidade organizativa dos trabalhadores e das alianças políticas por eles estabelecidas7.

  • 8 Ianni, Octávio, O colapso do populismo no Brasil, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1968.
  • 9 Lopes, Juarez Rubens Brandão, "O ajustamento do trabalhador à indústria: Mobilidade social e motiva (...)
  • 10 Weffort, Francisco, O populismo na política brasileira, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1978.
  • 11 Weffort, Francisco, "Origens Do Sindicalismo Populista No Brasil (a Conjuntura Do Após-Guerra)," Es (...)

8Enquanto boa parte dos estudos sobre as origens do sistema varguista de regulação das relações de trabalho enfatiza, portanto, o debate sobre as opções políticas e afiliações ideológicas dos governantes e legisladores, questionamentos sobre o fato de ela ter sobrevivido ao regime levaram as ciências sociais brasileiras ao estudo de outros fatores. Apontada como expressão de um processo de modernização conservadora, similar ao verificado em outros populismos latino-americanos8, as raízes estruturais do fenômeno foram localizados pela Escola Sociológica de São Paulo na substituição gradual de um operariado estrangeiro, politizado e militante por migrantes rurais recentes, carentes de experiência política prévia. Os novos operários, portanto, estariam satisfeitos pela mobilidade social ascendente representada pelo seu ingresso no mundo urbano-industrial9, e por isso teriam se constituído em “massas disponíveis” para a manipulação populista10. Estudos no campo da ciência política nos anos 1970, por outro lado, enfatizaram a análise de conjunturas críticas e o papel das escolhas realizadas pelos atores políticos, especialmente o Partido Comunista, cuja aproximação ao varguismo no imediato pós-guerra passou a ser vista como determinante para a sobrevivência do sistema.11.

  • 12 Thompson, E. P., The making of the English working class, New York, Pantheon Books, 1964.
  • 13 Lopes, José Sérgio Leite, A tecelagem dos conflitos de classe na "cidade das chaminés", São Paulo/B (...)
  • 14 French John, O ABC dos operários. Conflitos e alianças de classe em São Paulo, 1900-1950, São Paulo (...)
  • 15 Sobre o conceito de patriotismo de fábrica, cf: Smith, Steve, "Craft Consciousness, Class Conscious (...)

9Em meados dos anos 1980, o tema começa a ser revisitado por autores que, influenciados pelo historiador britânico E.P. Thompson12, enfatizam a experiência dos trabalhadores como sujeitos históricos conscientes. Proliferaram estudos sobre categorias, empresas e comunidades específicas, buscando compreender processo de apropriação e ressignificação da legislação trabalhista como novo terreno de luta de classes no pós-193013. As relações entre estes grupos de trabalhadores e as empresas nas quais eram empregados passaram a ser vistas como microcosmos do “sistema político populista”, nas quais se verificavam lógicas próprias de concessão de benefícios paternalistas, combinados com graus variáveis de respeito aos direitos legais dos trabalhadores14. Em muitos desses casos, verificava-se um forte “patriotismo de fábrica”: o orgulho e a segurança gerados pelo pertencimento a uma empresa poderosa, que entretanto não impedia a ocorrência de uma luta velada ou aberta por condições de vida e de trabalho, dignidade humana e profissional.15

  • 16 Gomes, Angela Maria de Castro, A invenção do trabalhismo, Rio de Janeiro/São Paulo, Instituto Unive (...)
  • 17 French, O ABC dos operários.
  • 18 Paoli, Maria Célia, "O trabalhador urbano na fala dos outros," in José Sérgio Leite Lopes (org.), C (...)
  • 19 Santos, Wanderley Guilherme dos, Cidadania e Justiça: A política social na ordem brasileira, Rio de (...)

10A relevância do período no qual a guerra ocorreu (particularmente dos anos 1941 a 1945) no que diz respeito à reconfiguração das relações de trabalho no Brasil está bem estabelecida na literatura. Aquele foi o momento da “invenção do trabalhismo”16, da “aposta populista” de Vargas17, e da emergência de uma “crença simbólica nos direitos” entre os trabalhadores urbanos brasileiros18. A ditadura do Estado Novo passou por uma inflexão rumo a uma “cidadania regulada”19, expressa na titularidade dos trabalhadores incluídos no mercado formal de trabalho a direitos definidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

11Diversos dos trabalhos citados acima mencionam aspectos da Guerra e suas consequências no país como parte do contexto de consolidação do projeto varguista de incorporação dos trabalhadores a uma nova forma de cidadania. Nenhum deles, entretanto, atribui ao envolvimento do Brasil na confrontação global um papel decisivo nas mudanças ocorridas tanto na configuração da classe trabalhadora quanto na política trabalhista do regime justamente naquele momento. É essa hipótese que exploramos aqui, tomando como ponto de partida o próprio impacto da Guerra sobre a economia brasileira.

Economia e defesa: A aliança Brasil-EUA na Segunda Guerra Mundial

  • 20 Cerca de doze mil sofreram ferimentos de Guerra, acidentes ou enfermidades que viriam a causar post (...)

12A importância da Segunda Guerra Mundial para o Brasil não pode ser medida pelos cerca de 25.000 soldados da Força Expedicionária Brasileira enviados para combater na Itália, dos quais 471 tombaram em combate.20 Nem mesmo pelos 1.074 mortos resultantes do torpedeamento de navios por submarinos alemães na costa brasileira. São números pálidos no contexto de um conflito que causou a morte de algo entre 30 e 50 milhões de pessoas.

13O longo e complexo processo de envolvimento do país na conflagração global, entretanto, produziu transformações econômicas, sociais e políticas (tanto na esfera doméstica quanto no âmbito das relações internacionais) que moldariam de forma decisiva o curso da história brasileira na segunda metade do século XX.

  • 21 McCann, Frank, "Brazil and World War Ii: The Forgotten Ally. What Did You Do in the War, ‘Zé Carioc (...)

14Conforme aponta Frank McCann, a análise da situação internacional preparada pelo ministro de Relações Exteriores Oswaldo Aranha para subsidiar Getúlio Vargas em seu encontro secreto com o presidente norte-americano Franklin Roosevelt em Natal, em 28 de janeiro de 1943, pode ser considerada “um resumo das políticas externas e domésticas do Brasil nas décadas seguintes”. Elas situavam o estabelecimento de uma “cooperação segura e íntima com os Estados Unidos” como condição para o desenvolvimento de poder marítimo e aéreo visando assegurar a “consolidação da superioridade” brasileira na América do Sul e uma “melhor posição na política mundial”, destacando-se uma maior influência sobre Portugal e suas possessões. As condições econômicas para tanto passavam pelo desenvolvimento da indústria pesada e pela criação da indústria de guerra, assim como pelo fomento a outras indústrias complementares às dos EUA e essenciais para a reconstrução mundial, pela expansão do sistema de ferrovias e rodovias e pela exploração de combustíveis essenciais.21

15Nas décadas anteriores, diversos gestores da política econômica brasileira cumpriram a rotina de peregrinar em vão a Washington imediatamente após assumirem seus cargos, solicitando acordos comerciais visando ampliar as exportações para os EUA e assegurar o ingresso de dólares necessários às importações do país e à realização de investimentos capazes de alavancar o seu desenvolvimento industrial. A súbita disposição dos Estados Unidos, verificada entre 1940 e 1942, em finalmente conceder ao Brasil o status de aliado estratégico, realizando as concessões e investimentos daí decorrentes, produziu-se em um contexto histórico muito específico, no qual a costa nordeste do Brasil foi identificada como área chave para a “defesa do hemisfério ocidental”. Das cerca de cem reuniões realizadas pelo comitê de planejamento conjunto do Exército, Marinha e Departamento de Estado dos EUA entre 1939 e 1940, apenas 6 não tinham a América Latina no topo de agenda.

  • 22 Ibid.

16Em 1940, a inteligência britânica convenceu as autoridades norte-americanas de que os alemães, que consolidavam se controle sobre o norte da África, estavam a um passo de cruzar a linha Dacar-Natal, estabelecendo bases no nordeste brasileiros enquanto fomentariam uma onda de golpes pró-Eixo na América do Sul, região na qual já possuíam forte influência sobre setores das forças armadas e controle sobre as principais empresas de aviação comercial. A resposta norte-americana seguiu ao longo de dois eixos: a intensificação da política de Boa Vizinhança (em todas as suas frentes: cooperação interestatal, cultural, econômica, etc.) de um lado e preparação para necessidade de uma “invasão preventiva”, com um efetivo estimado de cerca de 100.000 soldados, batizada “Operation Pot of Gold” [Operação Pote de Ouro]22.

17A disposição norte-americana para investir no Brasil precisa também ser entendida num contexto de enfrentamento à influência econômica alemã, já tradicional nas áreas de densa colonização germânica do sul do país, mas que tinha se ampliado significativamente também no país como um todo (e no Nordeste em particular), em função dos acordos comerciais estabelecidos a partir de 1934 entre Brasil e Alemanha. O engenhoso sistema dos chamados “marcos de compensação”, asseguravam cotas do mercado alemão às commodities brasileiras, sendo o pagamento depositado em marcos numa conta da agência de Berlim do Banco do Brasil e utilizado para a compra de bens manufaturados (incluindo-se aí armamentos para a modernização das obsoletas Forças Armadas brasileiras que os norte-americanos relutavam em disponibilizar). Os efeitos políticos dessa política ainda se faziam sentir mesmo quando a Guerra a interrompeu, como destacava o cônsul norte-americano em Recife em 1941:

  • 23 Walter J. Linthicum (American Consul) to Jefferson Caffery (American Ambassador). 11 de fevereiro d (...)

“Se fosse possível registrar os sentimentos interiores da população do Nordeste, não seria surpreendente encontrar um número considerável inclinado para o lado nazista, não como resultado de doutrinas políticas, mas antes como o resultado de uma economia ‘pão com manteiga’. Essa crença, gerada em grande medida por anos de observação, é substanciada pelo fato inquestionável de que essa seção do Brasil depende desesperadoramente dos mercados abertos europeus para o grosso das suas exportações, e particularmente para as suas necessárias importações. É de conhecimento geral que a ‘prosperidade’ e os ‘bons tempos’ nessa seção estão indissoluvelmente ligados a um mercado de importação-exportação alemã, anteriormente tornado possível pelo Aüslander Sonderkonten Für Inlandbezahlungen (Marco Aski)”23

  • 24 Abreu, Marcelo de Paiva, "The Brazilian Economy, 1930-1980," in Leslie Bethell (org.) Cambridge His (...)

18Para entender o significado das negociações do Brasil com os Estados Unidos e a Alemanha nesse período, é necessário fazer um breve retrospecto sobre a evolução da política econômica brasileira nos anos 1930. Como destaca Marcelo de Paiva Abreu24, a despeito do discurso oficial industrializante, o contexto de dependência da economia cafeeira nos primeiros anos de governo ainda levava Vargas a adotar medidas claramente anti-industrialistas, tais como a desvalorização de 110% da moeda nacional em relação ao dólar ocorrida em 1932. Esse tipo de política minava as perspectivas do crescimento industrial impulsionado pelo uso da capacidade industrial doméstica decorrente do relativo isolamento produzido pela crise internacional no início dos anos 1930. Entre 1933 e 1936, sob a gestão de Osvaldo Aranha, o governo adotou uma política mais heterodoxa de déficits planejados e controlados, possibilitando que o PIB retornasse rapidamente ao patamar anterior a 1929. Porém, como destaca novamente Abreu, esse intervencionismo se devia menos a opções político-ideológicas do que a circunstâncias conjunturais, já que o controle centralizado do câmbio, por exemplo, se espalhava rapidamente por todo o mundo inteiro. Os resultados dessa fase, entretanto, eram apreciáveis, com um crescimento médio de 8% ao ano no conjunto da economia, taxa que se ampliava para 13,4% no setor industrial (chegando a 16,8% na indústria têxtil e 23,8% na química).

19A falta de dólares para cobrir as necessidades de importação e de remessa de lucros, entretanto, mantinha o país dependente de empréstimos norte-americanos e britânicos, e, portanto, suscetível a pressões que resultavam oscilações na condução da sua política econômica. A política baseada no uso de três taxas de câmbio pelo Banco do Brasil (duas delas determinadas pelo governo, sendo 70% para importações e 20% para remessa de lucros, enquanto 10% flutuava no livre mercado) foi condenada pelos norte-americanos. A substituição de Aranha pelo embaixador Souza Costa no comando da economia brasileira foi marcada pela concessão de empréstimos anglo-americanos em troca da “liberalização” da economia brasileira. Um acordo comercial foi estabelecido com os EUA em 1936, mas novamente beneficiava os cafeicultores brasileiros enquanto favorecia a importação de bens manufaturados norte-americanos.

  • 25 Ibid., p. 302.

20Já a política dos “marcos de compensação” proposta pelo ministro da economia alemão Hjalmar Schacht e adotada nas relações comerciais entre os dois países a partir de 1934, permitia ao Brasil atender de forma mais equilibrada tanto aos interesses dos setores agroexportadores quanto à indústria brasileira, já que os marcos depositados na conta do Banco do Brasil no Reichsbank retinham maior poder de compra do que divisas convertidas em dólar, e eram utilizados preferencialmente para a aquisição de maquinário e insumos à produção industrial. Entre 1934 e 1939, a participação alemã como destino das exportações brasileiras cresceu de 12 a 20%, enquanto a norte-americana verificava um crescimento menos expressivo (21,2 para 25,5%) e a britânica caía aceleradamente (de 19,4 para 10,9%). O início da guerra, em 1939, trazia, entretanto, limitações graves para a continuidade dessa política, a começar pelo fato de que os marcos obtidos ficariam bloqueados na Alemanha até o final do conflito.25

  • 26 Hilton, Stanley, Suástica sobre o Brasil : a história da espionagem alemã no Brasil, 1939-1944, Rio (...)
  • 27 “Deustcher Klub, Pernambuco”, Brochura n. 72, 1976. National Archives and Records Administration (N (...)

21Essa expansão das relações econômicas entre os dois países teve também importantes consequências político-sociais, cujos desdobramentos se estenderam ao período da guerra. As filiais de empresas alemãs e/ou teuto-brasileiras tiveram papel de destaque na constituição de redes “germanófilas”, no fomento ao movimento nazista e na construção da infraestrutura utilizada pela inteligência alemã para espionagem comercial, política e militar no Brasil.26 Clubes alemães em muitas das principais cidades brasileiras rivalizavam com os britânicos como espaços de sociabilidade da elite local. Em 1936, por exemplo, o Deutscher Klub de Pernambuco publicava uma brochura em cuja capa tremulavam as bandeiras do Brasil e do Terceiro Reich, repleta de anúncios de empresas tais como a Companhia de Tecidos Paulista, as Cervejarias Brahma e Antarctica, Pneus Continental, Condor Linhas Aéreas, Herman Stoltz e Companhia, Companhia Hamburguesa Sul-Americana, Siemens, Casa Slopper, Charutos Dannemann, Móveis Gerdau, Companhia Internacional de Seguros, Agfa, etc. A publicação abria com um artigo de Walter Gross, “líder de política racial” do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães sobre Politische und geistige Revolution (“Revolução política e intelectual”).27

  • 28 Abreu, "The Brazilian Economy, 1930-1980", p. 306.

22A partir de 1937, porém, a situação econômica geral voltou a se deteriorar no Brasil, inclusive em função da nova onda recessiva que atingiu os EUA no período. A perda nos termos de troca no comércio externo de 1928 a 1940 tinha sido de 48%, e apenas o aumento no volume das exportações tinha impedido que a situação fosse mais catastrófica. A resposta do governo Vargas diante da crise na balança de pagamentos foi o retorno a uma política de câmbio centralizado a taxas sobrevalorizadas e a suspensão do pagamento da dívida externa. Londres reagiu fortemente, mas o mesmo não ocorreu com Washington, onde ganhava influência a visão de Henry Morgenthau de que a sustentação da crescente hegemonia norte-americana passaria pelo impulso ao desenvolvimento de economias regionais como o Brasil e a China.28

23A posse de Oswaldo Aranha no Ministério das Relações Exteriores em 1939, após um período como embaixador brasileiro em Washington, marcou o início de um novo momento nas relações Brasil-EUA. O governo retornou à política de três taxas de câmbio adotada em 1935-7, sem sofrer pressões em função disso. Ao contrário, um novo acordo foi fechado para o pagamento da dívida externa, e, em 1940, estabeleceu-se o “Inter-American Coffee Agreement”. Em 1942, os Acordos de Washington estenderam as políticas de cotas fixas de aquisição de produtos brasileiros pelos EUA a borracha, cacau, algodão, castanha-do-Pará, minério de ferro, diamantes industriais, mica, quartzo, juta e mamona, dentre outros produtos, muitos dos quais jamais haviam sido exportados anteriormente. Os norte-americanos também disponibilizavam navios para assegurar o transporte dos produtos, num contexto em que esses se encontravam escassos diante das demandas e perdas geradas pelos conflitos navais. Ao mesmo tempo, a dependência da importação de bens manufaturados norte-americanos, aumentava. Mas a retração das importações de países europeus, afetados por bloqueios comerciais ou adotavam restrições às exportações, abria uma janela explorada pelas indústrias brasileiras.

  • 29 Ibid. p. 313

24Entretanto, a grande iniciativa estratégica do governo Vargas no contexto da Segunda Guerra Mundial, como é sabido, foi o início da construção da Usina Siderúrgica de Volta Redonda. Embora durante o período de neutralidade o Brasil tenha discutido o projeto com os alemães, as dificuldades para a efetivação dessa parceria eram desde o início esmagadoras, a começar pelo bloqueio britânico do Atlântico, que impediria o transporte de máquinas e equipamentos. Explorando a competição entre alemães e norte-americanos, Vargas esperava inicialmente que os últimos de dispusessem a investir diretamente no empreendimento e assumir a sua gestão. Somente após a frustração dessa perspectiva foi que o governo brasileiro decidiu criar uma empresa estatal para essa finalidade, contando com apoio financeiro e técnico norte-americano. O Brasil obteve ainda empréstimos “Lend-lease” de 332 milhões de dólares para equipar as tropas que viriam a lutar na Itália.29

25Esse conjunto de acordos com os EUA contribuiu decisivamente para a superação do impacto inicialmente desorganizador da guerra sobre a economia brasileira, que se refletia na combinação entre inflação, recessão e escassez de divisas que perdurou até 1942. A partir daí, o ajuste gerado pelo suprimento às demandas de guerra contribuiu para o crescimento e para a retomada das exportações. O país contava agora com reservas, mas enfrentava uma escassez no mercado mundial de importações, invertendo a situação tradicional da economia brasileira. Entre 1942 e 1945, o crescimento médio da economia ficou em 6,4% e o da indústria em 9,9%, tendo a proporção entre gasto público e PIB se reduzido em 8%. A arrecadação com impostos domésticos sobre consumo e renda aumentou de forma expressiva, e o poder de captação do Estado foi fortalecido também com a emissão de Bônus de Guerra. O racionamento possibilitou lidar com o excesso de demanda e a inflação diminui a margem de lucro dos exportadores, diminuído seu poder frente aos setores vinculados ao mercado doméstico.

  • 30 Ramalho, Estado-patrão e luta operária.

26A acumulação de reservas estrangeiras possibilitou uma negociação definitiva da dívida externa em 1943, acarretando uma redução em 50% do seu valor nominal e detendo uma bola de neve gerada desde a Primeira República (entre 1889 e 1930 apenas em oito anos o serviço da dívida tinha sido pago integralmente). O governo adotou legislação estabelecendo o controle estatal sobre águas, minérios, indústrias estratégicas, bancos e setor de seguros. Empresas e propriedades pertencentes aos governos do Eixo foram encampadas pelo estado, incluindo poderosos bancos alemães e italianos. A Companhia Vale do Rio Doce foi estabelecida como uma grande ora estatal, pondo fim a décadas de conflito do governo do estado de Minas Gerais com os investidores norte-americanos e britânicos liderados por Percival Farquhar que haviam criado a Itabira Iron Company. Como parte dos acordos, os EUA financiaram a construção da ferrovia ligando Itabira ao porto de Vitória, no Espírito Santo. Outras indústrias estatais consideradas estratégicas que foram criadas no período incluem a Companhia Nacional de Álcalis e a Fábrica Nacional de Motores.30 Ao mesmo tempo, o investimento norte-americano passou de 25% para 50% do total de investimento externo no país.

27A capacidade de gestão econômica do Estado brasileiro fortaleceu-se enormemente durante a guerra, com a criação do Departamento de Administração Pública, que dentre outras coisas modernizou o sistema orçamentário, do Conselho Técnico Econômico e Financeiro, da Coordenação de Mobilização Econômica. No plano da política social, esse foi também o período da criação dos Institutos de Previdência Social e da consolidação da Justiça do Trabalho.

  • 31 As implicações das relações culturais Brasil-Estados Unidos conduzidas pelo Office of Inter-america (...)

28Definido o cenário do conflito em favor dos aliados a partir de 1943, os norte-americanos passaram a se mostrar menos generosos e flexíveis. Os custos de produção no Brasil subiam, mas os EUA resistiam a reajustar os preços do café. O racionamento de importações pelo Brasil em 1944 gerou novos ruídos na Aliança. No cenário político, a relação de Vargas com os norte-americanos deteriorava-se aceleradamente, e o embaixador Adolf Berle viria a desempenhar papel relevante na queda do ditador. Encerrava-se assim uma experiência peculiar na qual, em circunstâncias absolutamente singulares, uma aliança estratégica com os EUA criara condições para o aprofundamento e a aceleração da implementação de um projeto político nacionalista em um país latino-americano.31

Esforço de guerra, nacionalismo e reconfiguração de classe

  • 32 Secreto, María Verónica, Soldados da borracha: Trabalhadores entre o Sertão e a Amazônia no governo (...)
  • 33 Paz, Adalberto Júnior Ferreira, "Os mineiros da floresta: Sociedade e trabalho em uma fronteira de (...)
  • 34 Dinius, Oliver, Brazil's steel city: Developmentalism, strategic power, and industrial relations in (...)
  • 35 Ramalho, Estado-Patrão e luta operária.
  • 36 Fontes, Trabalhadores e cidadãos.
  • 37 Ianni, Estado e planejamento econômico no Brasil.
  • 38 Cfe, por exemplo, a tese de doutorado em desenvolvimento por Rebecca Ann Herman (University of Cali (...)

29As transformações econômicas produzidas pela guerra se associaram a outras características do esforço de guerra para criar condições favoráveis à produção de importantes mudanças no que diz respeito ao lugar dos trabalhadores na sociedade brasileira. A combinação do deslocamento massivo para novas frentes de trabalho contribuía por si só para dar uma nova configuração à classe trabalhadora. Milhares de trabalhadores foram deslocados para, em um curto espaço de tempo, incorporar novas e vastas áreas do território nacional à estrutura produtiva, seja no ramo extrativo (como a retomada da produção de borracha na Amazônia32 ou o início da mineração de manganês na Serra do Navio do Amapá33), no desenvolvimento de indústrias de base (tais como a construção da usina siderúrgica de Volta Redonda34, da Fábrica Nacional de Motores, na Baixada Fluminense35, da Nitro Química36, em São Miguel Paulista, ou da Companhia Nacional de Álcalis, em Cabo Frio37) ou ainda em empreendimentos de infraestrutura, tais como os campos de aviação construídos no bojo do Airport Development Program, sob a coordenação da Pan American Airways38.

  • 39 Falcão, João, O Brasil e a Segunda Guerra Mundial. Testemunho e depoimento de um soldado convocado, (...)
  • 40 French, O ABC dos operários.

30O intenso processo de ampliação da participação política sob o manto do nacionalismo, iniciado nos motins antigermânicos e na mobilização pela entrada do Brasil na guerra39, desembocando posteriormente na campanha “queremista” (de “Queremos Constituinte com Getúlio!”), consolidou a presença coletiva dos trabalhadores como um sujeito coletivo com um peso inédito no jogo político nacional.40

  • 41 Gomes, A invenção do trabalhismo.

31Consideramos, portanto, que ao invés de se tratar de um mero coroamento de um projeto político estabelecido desde 1930, o que Angela de Castro Gomes denominou “a invenção do trabalhismo”41, ou seja, a elaboração de um novo projeto político a partir do próprio seio do estado varguista com vistas a uma incorporação muito mais ativa dos trabalhadores à cidadania, foi, em grande medida, uma consequência inevitável do envolvimento do Brasil na Segunda Guerra Mundial.

32O projeto visando impulsionar a industrialização e fortalecer o papel do governo central na regulação das relações de trabalho no Brasil, que constituía um aspecto central da identidade dos “revolucionários de 1930”, avançou de forma lenta, fragmentada, tortuosa, e com resultados pálidos durante os dez primeiros anos de permanência de Getúlio Vargas no poder.

33Os motivos para isso são muitos. No plano econômico, como vimos acima, a dependência do setor agroexportador, especialmente do café, até mesmo para a obtenção das divisas necessárias à importação de maquinário e insumos, somada à instabilidade do cenário mundial, levou a oscilações nas políticas adotadas. No âmbito político, a visão profundamente elitista e conservadora predominante no establishment varguista resultou na inexistência de qualquer empenho na criação de organizações de massas visando dar sustentação ao regime e efetividade às medidas de proteção aos direitos dos trabalhadores. O modus operandi do Estado varguista, ao contrário, baseava-se fundamentalmente, até cerca de 1940, na capacidade do presidente da República em explorar os conflitos existentes entre diferentes segmentos das elites civis e militares, reservando-se o papel de árbitro.

34Essa falta de um movimento de massas organizado em apoio ao regime derivava, em grande medida, da visão profundamente negativa disseminada no seio dessas elites em relação ao povo brasileiro. Imperavam, entre os poderosos da primeira Era Vargas, concepções vinculadas ao eugenismo e à ideologia do racismo científico, que redundavam da crença de que o branqueamento da população era condição necessária ao progresso do país. Dessa visão, comungavam tanto as elites tradicionais, em alguma medida deslocadas do centro do poder político após 1930, mas ainda detendo grande influência, quanto as novas elites forjadas especialmente a partir da ascensão dos ex-tenentes em suas carreiras políticas e/ou militares.

35Desde a Primeira República o discurso nacionalista de valorização do “trabalhador nacional” ressurgia periodicamente, seja em reação à militância radical de estrangeiros, em função da própria redução da disponibilidade de novo contingentes de imigrantes ou mesmo da Primeira Guerra Mundial. Entretanto, em 1940 a maior parte da classe trabalhadora nacional realmente existente, portadora das marcas biológicas indicadoras de ancestralidade africana ou nativa permanecia sendo sistematicamente preterida por mecanismos de reprodução de desigualdades culturalmente naturalizados.

36Essa atitude ambivalente em relação ao “trabalhador nacional”, somada à ausência de centrais sindicais ou partidos de base popular, deixava pouco espaço para a emergência de um nacionalismo de massas no país. Ao longo dos anos 1930, as iniciativas nesse sentido ficaram muito mais nas mãos de forças oposicionistas representando os dois extremos do espectro ideológico (comunistas e integralistas), e em ambos os casos as ameaças foram enfrentados de forma repressiva (não por meio da organização de uma base popular rival) pelo regime. Na ausência de uma articulação mais ampla entre a cúpula varguista e qualquer forma mais dinâmica de mobilização popular, tornava-se difícil quebrar a resistência patronal à generalização da aplicação efetiva da legislação trabalhista. Vale lembrar que o empresariado nacional, com raras e honrosas exceções, sempre se opôs ferozmente à extensão do domínio da lei ao espaço da produção. Os líderes industriais brasileiros, expressando uma mentalidade forjada pelo legado escravista e realimentada por concepções de naturalização das desigualdades sociais, sempre foram taxativos em manifestar que viam a imposição de qualquer limite ao exercício de um poder arbitrário no processo produtivo como uma ameaça à sua própria condição de proprietários.

37Foi o envolvimento do Brasil na Segunda Guerra Mundial que possibilitou a ruptura com as forças inerciais que, até então, tinham restringido severamente a efetivação das transformações no sistema de regulação das relações de trabalho anunciadas, por exemplo, na criação do Ministério do Trabalho Indústria e Comércio (“Ministério da Revolução”) em 1931. Ao mesmo tempo, o Estado apelava para a mobilização nacionalista numa escala sem precedentes e, pela primeira vez, implementava estratégias culturais voltadas à atribuição de valores positivos ao “trabalhador nacional”.

  • 42 Weinstein, Barbara, (Re)Formação Da Classe Trabalhadora No Brasil (1920 - 1964), São Paulo, Cortez, (...)

38Argumentamos, entretanto, que essa transformação não se dá apenas numa operação discursiva do Estado, do empresariado42 ou de correntes políticas, mas também na experiência das mudanças produzidas no tecido social e na estrutura de status sociocultural em decorrência da evolução da guerra e do envolvimento do Brasil no conflito. Um dos aspectos para os quais gostaríamos de chamar a atenção é que, quando analisamos a valorização do “trabalhador nacional”, precisamos levar em conta que a combinação de fatores que definia o contexto doméstico e internacional do período transformava não apenas o significado de ser “trabalhador”, mas também o significado de ser “nacional”.

  • 43 Fazemos aqui uma aplicação, em um contexto muito distinto, das hipóteses de Arno Mayer sobre a dist (...)

39Não é que a Guerra tenha trazido novidades absolutas, já que as ideias que fundamentavam todas essas transformações, no plano econômico, político e social, já se encontravam em circulação no país muito antes. Mas foram as circunstâncias excepcionais geradas pelo conflito global que estabeleceram as condições para a ruptura parcial das “forças da tradição”43 que tornavam até então pouco efetivos os projetos de mudança já pautados ao menos desde o início dos anos 1930. Essas mudanças incluíam o estabelecimento de limites ao arbítrio absoluto dos empresários nos locais de trabalho via legislação trabalhista e a incorporação do operariado nacional à “cidadania regulada”. Mas passavam simultaneamente pela substituição do “branqueamento” pela “democracia racial” como referência ideológica hegemônica para as diversas formas de ação estatal que visavam constituir, física e simbolicamente, um “povo brasileiro” que valorizasse a nação no cenário internacional, justificando assim sua soberania.

  • 44 Arrighi, Giovanni, The long Twentieth Century. Money, power, and the origins of our times, London, (...)

40A redefinição do caráter do Estado brasileiro e de sua relação com o “trabalhador nacional” é vista aqui, portanto, como parte do processo de emergência de projetos de desenvolvimento nacional de base industrializante na periferia do sistema capitalista impulsionado pelo fato que a Guerra desembocou na consolidação de uma nova potência hegemônica no capitalismo mundial e na emergência de um novo sistema internacional44. Ou seja, trata-se de um contexto em que o Estado transforma-se “por cima” (na sua inserção num sistema interestatal em transformação) e “por baixo” (com a incorporação de vastos segmentos a novas formas de cidadania).

41A produção da história social do trabalho brasileira nas últimas décadas tem demonstrado o imbricamento entre a construção dos sistemas de dominação fabril e a engenharia institucional de regulação estatal dos conflitos de classe. Demonstra também o processo de reapropriação de ambas por coletivos de trabalhadores dotados de histórias e identidades particulares em diferentes contextos locais e setoriais. O que buscamos esboçar aqui é um adensamento adicional desta narrativa com elementos marcantes da conjuntura da Guerra, capazes de integrar novas dimensões ao contexto de emergência do nacionalismo de massas.

  • 45 Gomes, A invenção do trabalhismo, p. 24, 30, 325.

42Em síntese, buscamos explorar a hipótese de que os trabalhadores convocados ao exercício da “cidadania regulada”, o público que o trabalhismo visava “produzir”, e que seria identificado a partir daí como “a classe trabalhadora brasileira”45, vinha na verdade se forjando num processo de transformações socioculturais de múltiplas dimensões, catalisadas e aceleradas pela Guerra. Os conflitos vividos e os valores forjados nesse processo, muitas vezes inicialmente sob a ótica do particularismo étnico ou da perspectiva da comunidade local, seriam a partir daí ressignificados em associação com a emergente “crença simbólica nos direitos”. Nesse sentido, a guerra, mais do que um pano de fundo inerte, foi um contexto vivo e dinâmico em que se operaram profundas transformações nas condições de articulação da consciência de classe dos trabalhadores, por mais distante que os campos de batalha estivessem da realidade brasileira.

43Acreditamos que os argumentos e exemplos reunidos aqui demonstram, ainda que de forma preliminar, o quanto o aprofundamento da análise das singularidades da conjuntura da Segunda Guerra Mundial tem a contribuir para os debates sobre o caráter do “trabalhismo” brasileiro e sobre as razões da persistência do legado institucional da Era Vargas no campo da regulação das relações de trabalho no Brasil.

Haut de page

Notes

1 Simão, Azis. Sindicato e Estado, Suas relações na formação do proletariado de São Paulo, São Paulo, Dominus, 1966; Rodrigues, José Albertino, Sindicato e desenvolvimento no Brasil, São Paulo, Difusão Européia do Livro, 1968.

2 Munakata, Kazumi, "O lugar do movimento operário”, Anais do IV Encontro Regional de História de São Paulo, Araraquara, Anpuh/Unesp, 1980.

3 Moraes Filho, Evaristo de, O problema do sindicato único no Brasil. Seus fundamentos sociológicos, 2ª ed., São Paulo, Alfa-Ômega, 1978).

4 Mendonça, Joseli Maria Nunes, Evaristo de Moraes. Tribuno da República, Campinas, Editora Unicamp, 2007.

5 Silva, Fernando Teixeira da, "The Brazilian and Italian Labor Courts: Comparative Notes," International Review of Social History, 55, 2010, p. 381-412.

6 Hall, Michael, "Corporativismo e Fascismo," in Ângela Araújo (org.), Do corporativismo ao neoliberalismo. Estado e trabalhadores no Brasil e na Inglaterra, São Paulo, Boitempo, 2002, p. 13-28.

7 Fortes, Alexandre, "Revendo a Legalização Dos Sindicatos: Metalúrgicos De Porto Alegre (1931-1945)," in Alexandre Fortes (org.), Na luta por direitos.Estudos recentes em história social do trabalho, Campinas, Editora da Unicamp, 1999, p. 19-49; French, John D., Drowning in laws. Labor law and Brazilian political culture, Chapel Hill, University of North Carolina Press, 2004.

8 Ianni, Octávio, O colapso do populismo no Brasil, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1968.

9 Lopes, Juarez Rubens Brandão, "O ajustamento do trabalhador à indústria: Mobilidade social e motivação," in Juarez Rubens Brandão Lopes, Sociedade Industrial No Brasil, São Paulo, Difusão Européia do Livro, 1964; Rodrigues, Leôncio Martins, Industrialização e atitudes operárias (estudo de um grupo de trabalhadores), São Paulo, Brasiliense, 1970.

10 Weffort, Francisco, O populismo na política brasileira, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1978.

11 Weffort, Francisco, "Origens Do Sindicalismo Populista No Brasil (a Conjuntura Do Após-Guerra)," Estudos Cebrap 04, 1973; Spindel, Arnaldo, O Partido Comunista na gênese do populismo. Análise da conjuntura da redemocratização no após guerra, São Paulo, Símbolo, 1980; Vianna, Luiz Werneck, Liberalismo e sindicato no Brasil, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1976.

12 Thompson, E. P., The making of the English working class, New York, Pantheon Books, 1964.

13 Lopes, José Sérgio Leite, A tecelagem dos conflitos de classe na "cidade das chaminés", São Paulo/Brasília, Marco Zero/Editora Universidade de Brasília/MCT-CNPq, 1988; Ramalho, José Ricardo Garcia Pereira, Estado-patrão e luta operária: O caso FNM, São Paulo, Paz e Terra, 1989; Costa, Hélio da, Em busca da memória, São Paulo, Scritta, 1995; Silva, Fernando Teixeira da, A carga e a culpa: Os operários das docas de santos. Direitos e cultura de solidariedade, 1937-1968, São Paulo/Santos, HUCITEC/Prefeitura Municipal de Santos, 1995); Fontes, Paulo Roberto Ribeiro, Trabalhadores e cidadãos. Nitro Química: A fábrica e as lutas operárias nos anos 50, São Paulo, Annablume/Sindicato Químicos e Plásticos-SP, 1997; Silva, Fernando Teixeira da, Operários sem patrões. Os trabalhadores da cidade de Santos no entreguerras, Campinas, Editora Unicamp, 2003; Negro, Antonio Luigi, Linhas de montagem: O industrialismo nacional-desenvolvimentista e a sindicalização dos trabalhadores, 1945-1978, São Paulo, FAPESP/Boitempo, 2004; Fontes, Paulo Roberto Ribeiro, Um Nordeste em São Paulo. Trabalhadores migrantes em São Miguel Paulista (1945-66), Rio de Janeiro, FGV Editora, 2008.

14 French John, O ABC dos operários. Conflitos e alianças de classe em São Paulo, 1900-1950, São Paulo/São Caetano do Sul, Hucitec/Prefeitura de São Caetano do Sul, 1995.

15 Sobre o conceito de patriotismo de fábrica, cf: Smith, Steve, "Craft Consciousness, Class Consciousness: Petrograd 1917," History Workshop Journal 11, 1981, p. 33-58.

16 Gomes, Angela Maria de Castro, A invenção do trabalhismo, Rio de Janeiro/São Paulo, Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro/Vértice, 1988.

17 French, O ABC dos operários.

18 Paoli, Maria Célia, "O trabalhador urbano na fala dos outros," in José Sérgio Leite Lopes (org.), Cultura e identidade operária, Rio de Janeiro, UFRJ-Museu Nacional/Marco Zero, 1987, p. 53-101.

19 Santos, Wanderley Guilherme dos, Cidadania e Justiça: A política social na ordem brasileira, Rio de Janeiro, Campus, 1979.

20 Cerca de doze mil sofreram ferimentos de Guerra, acidentes ou enfermidades que viriam a causar posteriormente a morte de outros dois mil.

21 McCann, Frank, "Brazil and World War Ii: The Forgotten Ally. What Did You Do in the War, ‘Zé Carioca?’," Estudios interdisciplinarios de America Latina y el Caribe, vol. 6, n. 2, disponível em: http://www.tau.ac.il/eial/VI_2/mccann.htm, consultado em 25 de novembro de 2013.

22 Ibid.

23 Walter J. Linthicum (American Consul) to Jefferson Caffery (American Ambassador). 11 de fevereiro de 1941. National Archives and Records Administration (NARA), Record Group 84 – Post Files. Entry 2154, Political Reports, compiled 1938 - 1949 (Recife), Box 1.

24 Abreu, Marcelo de Paiva, "The Brazilian Economy, 1930-1980," in Leslie Bethell (org.) Cambridge History of Latin America, Vol. 9, Brazil since 1930, Cambridge, Cambridge University Press, 2008, p. 283-393.

25 Ibid., p. 302.

26 Hilton, Stanley, Suástica sobre o Brasil : a história da espionagem alemã no Brasil, 1939-1944, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1977.

27 “Deustcher Klub, Pernambuco”, Brochura n. 72, 1976. National Archives and Records Administration (NARA), Record Group 226 - Office of Strategic Services [OSS], Entry UD153B, Box 4.

28 Abreu, "The Brazilian Economy, 1930-1980", p. 306.

29 Ibid. p. 313

30 Ramalho, Estado-patrão e luta operária.

31 As implicações das relações culturais Brasil-Estados Unidos conduzidas pelo Office of Inter-american Affairs de Nelson Rockefeller no período para as transformações relacionadas ao mundo do trabalho brasileiro no período são um tema fascinante que não teremos condições de explorar aqui. Apenas a título de exemplo, vale destacar a ênfase dada à importância do Brasil como aliado em função dos seus recursos naturais, da sua força de trabalho e mesmo de sua incipiente industrialização no filme de propaganda de guerra Brazil at war, encomendado pelo Office of Strategic Services a John Ford em 1943. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=wg7lohLxUqo, consultado em 25 de novembro de 2011. Ver também: Benamou, Catherine, It's all true. Orson Welles's Pan-american odyssey, Berkeley, University of California Press, 2007; Tota, Antonio Pedro, O imperialismo sedutor: A americanização do brasil na época da Segunda Guerra, São Paulo, Companhia das Letras, 2000.

32 Secreto, María Verónica, Soldados da borracha: Trabalhadores entre o Sertão e a Amazônia no governo Vargas, São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo, 2007.

33 Paz, Adalberto Júnior Ferreira, "Os mineiros da floresta: Sociedade e trabalho em uma fronteira de mineração industrial amazônica (1943-1964)", dissertação de mestrado em História, Universidade Estadual de Campinas, 2011.

34 Dinius, Oliver, Brazil's steel city: Developmentalism, strategic power, and industrial relations in Volta Redonda (1941-1964), Stanford, Stanford University Press, 2010.

35 Ramalho, Estado-Patrão e luta operária.

36 Fontes, Trabalhadores e cidadãos.

37 Ianni, Estado e planejamento econômico no Brasil.

38 Cfe, por exemplo, a tese de doutorado em desenvolvimento por Rebecca Ann Herman (University of California –Berkeley).

39 Falcão, João, O Brasil e a Segunda Guerra Mundial. Testemunho e depoimento de um soldado convocado, Brasília, Editora UnB, 1998.

40 French, O ABC dos operários.

41 Gomes, A invenção do trabalhismo.

42 Weinstein, Barbara, (Re)Formação Da Classe Trabalhadora No Brasil (1920 - 1964), São Paulo, Cortez, 2000.

43 Fazemos aqui uma aplicação, em um contexto muito distinto, das hipóteses de Arno Mayer sobre a distância existente entre a proclamação de novos princípios e projetos políticos e sua capacidade de superar o poder das classes e grupos vinculados à ordem anteriormente hegemônica. Cfe: Mayer, Arno, The persistence of the Old Regime: Europe to the Great War, New York, Pantheon Books, 1981.

44 Arrighi, Giovanni, The long Twentieth Century. Money, power, and the origins of our times, London, New York Verso, 1994; Wallerstein, Immanuel, World-Systems analysis: An introduction, Durham, Duke University Press, 2004.

45 Gomes, A invenção do trabalhismo, p. 24, 30, 325.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Alexandre Fortes, « Os impactos da Segunda Guerra Mundial e a regulação das relações de trabalho no Brasil », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Débats, mis en ligne le 27 janvier 2014, consulté le 20 novembre 2017. URL : http://nuevomundo.revues.org/66177 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.66177

Haut de page

Auteur

Alexandre Fortes

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiroalexfortes@globo.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page