Navigation – Plan du site
Colloques | 2005
IIe Journée d'Histoire des Sensibilités EHESS 10 mars 2005 – Coord. Frédérique Langue
Nádia Maria Weber Santos

Escritos de si como reveladores de sensibilidades sobre a loucura (Brasil, início do século xx)

L´écriture du soi comme révélatrice de sensibilités sur la folie (Brésil - début du xxe siècle)
[19/03/2005]

Résumé

Peu importe le sens qu'on donne à ce terme, il semble que la sensibilité s'est toujours "conduite" comme un chemin de connaissance, une contribution spécifique de l'activité de l'esprit humain. Des lettres, à son tour, font vivre de la sensibilité au travers des mots, distillent des sentiments, des sensations, des pensées, des intuitions, des images, aussi bien rapportés aux états affectifs qu'aux “sens” et aux pensées plus intérieures. Elles sont le refuge privilégié du sentiment et un registre marqué par la subjectivité. En travaillant avec la sensibilité sur la folie dans les lettres d´un patient fou, écrites pendant l´internement psychiatrique, du point de vue historique, je me permets de remettre en question et d'inverser des paramètres, et de présenter à nouveau des récits de la folie — et sur la folie — du point de vue de celui-la même qui l'a subi.

Haut de page

Entrées d’index

Palabras claves :

lettres
Haut de page

Texte intégral

1Não importa qual o sentido se dê, parece que a sensibilidade sempre se portou como um caminho de conhecimento, uma contribuição específica da atividade do espírito humano. O gesto epistolar, por sua vez, é um gesto privilegiado, pois ao mesmo tempo em que cartas são veículos pessoais de expressão de si, expressão da subjetividade, de sentimentos ligados à interioridade de uma pessoa, elas também remetem a um espaço de sociabilidades, o escritor fazendo uma representação do mundo, e o receptor relacionando-se com esta imagem representada, sendo ambos os elos extremos de um processo, de um percurso.

2Cartas expressam sensibilidade através das palavras, destilam sentimentos, sensações, pensamentos, intuições, imagens, tanto relacionados aos estados afetivos, como aos “sentidos” e aos pensamentos mais interiores. Refúgio privilegiado do sentimento. Espaço da espontaneidade. Registro marcado pela subjetividade. Registro de memória individual e coletiva.

3Ao trabalhar com a sensibilidade sobre a loucura em textos literários, sob o ponto de vista histórico, permito-me re-colocar questões, inverter padrões e re-apresentar narrativas da loucura – e sobre a loucura – do ponto de vista daquele mesmo que a sofreu.

4 Em maio de 1937, um homem de 34 anos foi internado no Hospício São Pedro de Porto Alegre, e lá permaneceu por quatro meses. Seu diagnóstico: parafrenia, um nome dado às antigas síndromes de delírio crônico.

5 No hospital, ele escrevia...Ele amava ler e escrever. Deixou-nos, para a satisfação de historiadores e pesquisadores, mas para a tristeza de sua vida pessoal, um legado de treze cartas escritas durante a internação e não enviadas, obviamente, a seus destinatários.

6No momento em que eu pesquisava, no mestrado, prontuários médicos do Hospital São Pedro de Porto Alegre, em 1998, encontrei estas cartas e através delas percebi muitas coisas...Elas não somente permitem que possamos traçar um retrato de uma vida particular, mas também mostram aspectos de uma época, de uma cidade, de um imaginário coletivo...

7Estas cartas constituem depoimentos contundentes, dramáticos, de uma pessoa em sofrimento psicológico profundo, bem como de sua experiência transcorrida durante a internação psiquiátrica. Resgatam, de certa forma, as representações e as sensibilidades sobre a loucura de um momento histórico, bem como aquelas que o próprio "louco" tem de si mesmo e de sua situação. Além disso, o grau de instrução e o nível cultural elevado do paciente em questão – detectados pela leitura de sua correspondência – proporcionaram um outro olhar sobre este material: os textos das cartas podem ser considerados, sem dúvida alguma, pequenas obras literárias, devido ao conteúdo que expõem, bem como à forma dada quando vieram à luz.

8Na dissertação de mestrado - intitulada "A tênue fronteira entre saúde e doença mental, um estudo de casos psiquiátricos á luz da Nova História Cultural, de 1937-1950", defendida no PPG em História da UFRGS no ano de 2000 -, trabalhou-se com as cartas de TR – iniciais do nome do paciente – , no terceiro capítulo, buscando em seus conteúdos imagens simbólicas que correspondiam à história pessoal do paciente e identificação de possíveis fatores que o levaram à crise psíquica. Denominadas estas imagens de “imaginário desde dentro”, elas correspondem ao imaginário sobre a loucura, percebido pelo próprio louco. Foram apresentadas somente algumas das cartas, tendo-me fixado principalmente na quarta, onde o delírio dele aparece de forma mais contundente, juntando-se à confissão de sua problemática – missiva onde esta foi tratada quase que explicitamente. Foram cotejadas sempre com a realidade imposta pelo hospício e pelas representações que a sociedade e o meio médico faziam sobre a loucura. Apresentou-se, assim, um esboço de sua história psicológica, isto é, aquilo que, historicamente, deu origem a sua “doença” – a fim de demonstrar o quanto a psiquiatria daquele momento pouco se interessava pela história de cada indivíduo e sim catalogava a todos de igual forma, num afã classificatório tão grande, que irremediavelmente atirava os doentes nos hospícios e tratava a todos, igualmente, sem se dar conta de que “cada caso é um caso”. Assim, questionei, a partir desta "sensibilidade fina", o limite entre saúde e doença mental, cotejando com este imaginário "interior", o imaginário "desde fora", isto é, pertencente às imagens que a sociedade e o meio médico-psiquiátrico estabelecem para este binômio.

9Mas a pesquisa ficou, naquele momento, incompleta para minhas indagações, pois eu tinha a nítida sensação de que mais coisas poderiam ser trazidas à luz, a partir destes registros epistolares. Na tese, então, o tratamento dado às cartas de TR é outro. Foram examinadas a partir da assertiva de que a escrita de si é uma fonte privilegiada para tecer a rede de sensibilidades que se pode perceber sobre certa questão, em certa época, levando a uma busca mais pormenorizada em seus conteúdos. Estas “marcas de sensibilidade”, constituintes da interioridade de um texto, podem ser colocadas em confronto com outras, de outras obras, que versam sobre o mesmo assunto. Estas missivas formam uma “pequena obra literária” , como se propôs, podendo ser cotejada com obras de escritores outros, sendo estes últimos conhecidos do público leitor e que também tiveram no ato de escrever sua maneira de transmitir e, quiçá, transformar sua realidade pessoal ou sua sensibilidade relativa à questão da loucura, trabalhando nelas sua conexão com o mundo. 1

10A história de vida de TR foi recolhida de seu prontuário. Tanto a anamnese feita com ele, como a ficha que foi preenchida pelo médico e pela assistente social, no momento da baixa, após entrevista com familiares, serviram de fonte privilegiada para a pesquisa dos dados que interessam sobre sua vida. Estes, por sua vez, revelam um material bastante rico, para que se possa cotejar com a análise do “sensível”, aquilo que aparece no imaginário do doente, e constitui a sua verdade, a sua sensibilidade. Sensibilidade, esta, relacionada à problemática de sua vida, mas também referente a questões mais amplas, sobre o mundo em que vivia, agora eclodindo em guerras, crises políticas e econômicas, um mundo que enclausura em hospícios aqueles que deliram pela paz.

11A correspondência, como um tipo especial de escrita de si, possui características próprias e ao ser considerada "objeto cultural", deve ser estudada, como fonte, através de uma metodologia específica, para que o pesquisador empreenda uma análise de qualidade. Deve-se pensar esta fonte, criticá-la, enfim, através de novos parâmetros.

12Uma primeira especificidade, importante a este estudo é que a escrita de cartas é produzida tendo, a priori, um destinatário, alguém a quem o escritor endereça sua missiva, explicitando uma relação, uma troca, uma interlocução, estabelecidas já no momento de sua escritura. Desta forma, o autor expõe-se mais efetivamente e mais imediatamente do que quando escreve, por exemplo, um diário. Ele quer ser escutado, ou melhor, lido. Ele quer que o outro interaja com seus pensamentos, sentimentos, ou com o que seja o conteúdo de sua narrativa epistolar. Ao mesmo tempo em que o escritor-remetente “dá-se a ver” e quer ser visto pelo receptor-destinatário, este está também sendo “visto” pelo primeiro, no momento ímpar da escritura. É uma forma muito especial de presença que se impõe ao imaginário de quem escreve.

13Uma nova constatação pode ser feita, trazendo um novo problema para este debate. É o fato do destinatário-interlocutor poder existir pelo menos no imaginário do autor e isto já ser suficiente para estabelecer a relação epistolar. No caso em que o remetente não atinge seu objetivo, que é a missiva chegar a seu destino – como as cartas do paciente escritas no hospício e nunca enviadas, tendo ficado retidas em seu prontuário –, mesmo assim, a função de “interlocução” teria sido cumprida? E, não tendo a resposta do outro, como se daria esta relação? Estaria rompida esta prática cultural epistolar “eminentemente relacional” ?

14Está-se diante de uma forma diferente de correspondência que, portanto, remete a uma problemática diferenciada para sua análise. Não menos importante, certamente, para a análise histórica de sensibilidades passadas...

15Primeiro, o conjunto de cartas de TR, pessoais e privadas - são doze cartas e um versinho - estavam à disposição num arquivo público, “arquivadas”, se assim se pode dizer, dentro de um velho prontuário médico de hospício, do ano de 1937, o que demonstra que as mesmas jamais foram enviadas e entregues a seus destinatários. Eram cartas para serem esquecidas. Aqueles que as guardaram e não as enviaram, provavelmente, não queriam expor a loucura de TR – tudo era alucinação e delírio! Mas expuseram, sim, neste ato, seu próprio modo de pensar, suas próprias noções e convicções sobre a loucura.

16Além do que, este prontuário foi encontrado numa caixa, do Arquivo Público do Estado do RGS - onde se encontram os prontuários deste hospital, desde sua inauguração em 1884, até 1972 -, que continha os prontuários de 1899, deslocado, portanto, de sua ordem cronológica correta. Foi um “achado” acidental de pesquisa, o que valoriza, de certa forma, a mesma. Constituem um arquivo pessoal guardado – escondido – em um arquivo público.

17Assim, este “arquivo involuntário”, como podemos chamar o prontuário médico em que estão guardadas, ao ser encontrado, tornou-se um verdadeiro “baú de histórias sensíveis”, como será visto a seguir.

18Segundo, as cartas de TR têm uma relação direta com sua história de vida, passada e presente do momento da escritura. Ele recupera, também, várias discussões, internas e externas à psiquiatria de sua época, bem como constrói, desde dentro de seus delírios, uma visão própria sobre a loucura e sobre alguns “acontecimentos históricos” do momento, como a Guerra Civil Espanhola e os regimes totalitários que estão ganhando espaço no mundo político de então.

19Suas cartas são testemunhos de uma sensibilidade única e pungente. Elas evocam, através de um “sistema simbólico”, inserido em seus delírios – narrativas de sua loucura – a memória de um passado que foi, para ele, ousado e cruel, e que o atirou num abismo chamado loucura – aos olhos dos outros.

20 Afirma-se que o conjunto que corresponde às treze missivas de TR pode ser chamado de correspondência, mesmo possuindo a singularidade de ser um conjunto de cartas não trocadas com os receptores, não enviadas a eles. Pois, se cartas pressupõem um receptor-interlocutor para que possam ser escritas, e que esteja este – no mínimo – somente no imaginário do escritor, então elas se irmanam com as outras missivas estudadas por tantos outros autores. Doze cartas são endereçadas a alguém e assinadas com o seu próprio nome. E uma outra, a décima-terceira, está sem endereçamento, pois é, na verdade, um versinho escrito no verso de um papel de chocolate e assinado com o pseudônimo de Ulysses Xavier do Rego – o que a distingue de todas as outras, tanto pela forma quanto pelo conteúdo. A relação imaginária com os destinatários, estabelecida na escritura destas missivas, cumpriu sua função no imaginário do próprio doente.

21Ao serem encontradas no final do prontuário, completamente desordenadas, houve a necessidade de organizá-las de alguma forma. Optou-se por dispor as cartas na ordem das datas em que foram escritas pelo paciente e não na ordem aleatória em que foram encontradas e arquivadas na papeleta. Três delas foram encontradas sem data, então foram colocadas em ordem pelo contexto ou "gancho" que o paciente deixou nas anteriores. Apenas uma delas e o “versinho” foram deixados ao final, pois não foi possível correlacionar o contexto diretamente com alguma outra. Uma foi escrita em alemão, e possui duas versões (cartas 4 e 5); foram primeiramente analisadas em sua forma de escrita, depois enviadas para tradução. Algumas poucas palavras em alemão ficaram obscuras ao tradutor, sendo pouco compreensíveis em seu contexto.

22De antemão, todas pareceram muito bem escritas em sua forma geral, com poucas rasuras, uma letra cursiva agradável à leitura. O alemão das cartas 4 e 5 foi escrito na língua “formal”, naquela época provavelmente aprendida em colégios religiosos, como foi o que ele freqüentou quando jovem, provavelmente. Escreve muito bem, num português corretíssimo para a época, em todos os sentidos (tanto o formal, quanto o coloquial).

23Eram missivas, em geral de muitas páginas, escritas a maioria em papel-almaço, dirigidas a um suposto "amigo" (Vianna Moog), a editores de jornais, artigos para a imprensa  - há um cujo título é "A avareza" e versa sobre o problema da avareza no mundo contemporâneo, que para ele era "uma das qualidades mais desprezíveis que o ser humano adquire e que está na vanguarda do mundo" -, desabafos "filosóficos" - "Meditações e previsões sobre o futuro" - 2, bem como aquelas dirigidas a "personalidades" de destaque da época como o Arcebispo Metropolitano e o Governador do Estado do Rio Grande do Sul. Algumas cartas são importantes, no sentido de ele contar sobre os problemas que teve com o pai e a família.

24Há, nestas cartas, um irreverente senso de humor, misturado com pitadas de ironia e sarcasmo, ao mesmo tempo em que TR demostra muito ressentimento. Utiliza-se, também, delas para ludibriar os médicos, mostrando que não está louco, para poder sair mais rápido do hospital. O abuso de figuras de linguagem, como uma profusão de oxímoros, ressalta na leitura de uma das cartas, dando uma aparência de verso à prosa de sua ficção. É naquela carta de número 4, por ele mesmo chamada de “A confissão”, onde, ao final, ele endereça a Hitler a confissão de seu pecado. Ele utiliza-se da carta para confessar seu “pecado”, não o confessando, pois esta, e somente esta, ele escreve em alemão. 3

25Esta correspondência revela a história de um homem de 34 anos, de origem alemã, casado e "pai de família", que permaneceu internado no HPSP por quatro meses, de maio a setembro de 1937, tendo alta a pedido de seu pai, para acompanhamento em casa. Na baixa deste paciente o médico descreveu-o como "tranqüilo, ar de imperiosidade, sorriso irônico; diz o paciente sentir fraqueza na cabeça ao que devia excesso de trabalho mental e preocupações; é da profissão de padeiro; dedica-se desde algum tempo a estudar correntes philosóphicas, religião, política. Uma noite teve uma intuição mystica que lhe revelou o seu destino. Prevê acontecimentos futuros: a guerra da Espanha foi uma de suas previsões. Não tem quase afetividade: da própria internação não se queixa". Sobre a "doença atual", seu pai e irmão, pessoas que o levaram para a internação, atribuíram-na a desgostos familiares e ciúmes: TR também apresentava mania de grandeza, escrevia muito, tinha idéias extravagantes e lia demais.

26Ele apresentava, ao que se lê nestas várias cartas, idéias definidas sobre a religião católica, mas coloca-se como cristão (e não católico). Deixa transparecer uma certa admiração pelo nazismo e pela pessoa de Hitler e foi adepto do integralismo e do positivismo. Queria a paz no mundo, embora seu mundo interno não vivesse em paz. Ao mesmo tempo, ele diz-se ex-integralista, refere a si mesmo como um judas, ou assemelha-se a Deus, e briga com a Igreja Católica e seus padres. Ama e odeia ao mesmo tempo: "Apaixonado por vós, vos odeio, porque pregais na igreja o cúmulo da imperfeição- perfeita." Esta dualidade de sentimentos e opiniões perpassam todas as cartas, o que é típico na sua condição patológica do momento, isto é, uma cisão psíquica. Notou-se, também, a partir do conteúdo da carta 4, que este homem queria ser um escritor, ou pelo menos era escrevendo que ele se sentia livre...4

27Conforme uma das cartas (carta número 11) ele foi afastado do negócio da família (padaria), embora as idéias que revertessem em lucro fossem suas, e relata que seu pai não gostava que ele passasse bom tempo de sua vida escrevendo ("isto era loucura") e lendo filosofia e outros assuntos como política e religião.

28Existem, também, cartas com depoimentos desesperados, de quem está sofrendo e também passando por uma internação psiquiátrica, tendo contato com a realidade diária e aviltante de um hospício: "a todo instante sou interrompido por loucos que, ora me pedem cigarro, ora fogo, ora a penna. Para dizer-vos basta que estou escrevendo encostado da latrina e de cigarro na boca,..." - carta 3; "ando seboso, quando vão me tirar daqui?"; "aqui no hospital começo a ver fantasmas..."- carta 4. Com freqüência, ele deixa transparecer em seus desabafos, a indignação sobre a falta de condições, lá dentro mesmo do hospital, de receber um pouco de papel para escrever : "...aqui nem a muque dão-me papel; Regime de hospital..." - carta 9; "rogo desculpar-me o feitio desta que é cara como tudo, aqui no hospital, onde estou e tenho que lutar com sérias dificuldades para adquirir um pouco de papel e tinta na altura, pois crêem que sou maníaco" - carta 7. Mas não deixa de admitir, em outros momentos, que está doente e precisa de tratamento (carta 6), quando diz, com ironia: "...attestando o meu estado de hyper-excitação nervosa, que claramente transparece naqueles versinhos rudes, pelo facto de reviver dias amargos e estar actualmente adoentado e em tratamento achando-me sob o açoite da medicina que desequilibra para equilibrar...".

29A carta escrita em alemão é endereçada a Hitler e nela consta uma confissão de fatos acontecidos a ele no passado: foi seduzido por padre da igreja, este era seu "pecado". Existem duas versões desta carta, já mencionado, como se uma (carta 5) fosse o rascunho e a outra aquela que deveria ser enviada (carta 4). Na primeira consta a confissão, na segunda não. Chegou-se a esta conclusão, pois a quarta carta está escrita em português até o final, onde então aparece o trecho alemão, exatamente igual ao outro trecho alemão – sem apenas as frases que fazem o ato confessionário – o qual está isolado num outro pedaço de papel. Comparando com as outras cartas, em português, encontramos nestas, em alemão, conteúdos que vão além, em termos de subjetividade, deixando uma pergunta no ar: por que exatamente esta, e somente esta, foi escrita em alemão?

30Assim, a carta 4 ("A confissão") tornou-se a mais importante, num primeiro momento, na medida em que retrata, através do imaginário do doente, os conteúdos psicológicos que o afligem. O simbolismo que nesta aparece – e é aquela que tem o "tom" mais "delirante" –, tanto aqueles referentes a conteúdos pessoais como àqueles arquetípicos, revelam, aos poucos, toda a "trama" que sua vida teceu, até desembocar na "loucura", na sua dissociação psíquica. Como se fosse um filme passando diante de nossos olhos, aponta para a dualidade de sentimentos, para um drama não compreendido de um homem que manteve relações íntimas com um padre, a quem ele possivelmente amou e odiou... Esta carta apresenta a história psicológica de TR, história esta que faz a síntese entre a história pessoal e a história coletiva.

31Traçando um breve perfil de "TR por ele mesmo", a partir de seus escritos, ele era um homem que gostava muito de ler e escrever (carta 4), e conhecia vários autores, em profundidade, embora paradoxalmente negue isto em seguida (carta 9). Trabalhador desde muito jovem (carta 11) sentiu-se injustiçado quando o pai tirou-o da sociedade da família, colocando seu irmão mais jovem em seu lugar. Teve um grande amor em sua vida que foi frustrado em sua realização mais plena (carta 9). Casou-se, após inúmeras aventuras amorosas, com uma moça de "família" e teve dois filhos, sendo que sua primogênita morreu ainda bebê (carta 4), o que lhe deixou um profundo sentimento de desamparo. Era um homem que refletia sobre os assuntos contemporâneos, adepto do integralismo, o que depois mudou, e da "ciência positivista" (cartas 2, 3, 10 e 11). Tinha idéias bem definidas sobre os padres da Igreja Católica  (várias cartas), tendo sido "seduzido" por um deles (carta 4). Era um "homem da capital" (carta 3), embora residisse na região metropolitana (carta 8). Lia muitos filósofos, bem como conhecia algumas obras clássicas da literatura mundial (cartas 2, 3, 4 e 9). Bem informado sobre o que acontecia pelo mundo, lia jornais de Porto Alegre e Alemanha (cartas 1, 2 e 3) e posicionava-se em relação a discursos de líderes políticos e acontecimentos europeus, como a Guerra da Espanha, que transcorria naquele momento (em quase todas as cartas ) e o nazismo.

32É digna de nota esta volumosa escritura durante sua internação psiquiátrica. Ele parece realmente convicto de que suas missivas seriam entregues. Embora também pareça, aos olhos de quem está de fora, que elas tiveram um “poder” terapêutico sobre ele, internamente. Como diz Gomes (2004:19) "escrever cartas exige tempo, disciplina, reflexão e confiança. Há sempre uma razão ou razões para fazê-lo: informar, pedir, agradecer, desabafar, rememorar, consolar, estimular, comemorar, etc. A escrita de si e também a escrita epistolar podem ser (e são com freqüência) entendidas como um ato terapêutico, catártico, para quem escreve e para quem lê. O ato de escrever para si e para os outros atenua as angústias da solidão, desempenhando o papel de um companheiro, ao qual quem escreve se “expõe” dando provas de sinceridade.". Este poderia ter sido o principal papel que estas missivas tiveram na vida deste doente. Pois elas foram num crescendo de "auto- exposições", até confessar o que tinha sido seu pecado na juventude: um caso de amor e ódio, numa relação proibida com um padre. Suas outras idéias, sobre o mundo e sobre a loucura, foram engavetadas, esquecidas neste arquivo involuntário de um prontuário qualquer. Mas, este trabalho, iniciado com a dissertação de mestrado, redime, de certa forma, seu anonimato, ao dizer junto com ele: “Ah, se a gente levantasse das nuvens o véo, que paraíso, hein? ...De dois mil não passarás!”.

Haut de page

Bibliographie

Chartier, Roger (org). La correspondance – les usages de la lettre au XIX e siècle. Paris : Fayard,  1991.

Gomes, Angela de Castro (org). Escrita de Si, Escrita da História. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

Gotlieb, Nádia Battella & Galvão, Walnice Nogueira Falcão (org). Prezado senhor, prezada senhora. Estudos sobre cartas. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

Jung, C.G. Memórias, sonhos e reflexões. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

Santos, Nádia Maria Weber. A tênue fronteira entre saúde e doença mental, um estudo de casos psiquiátricos á luz da Nova História Cultural, de 1937-1950. Dissertação mestrado, PPG História, IFCH –UFRGS, 2000.

Haut de page

Notes

1 No caso da tese em andamento, com o Diário do Hospício, escrito por Lima Barreto, durante sua internação no Hospício Nacional do Rio de Janeiro, em janeiro/fevereiro de 1920, e que deu origem a seu romance inacabado Cemitério dos Vivos, e com o romance simbolista de Rocha Pombo, chamado No Hospício, publicado em 1905, onde o enredo trata de um homem (narrador) que se interna voluntariamente num hospício, porque se interessou por conhecer um dos loucos, lá internado, uma figura enigmática e psicologicamente atraente.
2 Note-se que ele escreve no momento da ascensão dos regimes fascista e nazista no mundo e, aqui no Brasil irá começar o 'Estado Novo'.
3 “A carta pessoal ‘diz’ que o segredo existe, explicitando seus limites, ou faz crer que ele não existe e que a confissão é plena”. Gomes: 2004, p.21.
4 Suas opiniões não estão aqui para serem julgadas, se são certas ou erradas. Importa constatar que, para nós, elas não representam tão simples e necessariamente "idéias delirantes", pois retratam uma realidade, tanto interna (psicológica), quanto externa a ele próprio. Também se ressalta que não se trata de anular a presença de uma doença, de uma dissociação; mas sim se atenta ao fato de que se pode ter um outro olhar para ela. “Ao debruçar-me sobre os doentes e seu destino, compreendera que as idéias de perseguição e as alucinações se formam em torno de um núcleo significativo. No fundo, há os dramas de uma vida, de uma esperança, de um desejo. Se não lhes compreendemos o sentido, é uma falha nossa. Nessas circunstâncias, compreendi pela primeira vez que na psicose jaz e se oculta uma psicologia geral da personalidade e nela se encontram todos os eternos incuráveis, obtusos, apáticos, se agita mais vida e sentido do que pensamos. No fundo, não descobrimos no doente mental nada de novo ou de desconhecido; encontramos nele as bases de nossa própria natureza. ”  Jung: 1984, pp. 117-8.
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Nádia Maria Weber Santos, « Escritos de si como reveladores de sensibilidades sobre a loucura (Brasil, início do século xx) », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Colloques, mis en ligne le 19 mars 2005, consulté le 25 novembre 2017. URL : http://nuevomundo.revues.org/837 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.837

Haut de page

Auteur

Nádia Maria Weber Santos

Médecin psychiatre, "mestre" en histoire et doctorante en histoire (UFRGS - Brésil)

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page