Navigation – Plan du site
Colloques | 2017
Session 1 – Circulación, redes y relaciones internacionales de las derechas
João Fábio Bertonha

A Segretaria Nazionale dei fasci all´estero, a NSDAP-Auslandsorganisation, o servicio exterior de la falange e as políticas externas dos partidos fascistas no entre-guerras. O caso latino-americano

[06/06/2017]

Résumés

No período entre as duas guerras mundiais, os vários partidos e movimentos fascistas tiveram uma política externa própria, corporificada em instituições partidárias como os fasci all´estero, a NSDAP-AO, o Servicio Exterior falangista e outros.
Estes organismos tinham, como função central, agregar e reunir os oriundos da sua nacionalidade em terra estrangeira e garantir a difusão da sua ideologia entre eles. Também serviam como instrumentos para controle dos opositores refugiados além-fronteiras e para propaganda entre os conacionais e também entre os estrangeiros. Por fim, em muitos casos, exerciam funções de espionagem ou coleta de informações e, especialmente, como canais privilegiados para contatos com os simpatizantes e amigos da sua ideologia no exterior.
A proposta desse texto é apresentar as principais redes transnacionais fascistas atuantes no continente latino-americano - a italiana, a alemã e a espanhola - e discutir suas similaridades e diferenças. Além disso, se procurará abordar a sua influência e importância na gestação dos fascismos autóctones e no relacionamento entre eles.
Por fim, pretende-se, dentro do possível, apresentar as próprias redes de colaboração dos partidos e movimentos fascistas do continente, com destaque para a Secretaria Nacional de Relações com o exterior integralista.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

1Um dos temas de maior relevância quando pensamos no surgimento de partidos e movimentos fascistas ou próximos do fascismo na América Latina é o da sua origem local e/ou a importância do referencial externo, europeu, na sua constituição. Em alguns momentos, a historiografia ressalta as fontes nacionais de cada movimento e, em outros, é o exemplo, o referencial europeu que recebe maior enfoque. Parece evidente que os dois pontos estão, em linhas gerais, presentes, mas estabelecer, em cada contexto, o predominante é uma tarefa bastante complexa.

2O presente texto pretende colaborar nessa discussão apresentando, em linha resumida, as várias redes instaladas pelo fascismo europeu (especialmente o espanhol, o alemão e o italiano) no continente e a experiência de construção de uma rede integralista no mesmo período. O objetivo é demonstrar a importância dessas redes na construção de um fascismo regional e questionar as premissas da dicotomia fascismo autóctone vs mimético, indicando como a rede de interinfluências e diálogos interfascismos ia muito além de um simples movimento “centro-periferia”, ainda que essa relação existisse.

Os partidos fascistas e suas seções no exterior

3Uma característica peculiar dos Estados com pretensões totalitárias é que eles mantinham, dentro da sua estrutura de poder, partidos únicos que deviam controlar e gerir hierarquicamente suas sociedades. Em linhas gerais, esses partidos viviam uma relação simbiótica com o Estado, atuando dentro e em volta dele. Essa simbiose foi especialmente forte na União Soviética de Stálin e na Alemanha nazista, o que não impediu que houvesse fortes conflitos de competência entre o NSDAP e o PCUS frente aos Estados nazista e soviético.

4Tais conflitos de competências atingiram todas as áreas, da política agrária e de colonização à organização militar e ao sistema repressivo. Também nas relações internacionais, os conflitos e a superposição de competências e privilégios se sucederam, de tal forma que a diplomacia tradicional dos Estados alemão e russo acabou por ser permeada pelos ideais dos partidos dominantes. Ao mesmo tempo, os próprios partidos nazista e comunista, que mantinham estruturas próprias para o relacionamento com o mundo exterior, foram controlados e disciplinados pelo Estado, mas sem perder margem de manobra e capacidade de ação.

  • 1 Kershaw, Ian, O fim do Terceiro Reich. A destruição da Alemanha de Hitler, 1944-1945, São Paulo, Co (...)

5Essas disputas não terminaram com a vitória completa do Estado ou do partido, mas em contínuas oscilações de lado a lado, vitórias ou derrotas parciais. No caso soviético, a fusão entre Estado e partido, até pela maior durabilidade da experiência, parece ter sido maior. No caso da Alemanha nazista, recentes pesquisas indicam uma alteração do equilíbrio de forças na direção do partido, especialmente na fase final da Segunda Guerra Mundial.1

6No caso italiano, o controle fascista sobre o Estado foi menos abrangente e o regime jamais conseguiu eliminar certas fontes de poder paralelo, como a Monarquia e a Igreja. Do mesmo modo, o grau de fusão entre partido e Estado foi menor. Até por causa disso, os choques entre eles foram mais intensos do que na Alemanha e continuaram por todo o ventênio.

  • 2 Costa Pinto, António, “As elites políticas e a consolidação do salazarismo : o nacional sindicalism (...)

7Já no caso de países nos quais os fascistas se tornaram sócios menores no sistema de poder, como na Espanha e em Portugal, o Estado acabou por triunfar sobre o partido. Na Espanha, esse processo se completou depois da Segunda Guerra Mundial, mas, já em 1937, quando Franco forçou a unificação dos falangistas, carlistas e outras forças na Falange Española Tradicionalista y de las Juntas de Ofensiva Nacional Sindicalista, a vitória do Estado (mesmo que permeado por essas forças) foi evidente. Já em Portugal, a União Nacional de Salazar, refletindo o caráter conservador do seu regime, foi um instrumento do Estado desde o início.2

8Um dos exemplos mais reveladores das relações entre Estado e Partido nesses regimes foi a política externa partidária, ou seja, a conduzida de forma independente pelos próprios partidos. Seja no aspecto cultural, nas relações com outros grupos ou em outros tópicos, a formatação de uma política externa própria partidária foi uma constante, especialmente nos casos alemão e italiano.

9Com efeito, quase todos os regimes fascistas ou semifascistas criaram células dos seus partidos a serem instaladas no exterior. Em geral, estas células atuavam de forma paralela às representações diplomáticas no exterior, o que gerava conflitos de competência, muitas vezes com consequências sérias na formação da política exterior destes países.

10Estes organismos tinham, como função central, agregar e reunir os oriundos da sua nacionalidade em terra estrangeira e garantir a difusão da sua ideologia entre eles. Também serviam como instrumentos para controle dos opositores refugiados além-fronteiras e para propaganda entre os conacionais e também entre os estrangeiros. Por fim, em muitos casos, exerciam funções de espionagem ou coleta de informações e, especialmente, como canais privilegiados para contatos com os simpatizantes e amigos da sua ideologia no exterior.

11Evidentemente, as redes que mais se difundiram foram as de partidos que chegaram ao poder (o que significava dispor de recursos estatais para a consecução dos seus objetivos), que dispunham de um apelo internacional maior (caso da Itália fascista ou da Alemanha nazista) e de amplas comunidades emigradas ou de cultura próxima (como a Espanha e a América Latina) a quem dirigir seu apelo.

12Partidos e movimentos fascistas que não tinham estas características certamente não criaram redes semelhantes em escala e influência, mas praticamente todos tiveram esta preocupação. Assim, núcleos de simpatizantes da British Union of Fascists se instalaram pelo Império britânico e adeptos dos francistas franceses ou do rexismo belga procuraram, nem sempre com sucesso, se instalar entre os franceses ou belgas emigrados.

  • 3 Paulo, Heloísa, Estado Novo e Propaganda em Portugal e no Brasil. O SPN/SNI e o DIP, Coimbra, Miner (...)

13No caso de regimes conservadores com tons fascistas, no qual o partido único adquiriu uma conotação diferente – como a do salazarismo ou do segundo franquismo –, não houve a reprodução de estruturas mobilizadoras partidárias que não existiam nem mesmo na Pátria de origem. No caso de Portugal, a ação no exterior se concentrou, mesmo aquela direcionada às coletividades emigrantes, na propaganda e na cooptação geral, conduzida centralmente pelas Embaixadas e Consulados. Havia também o Secretariado da Propaganda Nacional, mas era esse um órgão do Estado, e não da União Nacional, o partido único salazarista.3

14Dessa forma, os órgãos fascistas mais representativos em ação fora de seus países foram a Segretaria Generale dei fasci all´estero italiana, a NDSAP-Auslandorganisation alemã e a Falange Exterior espanhola.

15A Segretaria Nazionale dei fasci all´estero foi fundada em 1923 para tentar disciplinar e controlar as seções do partido fascista que haviam surgido no exterior. Desde o início, surgiram sérias disputas entre os fasci all´estero e a diplomacia tradicional por espaço e prerrogativas, as quais se estenderam no mínimo até 1930. Naquele momento, foi adotada uma solução de compromisso, pela qual os fasci all’estero foram submetidos aos diplomatas, mas exigindo do Ministero degli Affari Esteri o apoio às medidas fascistizantes defendidas pelo partido.

16Até esse momento, os fasci all´estero seguiam diretrizes esquadristas, de conquista direta das coletividades italianas do exterior e ataque frontal aos antifascistas e resistentes. Depois de 1930, após a sua absorção pelo Estado, as suas diretrizes agressivas foram substituídas por uma tática mais suave, pela qual os fasci all’estero se tornaram mais abertos e menos intransigentes, ambicionando hegemonizar a vida coletiva dos italianos do exterior (sob a mediação dos Consulados) em defesa dos interesses italianos, mas não tomar de assalto as colônias. Para tanto, a propaganda, a cultura e a assistência social se tornaram armas essenciais.

17É curioso notar, contudo, que, à medida que a política externa italiana foi assumindo características mais ideológicas (fazendo a política externa do Estado italiano se confundir com a expansão da ideologia fascista pelo mundo) no decorrer dos anos 1930, a função “subversiva” dos fasci all’estero, que nunca havia sido abandonada totalmente, foi reorganizada, tendo eles papel importante – ao menos em alguns locais – na “diplomacia paralela” de Mussolini e no contato com os movimentos fascistas estrangeiros. Uma grande diferença da “fase esquadrista” dos fasci all’estero do início dos anos 1920, contudo, existia, pois, dessa vez, a ação dos mesmos estava sob controle do Estado e não em oposição a ele.

  • 4 A bibliografia sobre os fasci all´estero e sua atuação mundial é grande demais para ser mencionada (...)

18Participando como força de apoio às ações imperialistas diretas da Itália fascista ou da “diplomacia paralela”, indireta, os fasci all´estero se espalharam por todo o mundo, mas a sua concentração maior foi nos continentes europeu e americano. Em 1929, havia 583 deles, com cerca de 140 mil membros, número esse que havia sido ampliado para 180 mil em 1937, distribuídos em 487 unidades.4

A NDSAP-Auslandorganisation

19De acordo com a visão nazista, os alemães, em sentido estrito, deveriam ingressar, onde quer que estivessem, numa espécie de ‘comunidade imaginada’, um tanto mais elitista que a comunidade nacional tradicional. A essa comunidade, os nazistas deram o nome de Comunidade Racial/Étnica do Povo, a Volksgemeinschaft.

20De qualquer forma, se o pertencimento à Nação era racial, ele não implicava no respeito às fronteiras territoriais da Alemanha, no que concerne à propagação da visão de mundo nazista. Em outras palavras, desde o primeiro programa da NSDAP, de 1920, estava claro que Hitler almejava criar uma grande Volksgemeinschaft, projeto no qual tomariam parte os alemães residentes fora das fronteiras territoriais do III Reich. Por essa visão, ‘a Alemanha’ estaria, simbólica e afetivamente, onde estivessem os alemães (inclusive no além-mar). Isso posto, é possível afirmar que o projeto global expansionista do nazismo assumia duas formas : uma física e imperialista (ou direta), outra racial e ideológica (indireta).

21Os alemães do exterior desempenharam um importante papel em ambos os cenários. Na Europa Oriental, muitos Reichsdeutsche e Volksdeutsche cerraram fileiras, voluntariamente ou não, no exército alemão, nas Waffen SS e muitos deles colaboraram, em algum nível, com o expansionismo alemão. Nos países d’alem mar, sobretudo no continente americano – onde o poderio militar germânico era contido pela Royal Navy e pelos EUA e a Alemanha tinha menores interesses – a intenção geral era ‘recuperar’ os alemães de sangue para Reich e, ainda mais importante, utilizá-los como ferramentas de defesa dos objetivos da Alemanha para a região.

  • 5 A bibliografia sobre a AO também é grande demais para ser citada na íntegra aqui. Para obras gerais (...)

22O primeiro órgão nazista dedicado à questão dos alemães residentes no exterior foi a Auslandsabteilung (Secretaria para o Exterior da NSDAP), fundada em 1931. Em 1934, a Secretaria foi rebatizada como Auslandsorganisation der Nazi Partei (Organização para o Exterior do Partido Nazista - AO)5 e, no ano seguinte, deixou de ser um departamento para se tornar uma Comarca (Gau), sediada em Berlim. O último passo da ascensão da instituição foi sua subordinação, em 1937, ao Ministério das Relações Exteriores do III Reich, o que lhe conferiu ainda mais autoridade no que se refere aos nazistas no exterior e, por outro lado, intensificou conflitos com o próprio Ministério.

  • 6 Müller, Jürgen, Nationalsozialismus Muller, Jurgen, Nationalsozialismus in LateinAmerika. Die Ausla (...)

23Dessa forma, grupos de simpatizantes nazistas surgiram espontaneamente em várias comunidades de alemães no exterior, sendo depois controladas e disciplinadas pelo NSDAP, através do AO. Segundo pesquisas recentes, a NSDAP fundou organismos partidários em 83 países, chegando a congregar pouco mais de 29 mil filiados, em 548 seções, fora da Alemanha, de acordo com uma estatística referente ao ano de 1937.6

A Delegación Nacional del Servicio Exterior de la Falange Tradicionalista y de las JONS ou Falange exterior

24A Falange Espanhola e, posteriormente, a Espanha franquista também fez propaganda direcionada aos descendentes de espanhóis e aos movimentos próximos no continente. Seções da Falange foram instaladas na França, nas Filipinas, na África do Norte, nos Estados Unidos e, durante a Segunda Guerra Mundial, na Europa ocupada pelos nazistas. O maior número de seções, contudo, foi instalado na América hispânica, dados os vínculos culturais e populacionais com a região.

25Simpatizantes falangistas já se organizavam fora da Espanha desde 1933 e, em 1935, depois da aproximação da Falange com a Itália fascista (tanto que a primeira seção externa surgiu justamente em Milão), foi criado oficialmente o seu serviço exterior. Com o início da guerra civil, a mobilização fora da Espanha em favor dos rebeldes só cresceu e as seções exteriores da Falange foram fundamentais na organização e mobilização dos apoiadores da insurreição no mundo emigrado. Durante os anos da guerra civil e imediatamente após, a Delegación Nacional del Servicio Exterior de Falange Española (DNSEF) também foi encarregada de dirigir a propaganda do novo regime no exterior, especialmente na América Latina.

  • 7 A bibliografia sobre a Falange exterior é menor se comparada à italiana ou alemã. Para textos mais (...)

26Com o decreto de unificação de 1937, as seções exteriores da Falange e os outros grupos (como os carlistas) que também tinham grupos ativos no exterior foram reunidos e passou-se a intensa atividade de propaganda no exterior em defesa do ponto de vista franquista. O tom mais diretamente falangista foi abandonado em favor de uma perspectiva mais ampla, coerente com a visão franquista. Depois da Segunda Guerra Mundial, por fim, refletindo as alterações internas do franquismo, a DNSEF deixou de existir e as atividades de propaganda, vigilância e proselitismo foi assumida diretamente pelas Embaixadas e Consulados espanhóis. Mesmo assim, organismos próximos a Falange exterior continuaram a existir até 1977 e foram bastante ativos, especialmente na América Latina, como foi o caso da Sección Femenina de Falange.7

27Constata-se que as atividades dessas organizações foram mais ou menos semelhantes, o que explica, aliás, os contatos contínuos entre suas sedes em Roma, Madrid e Berlim. A iniciativa de fundação dos núcleos foi normalmente de militantes individuais, tendo os partidos e Estados, depois, se esforçado para controlá-los e discipliná-los. Os conflitos Estado/partido também foram comuns, sendo o diferencial maior que, no caso italiano e espanhol, o Estado acabou por predominar, enquanto, no alemão, a AO e outros organismos partidários conseguiram, no mínimo, manter uma autonomia muito maior do que a desejada pela Wilhelmstrasse.

28Todas procuravam conquistar a simpatia dos seus conacionais e controlá-los, já que eles eram parte do corpo da Pátria distante. Não espanta, inclusive, que os novos termos criados para descrevê-los tenham sido tão semelhantes : italiani all´estero, Auslanddeutsche e españoles en el exterior. Também foram fundamentais nos contatos com os fascistas autóctones, na difusão de propaganda (na maior parte das vezes, através da cultura) e, em alguns casos, em atividades subversivas propriamente ditas, como tentativas de influenciar os rumos políticos locais, espionagem e, durante a guerra, sabotagem e quinta colunismo.

29Claro que, nesse aspecto, as diferenças entre o cenário europeu e o de outras partes do mundo foram significativas. O fascismo italiano utilizou os fasci all´estero num sentido muito mais agressivo em Nice ou em Bellinzona do que em Buenos Aires ou Washington. Do mesmo modo, o nazismo mobilizou as coletividades imigrantes e as seções da AO para facilitar uma futura invasão militar na Holanda ou na Polônia, mas não no Equador ou no Canadá. E a ação dos falangistas não podia deixar de ser diferente na França de Vichy ou no México de Cárdenas. A América Latina, nesse sentido, não podia deixar de ter suas especificidades.

A América Latina

30O continente latino-americano e, especialmente, o Cone Sul era fundamental nos planos das três organizações. Era uma região ligada à Europa por séculos de intercâmbios, diálogos e influências e na qual, ainda recentemente, ondas de imigrantes europeus haviam se instalado, ampliando ainda mais o intercâmbio. Na América Latina, além de tudo, as elites se viam como parte integrante da cultura ocidental e acreditavam que ideias e questões debatidas na Europa não só podiam como deviam ser discutidas e aplicadas no continente. Dessa forma, não espanta a difusão das ideias fascistas na região.

31A América Latina era fundamental nos projetos imperialistas do fascismo italiano, dada à presença de vastas comunidades italianas e também de movimentos e regimes fascistas e autoritários potencialmente adequados à aliança com Roma. Sem poder contar com uma vasta população autóctone que falasse italiano, o fascismo apelou para os mitos da “latinidade” e da “romanidade” e fez intensa difusão da cultura italiana e fascista.

32Para dar conta disso, não apenas as Embaixadas e Consulados foram ampliados numericamente, como o sistema de propaganda e difusão cultural e os contatos com movimentos fascistas locais foram também fortalecidos. Os órgãos fascistas (como os fasci all´estero e também os Dopolavoro, as Casa d´Italia e outros) também se espalharam pela América Latina, com uma concentração acentuada no Brasil e na região do Prata, mas presentes em todos os países.

  • 8 Bertonha, João Fábio, “I fasci italiani all’estero”, en Franzina, Emílio ; De Clementi, Andreina e (...)

33Em 1929, por exemplo, havia 289 fasci na Europa, 210 nas Américas, 49 na África, 28 na Ásia e sete na Oceania. Já em 1934, havia 460 fasci all´estero, com outras 269 seções isoladas e 220 fasci femminili. Na América Latina, apenas Brasil e Argentina reuniam 109 fasci e 12 seções isoladas e havia importantes concentrações no México, no Chile, no Uruguai e em outros países.8

  • 9 Bertonha, João Fábio, “¿Un imperio italiano en América Latina ? Inmigrantes, fascistas y la polític (...)

34Os resultados desse esforço foram bastante decepcionantes para a Itália, em todo o mundo. Especialmente no caso da América Latina, todo o investimento na propaganda, na conquista das coletividades italianas e na criação de laços com os regimes ou movimentos fascistas mais promissores não tiveram nenhum resultado prático. Não obstante, tais esforços apoiaram a formatação dos fascismos locais e a própria existência de uma Itália fascista serviu para estimular as forças próximas em todo o continente.9

35Também a Alemanha se esforçou para atrair seus conacionais e descendentes residentes ao sul do rio Grande, o que não é de espantar. Com efeito, em 1937, 143.610 cidadãos alemães residiam no subcontinente e, na América do Sul, Brasil, Argentina e Chile, com 75.000, 42.000 e 5.300 unidades, respectivamente, agrupavam os maiores segmentos de alemães natos, potencialmente aptos para a militância. Os Volksdeutsche eram muito mais numerosos : cerca de 800.000 no Brasil, 500.000 na Argentina e 100.000 no Chile. Dessa forma, não parece haver dúvidas de que os três países foram objeto de atenção por parte do NSDAP.

  • 10 Lucas, Taís Campelo, “Nazistas pelo mundo”, p. 299.

36Conforme os cálculos feitos por Thaís Campelo Lucas,10 a Amt VII da AO, responsável pela América Latina, tinha 7.602 membros em 1937, o que correspondia a um quarto do total de filiados à NSDAP fora da Alemanha. O maior agrupamento estava no Brasil, com 2900 filiados, enquanto havia 1500 na Argentina, 985 no Chile e o resto espalhado pelos outros países latino-americanos.

  • 11 A bibliografia sobre a ação nazista no continente tem crescido exponencialmente nos últimos anos. V (...)

37A ênfase da AO, claro, estava no continente europeu e as estatísticas dos EUA, com apenas algumas centenas de membros, são questionáveis devido ao cuidado do Partido Nazista em não infringir as leis americanas que dificultavam a atuação de células de partidos estrangeiros em seu território. Tais leis, aliás, explicam porque os fasci all´estero nos EUA cessaram de existir, formalmente, em 1929. De qualquer modo, fica evidente como a América Latina e, especialmente, o Cone sul era fundamental dentro da perspectiva da AO.11

  • 12 Venturine, Eliane, “A Falange Espanhola no Brasil”, Revista Ponto de Vista, 2007, nº 3, p. 55-62 ; (...)

38No caso espanhol, o ideal da Hispanidad, de defesa dos valores – normalmente conservadores – hispânicos e da união dos povos de língua espanhola era uma presença constante entre a intelectualidade espanhola, especialmente à direita, por todo o século XIX e, especialmente, a partir de 1898. Francisco Franco e seu regime também mobilizaram estes ideais, de forma modificada, por um longo período depois do fim da Guerra Civil, ainda que sem muitos resultados. Também a Falange Espanhola, além de ter um viés imperialista mais direto, voltado à África, mantinha o sonho de liderar a América Hispânica através dos vínculos culturais e da mobilização das coletividades espanholas locais. Na década de 1930, dessa forma, seções da Falange se espalharam por todo o continente, havendo registros de núcleos no Brasil, México, Peru, Cuba, Paraguai, República Dominicana e outros locais.12

  • 13 Quijada, Mónica, Aires de República, Aires de Cruzada : La Guerra civil española en Argentina, Barc (...)

39O país onde a Falange parece ter tido mais força foi a Argentina, onde havia mais de sessenta núcleos em 1938. Um número pequeno quando se pensa que havia mais de 1,5 milhão de espanhóis natos no pais e que, naquele mesmo momento, havia mil CAPES (Comités de Ayuda al Pueblo Español), republicanas, no território da República.13 Mas, ainda assim, de alguma relevância, especialmente frente ao resto da América Latina.

40Em linhas gerais, a influência falangista no continente foi diminuta, ainda mais se sabendo que a maioria das coletividades espanholas apoiou a República, e não chegou nem perto da versão alarmista divulgada pelos americanos durante a Segunda Guerra Mundial. Mas não deixou de produzir algum impacto na intelectualidade de direita de ao menos alguns desses países e a sua simples existência permitiu contatos com os fascistas europeus presentes na região, além dos locais.

  • 14 Bertonha, João Fábio, “Los latinoamericanos de Franco. La 'Legión de la Falange Argentina' y otros (...)

41Essas várias redes fascistas tinham realmente sólidos laços com suas congêneres, tanto locais como europeias. Na Argentina, a relação de proximidade dos falangistas com os nacionalistas argentinos foi grande e a Falange foi especialmente desenvolvida, tanto que conseguiu enviar um grupo de voluntários – a Legiòn de la Bandera Argentina – para lutar no lado nacionalista14, mas registros semelhantes podem ser encontrados em outros locais.

  • 15 González Calleja, Eduardo, "El servicio exterior de Falange”, citado, p. 284 e Montfort, Ricardo, H (...)

42Entre os italianos, espanhóis ou alemães imigrados, a relação era ainda mais próxima. Reuniões e cerimônias reunindo representantes dos três grupos não eram incomuns. No Peru e no México, há registros de ações dos falangistas ao lado dos membros do fascio italiano e de representantes nazistas e do governo português.15 No Brasil, os jornais pró-Franco sempre manifestavam sua admiração pelo Duce e a Embaixada italiana chegou a canalizar recursos para apoiar estes jornais e outras atividades em defesa da causa franquista no país.

  • 16 Goldar, Ernesto, Los argentinos y la guerra civil española, Buenos Aires, Editorial Contrapunto, 19 (...)

43Já na Argentina, por exemplo, a Falange preparou um almoço “de prato único”, em junho de 1937, para angariar fundos, com apoio de organizações católicas e carlistas. Delegados alemães, belgas e italianos e organizações ucranianas de ex-combatentes participaram, com a execução dos hinos argentino, italiano, alemão e da Falange. No ano seguinte, na comemoração do Império italiano, o cenário reunia retratos de Mussolini e do rei da Itália, suásticas, legionários da Falange uniformizados, comendadores, barões, membros das associações nacionalistas argentinas e discurso do embaixador italiano Guariglia sobre a amizade ítalo-espanhola, cimentada na guerra.16

44Esses e muitos outros exemplos estão disponíveis, o que indica relações no mínimo cordiais. É obvio que estas relações nem sempre eram amistosas, havendo conflitos por problemas nacionalistas, questões doutrinárias e outras, mas a relação entre os vários grupos parece ter ficado mais para a simpatia mútua do que o oposto, indicando os contatos entre o nacional, o regional e o mundial.

45Todos esses grupos evitavam se envolver abertamente na luta política interna dos países da América Latina, mas, na prática, esse envolvimento foi contínuo. As seções desses partidos não eram os únicos espaços para forjar laços com grupos ideologicamente afins ou para difundir propaganda fascista, mas serviram para isso em inúmeros momentos. Também articularam ações de espionagem, ainda que tenham sido limitadas e nem de longe se aproximado dos temores dos governos latino-americanos e dos Estados Unidos a respeito do “perigo alemão” ou do terrível “Exército secreto do Eixo” representado pela Falange.

46Sendo a subversão e a espionagem menos importantes para o caso latino-americano, as ações dessas redes acabaram por se concentrar na vigilância dos antifascistas, no estreitamento dos laços com os irmãos ideológicos locais, na difusão de propaganda (especialmente a cultural) e no controle das coletividades imigrantes. O conflito com as antigas lideranças das colônias também foi um elemento comum.

47Também houve, claro, diferenças de monta. Nos casos italiano e espanhol, a cultura latina comum facilitava o diálogo com as sociedades locais, enquanto os alemães acabaram restritos ao seu próprio nicho. Propaganda nazista circulou fortemente pelo continente e muitos grupos fascistas e autoritários olhavam com simpatia para a Alemanha de Hitler. No entanto, seu racismo exacerbado e seu imperialismo agressivo não agradava a maioria dos fascistas do continente, a não ser casos isolados que viam a hegemonia nazista como preferível à americana. O racismo arianista diminuiu os vínculos dos nazistas com os fascistas de todo o mundo, e, na América Latina, onde os grupos fascistas locais estavam fortemente ligados ao catolicismo e tinham poucos vínculos ideológicos – salvo as exceções de praxe, como alas do integralismo brasileiro, os nacistas chilenos e outros – com a ideologia nazista, os contatos foram ainda menores.

48Também houve diferenças de país para país do continente, conforme a densidade das coletividades imigrantes (e suas relações com a Pátria mãe e a ideologia fascista), a importância geopolítica e econômica de cada país para a Itália, a Espanha ou a Alemanha, a presença de forças locais passíveis de se tornarem aliadas, etc. Ou seja, além de especificidades de cada uma das redes, elas agiam de forma a se adaptarem a cada contexto, ainda que um direcionamento geral tenha sido mantido.

49Além dessas redes com origem na Europa, os próprios movimentos locais mantinham contatos via jornais, cartas e notícias. Não tenho informações sobre a criação de um sistema de reprodução partidária no exterior por parte dos nacionalistas argentinos, dos nacistas chilenos, dos leopardos colombianos e outros, salvo iniciativas esporádicas e extraoficiais. No caso brasileiro, contudo, isso aconteceu e merece ser recordado.

O Departamento Nacional de Núcleos do Exterior (DNNE)

  • 17 Para todas as citações em fontes primárias a seguir e mais informações, ver o item respectivo em Be (...)

50O integralismo tinha um departamento encarregado de instalar núcleos no exterior chamado Departamento Nacional de Núcleos do Exterior (DNNE), o qual precisaria ser estudado, até para o estabelecimento de comparações com seus congêneres europeus.17.

  • 18 Monitor integralista, vol. 5, nº 22, 7/10/1937.

51Segundo informações da imprensa integralista,18 teriam sido instalados núcleos em nove cidades (Montevidéu, Buenos Aires, Filadélfia, Genebra, Zurique, Porto, Berlim, Varsóvia e Roma), além de outros menores em Nova Orleans, Washington, Paris, Tóquio, Santiago do Chile, Las Palmas e Lisboa, totalizando cerca de seis mil filiados. Estes dados, contudo, são impossíveis de confirmar e, portanto, não confiáveis. Sabemos apenas que o DNNE existiu, tinha uma regulamentação e foi chefiado, por um período, por Gerardo Mello Mourão.

52O único núcleo sobre o qual fui capaz de encontrar algo foi o de Roma. Em 30 de setembro de 1937, um jovem ítalo-brasileiro residente na cidade enviou carta a Emmanuele Grazzi, chefe da seção América Latina do Ministero degli Affari Esteri informando do seu interesse em criar um “Núcleo do Integralismo” local. Este teria como objetivo a aproximação cultural entre Itália e Brasil e não tentaria se sobrepor à Embaixada oficial. O próprio MAE, contudo, indicava como este núcleo só existia na teoria e na mente do proponente.

53O DNNE fazia parte de uma secretaria maior, chamada de Secretaria Nacional de Relações com o exterior, a qual estava dividido em vários departamentos, como o já citado DNNE, o Departamento de Política Internacional, o de organização diplomática e consular e o de intercâmbio e propaganda. Ao menos por um período, esteve sob a direção de Antônio Gallotti, sendo Mourão chefe de Gabinete.

54Mesmo dispondo apenas de informações tão fragmentadas, a existência desse organismo é comprovada e mereceria investigação. De qualquer modo, ela comprova como a criação de redes partidárias fora do território nacional era uma praxe em vários dos partidos fascistas e que o cruzamento dessas redes era um elemento essencial na construção de uma transnacionalidade fascista, na América Latina e no mundo em geral.

Considerações finais

55O viés comparativo permite, sem dificuldades, comprovar alguns padrões comuns para os fascismos do continente latino-americano. Em primeiro lugar, verifica-se a quase que total inexistência de cópias simples dos fascismos europeus. Os verdadeiros fascistas italianos, falangistas ou nazistas no continente só podiam ser encontrados justamente nas sessões externas do PNF, da Falange ou do NSDAP instaladas no mesmo. Todos os que se originaram de bases locais, mesmo os fortemente influenciados pelo referencial externo, tinham ao menos alguma especificidade local, até para fazerem sentido.

  • 19 Pérez Ricart, Carlos Alfonso, “Una propuesta para el estudio de las fundaciones políticas transnaci (...)

56O fascismo, contudo, foi um fenômeno transnacional e suas redes de relacionamentos se estendiam para além de fronteiras regionais e nacionais. As redes de colaboração criadas pelos próprios partidos foram fundamentais na construção dessa transnacionalidade e na difusão das ideias fascistas no continente latino-americano. O sucesso ou fracasso do fascismo em um dado contexto não se explica pela maior ou menor densidade e atuação dessas redes, pois era a dinâmica interna de cada sociedade o verdadeiro diferencial. Mesmo assim, o referencial externo e seus canais de funcionamento não podem ser esquecidos no seu estudo.19 O fascismo era internacional e transnacional e seu estudo na América Latina não pode deixar de lado esse elemento.

Haut de page

Notes

1 Kershaw, Ian, O fim do Terceiro Reich. A destruição da Alemanha de Hitler, 1944-1945, São Paulo, Companhia das Letras, 2015 ; Evans, Richard, The Third Reich at War, 1939-1945, New York, Penguin Books, 2008.

2 Costa Pinto, António, “As elites políticas e a consolidação do salazarismo : o nacional sindicalismo e a União Nacional”, Análise Social, 1992, vol. 27, nº 116-117, p. 575-613 ; “Elites, partido único e decisão política nas ditaduras da época do Fascismo”, Penélope. Revista de História e Ciências Sociais, 2002, nº 26, p. 161-186 ; Caldeira, Arlindo Manuel, “O Partido de Salazar : antecedentes, organização e funções da União Nacional”, Análise Social, 1986, vol. 22, nº 94, p. 943-977 e Cruz, Manuel Braga Da, O Partido do Estado no Salazarismo, Lisboa, Presença, 1988.

3 Paulo, Heloísa, Estado Novo e Propaganda em Portugal e no Brasil. O SPN/SNI e o DIP, Coimbra, Minerva, 1994 ; Aqui também é Portugal. A colônia portuguesa do Brasil e o salazarismo, Coimbra, Quarteto, 2000 ; Cotrin, João Pedro Caeiro da Silva Bernardo, Tradutores e propagandistas. Da tradução como ferramenta de propaganda do Estado Novo no estrangeiro e da indústria que se desenvolveu em torno desta no Secretariado da Propaganda Nacional/Secretariado Nacional de Informação, Coimbra, Universidade de Coimbra, Dissertação de Mestrado em Tradução, 2010.

4 A bibliografia sobre os fasci all´estero e sua atuação mundial é grande demais para ser mencionada na íntegra aqui. Para acesso a ela, ver Bertonha, João Fábio, Fascismo, antifascismo e gli italiani all´estero. Bibliografia orientativa (1922-2015), Viterbo, Sette Città, 2015 (Quaderni Archivio Storico dell´Emigrazione italiana, nº 14-15).

5 A bibliografia sobre a AO também é grande demais para ser citada na íntegra aqui. Para obras gerais, ver Smith, Arthur L. Jr., “Hitler's Gau Ausland”, Political Studies, 1966, vol. 14, nº 1, p. 90-95 ; Bendersky, Joseph W., The Myth of the German Fifth Column : a Study of the Auslands-Organisation of the NSDAP, 1931-1945, Dissertação (Mestrado), Michigan State University, 1972 ; Hagemann, Albrecht, “The Diffusion of German Nazism”, en Larsen, Stein Ugelvik, Fascism Outside Europe. The European Impulse against Domestic Conditions in the Diffusion of Global Fascism, New York, Columbia University Press, 2001, p. 71-94 ; Jacobsen, Hans-Adolf ; Smith Jr. Arthur L., The Nazi Party and the German Foreign Office, London, Routledge, 2007 e Koop, Volker, Hitlers fünfte Kolonne : Die Auslands-Organisation der NSDAP, Berlim, Be.bra Verlag, 2009. Para obras recentes em português que trazem bibliografia extra, ver Lucas, Taís Campelo, “Nazistas pelo mundo : a Organização para o Exterior do Partido Nacional-socialista dos Trabalhadores Alemães”, OPSIS, 2012, vol. 12, nº 2, p. 281-307 e Athaides, Rafael, O Partido Nazista no Paraná, Maringá, EDUEM, 2011.

6 Müller, Jürgen, Nationalsozialismus Muller, Jurgen, Nationalsozialismus in LateinAmerika. Die Auslandsorganisation der NSDAP in Argentinien, Brasilien, Chile und Mexico, 1931-1945, Stuttgart, Verlag Hans Dieter Heinz, 1998, p. 47-48.

7 A bibliografia sobre a Falange exterior é menor se comparada à italiana ou alemã. Para textos mais gerais, ver González Calleja, Eduardo, “¿Populismo o captación de elites ? Luces y sombras en la estrategia del Servicio Exterior de Falange Española”, en Álvarez Junco, José ; González Leandri, Ricardo, El Populismo en España y América, Madrid, Catriel, 1994, p. 61-90 ; "El servicio exterior de Falange y la política exterior del primer franquismo : consideraciones previas para su investigación", Hispania, 1994, nº 186, p. 279-307 ; “Fascismo para la exportación : la Delegación Nacional del Servicio Exterior de Falange Española”, Horizontes Sociológicos, 2014, vol. 2, nº 3, p. 121-139 ; González Calleja, Eduardo e Limon Nevado, Fredes, La Hispanidad como instrumento de combate. Raza e Império en la prensa franquista durante la Guerra Civil española, Madrid, CSIC, 1988 ; Delgado Gomez-Escalonilla, Lorenzo. Diplomacia Franquista y política cultural hacia Iberoamérica, 1939-1953, Madrid, CSIC, 1988 ; Imperio de papel : acción cultural y política exterior durante el primer franquismo, Madrid, CSIC, 1992 ; Moreno Cantano, César. “Unidad de destino en lo universal. Falange y la propaganda exterior (1936-1945)”. Studia Historica. História Contemporánea, 2006, nº 24, p. 107-131 e Tessada, Vanessa. “Fronteras de la Comunidad Hispánica de Naciones. El aporte de la Sección Femenina de Falange y su proyección en Latinoamérica”, ILCEA [En ligne], 18 | 2013, mis en ligne le 11 juillet 2013, consulté le 21 mars 2016. URL : http://ilcea.revues.org/2068

8 Bertonha, João Fábio, “I fasci italiani all’estero”, en Franzina, Emílio ; De Clementi, Andreina e Bevilacqua, Piero, Storia dell’emigrazione italiana, vol. 2, Roma, Donzelli Editore, 2002, p. 327-333.

9 Bertonha, João Fábio, “¿Un imperio italiano en América Latina ? Inmigrantes, fascistas y la política externa “paralela” de Mussolini”, en Savarino, Franco e González, José Luis, México. Escenario de confrontaciones, México (DF), ENAH, 2010, p. 161-188.

10 Lucas, Taís Campelo, “Nazistas pelo mundo”, p. 299.

11 A bibliografia sobre a ação nazista no continente tem crescido exponencialmente nos últimos anos. Ver, por exemplo, Friedman, Max Paul, Nazis and Good Neighbors : the United States Campaign against the Germans of Latin America in World War II, Cambridge, Cambridge University Press, 2003 ; Gaudig, Olaf ; Veit, Peter, "El partido alemán nacional socialista en Argentina, Brasil e Chile frente a las comunidades alemanas, 1933-1939", Estudios Interdisciplinarios de America Latina y el Caribe, 1995, vol. 6, nº 2 e Muller, Jurgen, Nationalsozialismus in LateinAmerika, citado.

12 Venturine, Eliane, “A Falange Espanhola no Brasil”, Revista Ponto de Vista, 2007, nº 3, p. 55-62 ; Pérez Montfort, Ricardo, Hispanismo y Falange. Los sueños imperiales de la derecha española y México, México (DF), Fondo de Cultura Económica, 1992 ; González Calleja, Eduardo e Limon Nevado, Fredes, La Hispanidad como instrumento de combate, citado ; Pardo Sanz, Rosa, "Hispanoamérica en la política nacionalista, 1936-1939", Espacio, Tiempo y Forma, Historia Contemporánea, 1992, nº 5, p. 211-238 ; ¡Con Franco hacia El Imperio ! La política exterior española en América Latina 1939-1945, Madrid, UNED, 1995.

13 Quijada, Mónica, Aires de República, Aires de Cruzada : La Guerra civil española en Argentina, Barcelona, Sendai Ediciones, 1991, p. 104.

14 Bertonha, João Fábio, “Los latinoamericanos de Franco. La 'Legión de la Falange Argentina' y otros voluntarios hispanos en el bando sublevado durante la Guerra Civil Española”, Alcores – Revista de Historia Contemporánea, 2012, 14, p. 143-167.

15 González Calleja, Eduardo, "El servicio exterior de Falange”, citado, p. 284 e Montfort, Ricardo, Hispanismo y Falange, citado, p. 134-143.

16 Goldar, Ernesto, Los argentinos y la guerra civil española, Buenos Aires, Editorial Contrapunto, 1986, p. 127 e 177-178.

17 Para todas as citações em fontes primárias a seguir e mais informações, ver o item respectivo em Bertonha, João Fábio, Integralismo. Problemas, perspectivas e questões historiográficas, Maringá, Eduem, 2014.

18 Monitor integralista, vol. 5, nº 22, 7/10/1937.

19 Pérez Ricart, Carlos Alfonso, “Una propuesta para el estudio de las fundaciones políticas transnacionales de derecha en América latina”, en Bohoslavsky, Ernesto y Echeverría, Olga (Comps.), Las derechas en el Cono Sur, siglo XX. Actas del tercer taller de discusión, Los Polvorines, Universidad Nacional de General Sarmiento, 2013. E-book URL : www.ungs.edu.ar/derechas

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

João Fábio Bertonha, « A Segretaria Nazionale dei fasci all´estero, a NSDAP-Auslandsorganisation, o servicio exterior de la falange e as políticas externas dos partidos fascistas no entre-guerras. O caso latino-americano », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Colloques, mis en ligne le 06 juin 2017, consulté le 26 septembre 2017. URL : http://nuevomundo.revues.org/70513

Haut de page

Auteur

João Fábio Bertonha

Universidade Estadual de Maringá, Brasil.
fabiobertonha@hotmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page